Salmos

1. Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

2. Antes, tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.

3. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará.

4. Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.

5. Pelo que os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.

6. Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; mas o caminho dos ímpios perecerá.

1. Por que se amotinam as nações, e os povos imaginam coisas vãs?

2. Os reis da terra se levantam, e os príncipes juntos se mancomunam contra o SENHOR e contra o seu ungido, dizendo:

3. Rompamos as suas ataduras e sacudamos de nós as suas cordas.

4. Aquele que habita nos céus se rirá; o Senhor zombará deles.

5. Então, lhes falará na sua ira e no seu furor os confundirá.

6. Eu, porém, ungi o meu Rei sobre o meu santo monte Sião.

7. Recitarei o decreto: O SENHOR me disse: Tu és meu Filho; eu hoje te gerei.

8. Pede-me, e eu te darei as nações por herança e os confins da terra por tua possessão.

9. Tu os esmigalharás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro.

10. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra.

11. Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos com tremor.

12. Beijai o Filho, para que se não ire, e pereçais no caminho, quando em breve se inflamar a sua ira. Bem-aventurados todos aqueles que nele confiam.

1. SENHOR, como se têm multiplicado os meus adversários! São muitos os que se levantam contra mim.

2. Muitos dizem da minha alma: Não há salvação para ele em Deus. ( Selá )

3. Mas tu, SENHOR, és um escudo para mim, a minha glória e o que exalta a minha cabeça.

4. Com a minha voz clamei ao SENHOR; ele ouviu-me desde o seu santo monte. ( Selá )

5. Eu me deitei e dormi; acordei, porque o SENHOR me sustentou.

6. Não terei medo de dez milhares de pessoas que se puseram contra mim ao meu redor.

7. Levanta-te, SENHOR; salva-me, Deus meu, pois feriste a todos os meus inimigos nos queixos; quebraste os dentes aos ímpios.

8. A salvação vem do SENHOR; sobre o teu povo seja a tua bênção. ( Selá )

1. Ouve-me quando eu clamo, ó Deus da minha justiça; na angústia me deste largueza; tem misericórdia de mim e ouve a minha oração.

2. Filhos dos homens, até quando convertereis a minha glória em infâmia? Até quando amareis a vaidade e buscareis a mentira? ( Selá )

3. Sabei, pois, que o SENHOR separou para si aquele que lhe é querido; o SENHOR ouvirá quando eu clamar a ele.

4. Perturbai-vos e não pequeis; falai com o vosso coração sobre a vossa cama e calai-vos. ( Selá )

5. Oferecei sacrifícios de justiça e confiai no SENHOR.

6. Muitos dizem: Quem nos mostrará o bem? SENHOR, exalta sobre nós a luz do teu rosto.

7. Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se multiplicaram o seu trigo e o seu vinho.

8. Em paz também me deitarei e dormirei, porque só tu, SENHOR, me fazes habitar em segurança.

1. Dá ouvidos às minhas palavras, ó SENHOR; atende à minha meditação.

2. Atende à voz do meu clamor, Rei meu e Deus meu, pois a ti orarei.

3. Pela manhã, ouvirás a minha voz, ó SENHOR; pela manhã, me apresentarei a ti, e vigiarei.

4. Porque tu não és um Deus que tenha prazer na iniqüidade, nem contigo habitará o mal.

5. Os loucos não pararão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a maldade.

6. Destruirás aqueles que proferem a mentira; o SENHOR aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento.

7. Mas eu entrarei em tua casa pela grandeza da tua benignidade; e em teu temor me inclinarei para o teu santo templo.

8. SENHOR, guia-me na tua justiça, por causa dos meus inimigos; aplana diante de mim o teu caminho.

9. Porque não há retidão na boca deles; o seu íntimo são verdadeiras maldades; a sua garganta é um sepulcro aberto; lisonjeiam com a sua língua.

10. Declara-os culpados, ó Deus; caiam por seus próprios conselhos; lança-os fora por causa da multidão de suas transgressões, pois se revoltaram contra ti.

11. Mas alegrem-se todos os que confiam em ti; exultem eternamente, porquanto tu os defendes; e em ti se gloriem os que amam o teu nome.

12. Pois tu, SENHOR, abençoarás ao justo; circundá-lo-ás da tua benevolência como de um escudo.

1. SENHOR, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor.

2. Tem misericórdia de mim, SENHOR, porque sou fraco; sara-me, SENHOR, porque os meus ossos estão perturbados.

3. Até a minha alma está perturbada; mas tu, SENHOR, até quando?

4. Volta-te, SENHOR, livra a minha alma; salva-me por tua benignidade.

5. Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará?

6. Já estou cansado do meu gemido; toda noite faço nadar a minha cama; molho o meu leito com as minhas lágrimas.

7. Já os meus olhos estão consumidos pela mágoa e têm envelhecido por causa de todos os meus inimigos.

8. Apartai-vos de mim todos os que praticais a iniqüidade; porque o SENHOR já ouviu a voz do meu lamento.

9. O SENHOR já ouviu a minha súplica; o SENHOR aceitará a minha oração.

10. Envergonhem-se e perturbem-se todos os meus inimigos; tornem atrás e envergonhem-se num momento.

1. SENHOR, meu Deus, em ti confio; salva-me de todos os que me perseguem e livra-me;

2. para que ele não arrebate a minha alma, como leão, despedaçando-a, sem que haja quem a livre;

3. SENHOR, meu Deus, se eu fiz isto, se há perversidade nas minhas mãos,

4. se paguei com o mal àquele que tinha paz comigo ( antes, livrei ao que me oprimia sem causa );

5. persiga o inimigo a minha alma e alcance-a; calque aos pés a minha vida sobre a terra e reduza a pó a minha glória. ( Selá )

6. Levanta-te, SENHOR, na tua ira; exalta-te por causa do furor dos meus opressores; e desperta por mim, para o juízo que ordenaste.

7. Assim, te rodeará o ajuntamento de povos; por causa deles, pois, volta às alturas.

8. O SENHOR julgará os povos; julga-me, SENHOR, conforme a minha justiça e conforme a integridade que há em mim.

9. Tenha já fim a malícia dos ímpios, mas estabeleça-se o justo; pois tu, ó justo Deus, provas o coração e a mente.

10. O meu escudo está com Deus, que salva os retos de coração.

11. Deus é um juiz justo, um Deus que se ira todos os dias.

12. Se o homem se não converter, Deus afiará a sua espada; já tem armado o seu arco e está aparelhado;

13. e já para ele preparou armas mortais; e porá em ação as suas setas inflamadas contra os perseguidores.

14. Eis que esse está com dores de perversidade; concebeu trabalhos e produzirá mentiras.

15. Cavou um poço, e o fez fundo, e caiu na cova que fez.

16. A sua obra cairá sobre a sua cabeça; e a sua violência descerá sobre a sua mioleira.

17. Eu louvarei ao SENHOR segundo a sua justiça e cantarei louvores ao nome do SENHOR Altíssimo.

1. Ó SENHOR, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome em toda a terra, pois puseste a tua glória sobre os céus!

2. Da boca das crianças e dos que mamam tu suscitaste força, por causa dos teus adversários, para fazeres calar o inimigo e vingativo.

3. Quando vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste;

4. que é o homem mortal para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites?

5. Contudo, pouco menor o fizeste do que os anjos e de glória e de honra o coroaste.

6. Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés:

7. todas as ovelhas e bois, assim como os animais do campo;

8. as aves dos céus, e os peixes do mar, e tudo o que passa pelas veredas dos mares.

9. Ó SENHOR, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome sobre toda a terra!

1. Eu te louvarei, SENHOR, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas.

2. Em ti me alegrarei e saltarei de prazer; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo.

3. Porquanto os meus inimigos retrocederam e caíram; e pereceram diante da tua face.

4. Pois tu tens sustentado o meu direito e a minha causa; tu te assentaste no tribunal, julgando justamente.

5. Repreendeste as nações, destruíste os ímpios, apagaste o seu nome para sempre e eternamente.

6. Oh! Inimigo! Consumaram-se as assolações; —tu arrasaste as cidades, e a sua memória pereceu com elas.

7. Mas o SENHOR está assentado perpetuamente; já preparou o seu tribunal para julgar.

8. Ele mesmo julgará o mundo com justiça; julgará os povos com retidão.

9. O SENHOR será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia.

10. E em ti confiarão os que conhecem o teu nome; porque tu, SENHOR, nunca desamparaste os que te buscam.

11. Cantai louvores ao SENHOR, que habita em Sião; anunciai entre os povos os seus feitos,

12. pois inquire do derramamento de sangue e lembra-se dele; não se esquece do clamor dos aflitos.

13. Tem misericórdia de mim, SENHOR; vê como me fazem sofrer aqueles que me aborrecem, tu que me levantas das portas da morte;

14. para que eu conte todos os teus louvores às portas da filha de Sião e me alegre na tua salvação.

15. As nações precipitaram-se na cova que abriram; na rede que ocultaram ficou preso o seu pé.

16. O SENHOR é conhecido pelo juízo que fez; enlaçado ficou o ímpio nos seus próprios feitos. ( Higaiom; Selá )

17. Os ímpios serão lançados no inferno e todas as nações que se esquecem de Deus.

18. Porque o necessitado não será esquecido para sempre, nem a expectação dos pobres se malogrará perpetuamente.

19. Levanta-te, SENHOR! Não prevaleça o homem; sejam julgadas as nações perante a tua face.

20. Tu os pões em medo, SENHOR, para que saibam as nações que são constituídas por meros homens. ( Selá )

1. Por que te conservas longe, SENHOR? Por que te escondes nos tempos de angústia?

2. Os ímpios, na sua arrogância, perseguem furiosamente o pobre; sejam apanhados nas ciladas que maquinaram.

3. Porque o ímpio gloria-se do desejo da sua alma, bendiz ao avarento e blasfema do SENHOR.

4. Por causa do seu orgulho, o ímpio não investiga; todas as suas cogitações são: Não há Deus.

5. Os seus caminhos são sempre atormentadores; os teus juízos estão longe dele, em grande altura; trata com desprezo os seus adversários.

6. Diz em seu coração: Não serei abalado, porque nunca me verei na adversidade.

7. A sua boca está cheia de imprecações, de enganos e de astúcia; debaixo da sua língua há malícia e maldade.

8. Põe-se nos cerrados das aldeias; nos lugares ocultos mata o inocente; os seus olhos estão ocultamente fixos sobre o pobre.

9. Arma ciladas em esconderijos, como o leão no seu covil; arma ciladas para roubar o pobre; rouba-o colhendo-o na sua rede.

10. Encolhe-se, abaixa-se, para que os pobres caiam em suas fortes garras.

11. Diz em seu coração: Deus esqueceu-se; cobriu o seu rosto e nunca verá isto.

12. Levanta-te, SENHOR! Ó Deus, levanta a tua mão; não te esqueças dos necessitados!

13. Por que blasfema de Deus o ímpio, dizendo no seu coração que tu não inquirirás?

14. Tu o viste, porque atentas para o trabalho e enfado, para os tomares sob tuas mãos; a ti o pobre se encomenda; tu és o auxílio do órfão.

15. Quebranta o braço do ímpio e malvado; busca a sua impiedade até nada mais achares dela.

16. O SENHOR é Rei eterno; da sua terra serão desarraigados os gentios.

17. SENHOR, tu ouviste os desejos dos mansos; confortarás o seu coração; os teus ouvidos estarão abertos para eles;

18. para fazeres justiça ao órfão e ao oprimido, a fim de que o homem, que é da terra, não prossiga mais em usar da violência.

1. No SENHOR confio; como dizeis, pois, à minha alma: Foge para a tua montanha como pássaro?

2. Porque eis que os ímpios armam o arco, põem as flechas na corda, para com elas atirarem, às ocultas, aos retos de coração.

3. Na verdade, que já os fundamentos se transtornam; que pode fazer o justo?

4. O SENHOR está no seu santo templo; o trono do SENHOR está nos céus; os seus olhos estão atentos, e as suas pálpebras provam os filhos dos homens.

5. O SENHOR prova o justo, mas a sua alma aborrece o ímpio e o que ama a violência.

6. Sobre os ímpios fará chover laços, fogo, enxofre e vento tempestuoso; eis a porção do seu copo.

7. Porque o SENHOR é justo e ama a justiça; o seu rosto está voltado para os retos.

1. Salva-nos, SENHOR, porque faltam os homens benignos; porque são poucos os fiéis entre os filhos dos homens.

2. Cada um fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobrado.

3. O SENHOR cortará todos os lábios lisonjeiros e a língua que fala soberbamente.

4. Pois dizem: Com a nossa língua prevaleceremos; os lábios são nossos; quem é o senhor sobre nós?

5. Por causa da opressão dos pobres e do gemido dos necessitados, me levantarei agora, diz o SENHOR; porei em salvo aquele para quem eles assopram.

6. As palavras do SENHOR são palavras puras como prata refinada em forno de barro e purificada sete vezes.

7. Tu nos guardarás, SENHOR; desta geração nos livrarás para sempre.

8. Os ímpios circulam por toda parte quando os mais vis dos filhos dos homens são exaltados.

1. Até quando te esquecerás de mim, SENHOR? Para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto?

2. Até quando consultarei com a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando se exaltará sobre mim o meu inimigo?

3. Atenta em mim, ouve-me, ó SENHOR, meu Deus; alumia os meus olhos para que eu não adormeça na morte;

4. para que o meu inimigo não diga: Prevaleci contra ele; e os meus adversários se não alegrem, vindo eu a vacilar.

5. Mas eu confio na tua benignidade; na tua salvação, meu coração se alegrará.

6. Cantarei ao SENHOR, porquanto me tem feito muito bem.

1. Disseram os néscios no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem.

2. O SENHOR olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus.

3. Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um.

4. Não terão conhecimento os obreiros da iniqüidade, que comem o meu povo como se comessem pão? Eles não invocam ao SENHOR.

5. Ali se acharam em grande pavor, porque Deus está na geração dos justos.

6. Vós envergonhais o conselho dos pobres, porquanto o SENHOR é o seu refúgio.

7. Oh! Se de Sião tivera já vindo a redenção de Israel! Quando o SENHOR fizer voltar os cativos do seu povo, se regozijará Jacó e se alegrará Israel.

1. SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte?

2. Aquele que anda em sinceridade, e pratica a justiça, e fala verazmente segundo o seu coração;

3. aquele que não difama com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo, nem aceita nenhuma afronta contra o seu próximo;

4. aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado; mas honra os que temem ao SENHOR; aquele que, mesmo que jure com dano seu, não muda.

5. Aquele que não empresta o seu dinheiro com usura, nem recebe subornos contra o inocente; quem faz isto nunca será abalado.

1. Guarda-me, ó Deus, porque em ti confio.

2. A minha alma disse ao SENHOR: Tu és o meu Senhor; não tenho outro bem além de ti.

3. Digo aos santos que estão na terra e aos ilustres em quem está todo o meu prazer:

4. As dores se multiplicarão àqueles que fazem oferendas a outro deus; eu não oferecerei as suas libações de sangue, nem tomarei o seu nome nos meus lábios.

5. O SENHOR é a porção da minha herança e o meu cálice; tu sustentas a minha sorte.

6. As linhas caem-me em lugares deliciosos; sim, coube-me uma formosa herança.

7. Louvarei ao SENHOR que me aconselhou; até o meu coração me ensina de noite.

8. Tenho posto o SENHOR continuamente diante de mim; por isso que ele está à minha mão direita, nunca vacilarei.

9. Portanto, está alegre o meu coração e se regozija a minha glória; também a minha carne repousará segura.

10. Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.

11. Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença há abundância de alegrias; à tua mão direita há delícias perpetuamente.

1. Ouve, SENHOR, a justiça e atende ao meu clamor; dá ouvidos à minha oração, que não é feita com lábios enganosos.

2. Saia a minha sentença de diante do teu rosto; atendam os teus olhos à razão.

3. Provaste o meu coração; visitaste-me de noite; examinaste-me e nada achaste; o que pensei, a minha boca não transgredirá.

4. Quanto ao trato dos homens, pela palavra dos teus lábios me guardei das veredas do destruidor.

5. Dirige os meus passos nos teus caminhos, para que as minhas pegadas não vacilem.

6. Eu te invoquei, ó Deus, pois me queres ouvir; inclina para mim os teus ouvidos e escuta as minhas palavras.

7. Faze maravilhosas as tuas beneficências, tu que livras aqueles que em ti confiam dos que se levantam contra a tua destra.

8. Guarda-me como à menina do olho, esconde-me à sombra das tuas asas,

9. dos ímpios que me oprimem, dos meus inimigos mortais que me andam cercando.

10. Na sua gordura se encerram e com a boca falam soberbamente.

11. Andam-nos agora espiando os nossos passos; e fixam os seus olhos em nós para nos derribarem por terra;

12. parecem-se com o leão que deseja arrebatar a sua presa e com o leãozinho que se põe em esconderijos.

13. Levanta-te, SENHOR! Detém-no, derriba-o, livra a minha alma do ímpio, pela tua espada;

14. dos homens, com a tua mão, SENHOR, dos homens do mundo, cuja porção está nesta vida e cujo ventre enches do teu tesouro oculto; seus filhos estão fartos, e estes dão os seus sobejos às suas crianças.

15. Quanto a mim, contemplarei a tua face na justiça; eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar.

1. Eu te amarei do coração, ó SENHOR, fortaleza minha.

2. O SENHOR é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação e o meu alto refúgio.

3. Invocarei o nome do SENHOR, que é digno de louvor, e ficarei livre dos meus inimigos.

4. Cordéis de morte me cercaram, e torrentes de impiedade me assombraram.

5. Cordas do inferno me cingiram, laços de morte me surpreenderam.

6. Na angústia, invoquei ao SENHOR e clamei ao meu Deus; desde o seu templo ouviu a minha voz e aos seus ouvidos chegou o meu clamor perante a sua face.

7. Então, a terra se abalou e tremeu; e os fundamentos dos montes também se moveram e se abalaram, porquanto se indignou.

8. Do seu nariz subiu fumaça, e da sua boca saiu fogo que consumia; carvões se acenderam dele.

9. Abaixou os céus e desceu, e a escuridão estava debaixo de seus pés.

10. E montou num querubim e voou; sim, voou sobre as asas do vento.

11. Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus.

12. Ao resplendor da sua presença as nuvens se espalharam, e a saraiva, e as brasas de fogo.

13. E o SENHOR trovejou nos céus; o Altíssimo levantou a sua voz; e havia saraiva e brasas de fogo.

14. Despediu as suas setas e os espalhou; multiplicou raios e os perturbou.

15. Então, foram vistas as profundezas das águas, e foram descobertos os fundamentos do mundo; pela tua repreensão, SENHOR, ao soprar das tuas narinas.

16. Enviou desde o alto e me tomou; tirou-me das muitas águas.

17. Livrou-me do meu inimigo forte e dos que me aborreciam, pois eram mais poderosos do que eu.

18. Surpreenderam-me no dia da minha calamidade; mas o SENHOR foi o meu amparo.

19. Trouxe-me para um lugar espaçoso; livrou-me, porque tinha prazer em mim.

20. Recompensou-me o SENHOR conforme a minha justiça e retribuiu-me conforme a pureza das minhas mãos.

21. Porque guardei os caminhos do SENHOR e não me apartei impiamente do meu Deus.

22. Porque todos os seus juízos estavam diante de mim, e não rejeitei os seus estatutos.

23. Também fui sincero perante ele e me guardei da minha iniqüidade.

24. Pelo que me retribuiu o SENHOR conforme a minha justiça, conforme a pureza de minhas mãos perante os seus olhos.

25. Com o benigno te mostrarás benigno; e com o homem sincero te mostrarás sincero;

26. com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás indomável.

27. Porque tu livrarás o povo aflito e abaterás os olhos altivos.

28. Porque tu acenderás a minha candeia; o SENHOR, meu Deus, alumiará as minhas trevas.

29. Porque contigo entrei pelo meio de um esquadrão e com o meu Deus saltei uma muralha.

30. O caminho de Deus é perfeito; a palavra do SENHOR é provada; é um escudo para todos os que nele confiam.

31. Porque, quem é Deus senão o SENHOR? E quem é rochedo senão o nosso Deus?

32. Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho.

33. Faz os meus pés como os das cervas e põe-me nas minhas alturas.

34. Adestra as minhas mãos para o combate, de sorte que os meus braços quebraram um arco de cobre.

35. Também me deste o escudo da tua salvação; a tua mão direita me susteve, e a tua mansidão me engrandeceu.

36. Alargaste os meus passos e os meus artelhos não vacilaram.

37. Persegui os meus inimigos e os alcancei; não voltei, senão depois de os ter consumido.

38. Atravessei-os, de sorte que não se puderam levantar; caíram debaixo dos meus pés.

39. Pois me cingiste de força para a peleja; fizeste abater debaixo de mim aqueles que contra mim se levantaram.

40. Deste-me também o pescoço dos meus inimigos, para que eu pudesse destruir os que me aborrecem.

41. Clamaram, mas não houve quem os livrasse; até ao SENHOR, mas ele não lhes respondeu.

42. Então, os esmiucei como o pó diante do vento; deitei-os fora como a lama das ruas.

43. Livraste-me das contendas do povo e me fizeste cabeça das nações; um povo que não conheci me servirá.

44. Em ouvindo a minha voz, me obedecerão; os estranhos se submeterão a mim.

45. Os estranhos decairão e terão medo nas suas fortificações.

46. O SENHOR vive; e bendito seja o meu rochedo, e exaltado seja o Deus da minha salvação.

47. É Deus que me vinga inteiramente e sujeita os povos debaixo de mim;

48. o que me livra de meus inimigos; —sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim, tu me livras do homem violento.

49. Pelo que, ó SENHOR, te louvarei entre as nações e cantarei louvores ao teu nome.

50. É ele que engrandece as vitórias do seu rei e usa de benignidade com o seu ungido, com Davi, e com a sua posteridade para sempre.

1. Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.

2. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.

3. Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes

4. em toda a extensão da terra, e as suas palavras, até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol,

5. que é qual noivo que sai do seu tálamo e se alegra como um herói a correr o seu caminho.

6. A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso, até à outra extremidade deles; e nada se furta ao seu calor.

7. A lei do SENHOR é perfeita e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel e dá sabedoria aos símplices.

8. Os preceitos do SENHOR são retos e alegram o coração; o mandamento do SENHOR é puro e alumia os olhos.

9. O temor do SENHOR é limpo e permanece eternamente; os juízos do SENHOR são verdadeiros e justos juntamente.

10. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos.

11. Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande recompensa.

12. Quem pode entender os próprios erros? Expurga-me tu dos que me são ocultos.

13. Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhoreie de mim; então, serei sincero e ficarei limpo de grande transgressão.

14. Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, SENHOR, rocha minha e libertador meu!

1. O SENHOR te ouça no dia da angústia; o nome do Deus de Jacó te proteja.

2. Envie-te socorro desde o seu santuário e te sustenha desde Sião.

3. Lembre-se de todas as tuas ofertas e aceite os teus holocaustos. ( Selá )

4. Conceda-te conforme o teu coração e cumpra todo o teu desígnio.

5. Nós nos alegraremos pela tua salvação e, em nome do nosso Deus, arvoraremos pendões; satisfaça o SENHOR todas as tuas petições.

6. Agora sei que o SENHOR salva o seu ungido; ele o ouvirá desde o seu santo céu com a força salvadora da sua destra.

7. Uns confiam em carros, e outros, em cavalos, mas nós faremos menção do nome do SENHOR, nosso Deus.

8. Uns encurvam-se e caem, mas nós nos levantamos e estamos de pé.

9. Salva-nos, SENHOR! Ouça-nos o Rei quando clamarmos.

1. O rei se alegra em tua força, SENHOR; e na tua salvação grandemente se regozija.

2. Cumpriste-lhe o desejo do seu coração e não desatendeste as súplicas dos seus lábios. ( Selá )

3. Pois o provês das bênçãos de bondade; pões na sua cabeça uma coroa de ouro fino.

4. Vida te pediu, e lha deste, mesmo longura de dias para sempre e eternamente.

5. Grande é a sua glória pela tua salvação; de honra e de majestade o revestiste.

6. Pois o abençoaste para sempre; tu o enches de gozo com a tua face.

7. Porque o rei confia no SENHOR e pela misericórdia do Altíssimo nunca vacilará.

8. A tua mão alcançará todos os teus inimigos; a tua mão direita alcançará aqueles que te aborrecem.

9. Tu os farás como um forno aceso quando te manifestares; o SENHOR os devorará na sua indignação, e o fogo os consumirá.

10. Seu fruto destruirás da terra e a sua descendência, dentre os filhos dos homens.

11. Porque intentaram o mal contra ti; maquinaram um ardil, mas não prevalecerão.

12. Portanto, tu lhes farás voltar as costas; e com tuas flechas postas nas cordas lhes apontarás ao rosto.

13. Exalta-te, SENHOR, na tua força; então, cantaremos e louvaremos o teu poder.

1. Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que te alongas das palavras do meu bramido e não me auxilias?

2. Deus meu, eu clamo de dia, e tu não me ouves; de noite, e não tenho sossego.

3. Porém tu és Santo, o que habitas entre os louvores de Israel.

4. Em ti confiaram nossos pais; confiaram, e tu os livraste.

5. A ti clamaram e escaparam; em ti confiaram e não foram confundidos.

6. Mas eu sou verme, e não homem, opróbrio dos homens e desprezado do povo.

7. Todos os que me vêem zombam de mim, estendem os lábios e meneiam a cabeça, dizendo:

8. Confiou no SENHOR, que o livre; livre-o, pois nele tem prazer.

9. Mas tu és o que me tiraste do ventre; o que me preservaste estando ainda aos seios de minha mãe.

10. Sobre ti fui lançado desde a madre; tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe.

11. Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem ajude.

12. Muitos touros me cercaram; fortes touros de Basã me rodearam.

13. Abriram contra mim suas bocas, como um leão que despedaça e que ruge.

14. Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjuntaram; o meu coração é como cera e derreteu-se dentro de mim.

15. A minha força se secou como um caco, e a língua se me pega ao paladar; e me puseste no pó da morte.

16. Pois me rodearam cães; o ajuntamento de malfeitores me cercou; traspassaram-me as mãos e os pés.

17. Poderia contar todos os meus ossos; eles vêem e me contemplam.

18. Repartem entre si as minhas vestes e lançam sortes sobre a minha túnica.

19. Mas tu, SENHOR, não te alongues de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me.

20. Livra a minha alma da espada e a minha predileta, da força do cão.

21. Salva-me da boca do leão; sim, ouve-me desde as pontas dos unicórnios.

22. Então, declararei o teu nome aos meus irmãos; louvar-te-ei no meio da congregação.

23. Vós que temeis ao SENHOR, louvai-o; todos vós, descendência de Jacó, glorificai-o; e temei-o todos vós, descendência de Israel.

24. Porque não desprezou nem abominou a aflição do aflito, nem escondeu dele o seu rosto; antes, quando ele clamou, o ouviu.

25. O meu louvor virá de ti na grande congregação; pagarei os meus votos perante os que o temem.

26. Os mansos comerão e se fartarão; louvarão ao SENHOR os que o buscam; o vosso coração viverá eternamente.

27. Todos os limites da terra se lembrarão e se converterão ao SENHOR; e todas as gerações das nações adorarão perante a tua face.

28. Porque o reino é do SENHOR, e ele domina entre as nações.

29. Todos os grandes da terra comerão e adorarão, e todos os que descem ao pó se prostrarão perante ele; como também os que não podem reter a sua vida.

30. Uma semente o servirá; falará do Senhor de geração em geração.

31. Chegarão e anunciarão a sua justiça ao povo que nascer, porquanto ele o fez.

1. O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará.

2. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.

3. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.

4. Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

5. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.

6. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR por longos dias.

1. Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam.

2. Porque ele a fundou sobre os mares e a firmou sobre os rios.

3. Quem subirá ao monte do SENHOR ou quem estará no seu lugar santo?

4. Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente.

5. Este receberá a bênção do SENHOR e a justiça do Deus da sua salvação.

6. Esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacó. ( Selá )

7. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.

8. Quem é este Rei da Glória? O SENHOR forte e poderoso, o SENHOR poderoso na guerra.

9. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.

10. Quem é este Rei da Glória? O SENHOR dos Exércitos; ele é o Rei da Glória. ( Selá )

1. A ti, SENHOR, levanto a minha alma.

2. Deus meu, em ti confio; não me deixes confundido, nem que os meus inimigos triunfem sobre mim.

3. Na verdade, não serão confundidos os que esperam em ti; confundidos serão os que transgridem sem causa.

4. Faze-me saber os teus caminhos, SENHOR; ensina-me as tuas veredas.

5. Guia-me na tua verdade e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação; por ti estou esperando todo o dia.

6. Lembra-te, SENHOR, das tuas misericórdias e das tuas benignidades, porque são desde a eternidade.

7. Não te lembres dos pecados da minha mocidade nem das minhas transgressões; mas, segundo a tua misericórdia, lembra-te de mim, por tua bondade, SENHOR.

8. Bom e reto é o SENHOR; pelo que ensinará o caminho aos pecadores.

9. Guiará os mansos retamente; e aos mansos ensinará o seu caminho.

10. Todas as veredas do SENHOR são misericórdia e verdade para aqueles que guardam o seu concerto e os seus testemunhos.

11. Por amor do teu nome, SENHOR, perdoa a minha iniqüidade, pois é grande.

12. Qual é o homem que teme ao SENHOR? Ele o ensinará no caminho que deve escolher.

13. A sua alma pousará no bem, e a sua descendência herdará a terra.

14. O segredo do SENHOR é para os que o temem; e ele lhes fará saber o seu concerto.

15. Os meus olhos estão continuamente no SENHOR, pois ele tirará os meus pés da rede.

16. Olha para mim e tem piedade de mim, porque estou solitário e aflito.

17. As ânsias do meu coração se têm multiplicado; tira-me dos meus apertos.

18. Olha para a minha aflição e para a minha dor e perdoa todos os meus pecados.

19. Olha para os meus inimigos, pois se vão multiplicando e me aborrecem com ódio cruel.

20. Guarda a minha alma e livra-me; não me deixes confundido, porquanto confio em ti.

21. Guardem-me a sinceridade e a retidão, porquanto espero em ti.

22. Redime, ó Deus, a Israel de todas as suas angústias.

1. Julga-me, SENHOR, pois tenho andado em minha sinceridade; tenho confiado também no SENHOR; não vacilarei.

2. Examina-me, SENHOR, e prova-me; esquadrinha a minha mente e o meu coração.

3. Porque a tua benignidade está diante dos meus olhos; e tenho andado na tua verdade.

4. Não me tenho assentado com homens vãos, nem converso com os homens dissimulados.

5. Tenho aborrecido a congregação de malfeitores; não me ajunto com os ímpios.

6. Lavo as minhas mãos na inocência; e assim andarei, SENHOR, ao redor do teu altar,

7. para publicar com voz de louvor e contar todas as tuas maravilhas.

8. SENHOR, eu tenho amado a habitação da tua casa e o lugar onde permanece a tua glória.

9. Não colhas a minha alma com a dos pecadores, nem a minha vida com a dos homens sanguinolentos,

10. em cujas mãos há malefício, e cuja mão direita está cheia de subornos.

11. Mas eu ando na minha sinceridade; livra-me e tem piedade de mim.

12. O meu pé está posto em caminho plano; nas congregações louvarei ao SENHOR.

1. O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O SENHOR é a força da minha vida; de quem me recearei?

2. Quando os malvados, meus adversários e meus inimigos, investiram contra mim, para comerem as minhas carnes, tropeçaram e caíram.

3. Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria; ainda que a guerra se levantasse contra mim, nele confiaria.

4. Uma coisa pedi ao SENHOR e a buscarei: que possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do SENHOR e aprender no seu templo.

5. Porque no dia da adversidade me esconderá no seu pavilhão; no oculto do seu tabernáculo me esconderá; pôr-me-á sobre uma rocha.

6. Também a minha cabeça será exaltada sobre os meus inimigos que estão ao redor de mim; pelo que oferecerei sacrifício de júbilo no seu tabernáculo; cantarei, sim, cantarei louvores ao SENHOR.

7. Ouve, SENHOR, a minha voz quando clamo; tem também piedade de mim e responde-me.

8. Quando tu disseste: Buscai o meu rosto, o meu coração te disse a ti: O teu rosto, SENHOR, buscarei.

9. Não escondas de mim a tua face e não rejeites ao teu servo com ira; tu foste a minha ajuda; não me deixes, nem me desampares, ó Deus da minha salvação.

10. Porque, quando meu pai e minha mãe me desampararem, o SENHOR me recolherá.

11. Ensina-me, SENHOR, o teu caminho e guia-me pela vereda direita, por causa dos que me andam espiando.

12. Não me entregues à vontade dos meus adversários, pois se levantaram falsas testemunhas contra mim, e os que respiram crueldade.

13. Pereceria sem dúvida, se não cresse que veria os bens do SENHOR na terra dos viventes.

14. Espera no SENHOR, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, no SENHOR.

1. A ti clamarei, ó SENHOR, rocha minha; não emudeças para comigo; não suceda, calando-te tu a meu respeito, que eu me torne semelhante aos que descem à cova.

2. Ouve a voz das minhas súplicas, quando a ti clamar, quando levantar as minhas mãos para o oráculo do teu santuário.

3. Não me arremesses com os ímpios e com os que praticam a iniqüidade; que falam de paz ao seu próximo, mas têm o mal no seu coração.

4. Retribui-lhes segundo as suas obras e segundo a malícia dos seus esforços; dá-lhes conforme a obra das suas mãos; envia-lhes a sua recompensa.

5. Porquanto não atentam para as obras do SENHOR, nem para o que as suas mãos têm feito; pelo que ele os derribará e não os reedificará.

6. Bendito seja o SENHOR, porque ouviu a voz das minhas súplicas.

7. O SENHOR é a minha força e o meu escudo; nele confiou o meu coração, e fui socorrido; pelo que o meu coração salta de prazer, e com o meu canto o louvarei.

8. O SENHOR é a força do seu povo; também é a força salvadora do seu ungido.

9. Salva o teu povo e abençoa a tua herança; apascenta-os e exalta-os para sempre.

1. Dai ao SENHOR, ó filhos dos poderosos, dai ao SENHOR glória e força.

2. Dai ao SENHOR a glória devida ao seu nome; adorai o SENHOR na beleza da sua santidade.

3. A voz do SENHOR ouve-se sobre as águas; o Deus da glória troveja; o SENHOR está sobre as muitas águas.

4. A voz do SENHOR é poderosa; a voz do SENHOR é cheia de majestade.

5. A voz do SENHOR quebra os cedros; sim, o SENHOR quebra os cedros do Líbano.

6. Ele os faz saltar como a um bezerro; ao Líbano e Siriom, como novos unicórnios.

7. A voz do SENHOR separa as labaredas do fogo.

8. A voz do SENHOR faz tremer o deserto; o SENHOR faz tremer o deserto de Cades.

9. A voz do SENHOR faz parir as cervas e desnuda as brenhas. E no seu templo cada um diz: Glória!

10. O SENHOR se assentou sobre o dilúvio; o SENHOR se assenta como Rei perpetuamente.

11. O SENHOR dará força ao seu povo; o SENHOR abençoará o seu povo com paz.

1. Exaltar-te-ei, ó SENHOR, porque tu me exaltaste; e não fizeste com que meus inimigos se alegrassem sobre mim.

2. SENHOR, meu Deus, clamei a ti, e tu me saraste.

3. SENHOR, fizeste subir a minha alma da sepultura; conservaste-me a vida para que não descesse ao abismo.

4. Cantai ao SENHOR, vós que sois seus santos, e celebrai a memória da sua santidade.

5. Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida; o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.

6. Eu dizia na minha prosperidade: Não vacilarei jamais.

7. Tu, SENHOR, pelo teu favor fizeste forte a minha montanha; tu encobriste o teu rosto, e fiquei perturbado.

8. A ti, SENHOR, clamei, e ao SENHOR supliquei.

9. Que proveito há no meu sangue, quando desço à cova? Porventura, te louvará o pó? Anunciará ele a tua verdade?

10. Ouve, SENHOR, e tem piedade de mim; SENHOR, sê o meu auxílio.

11. Tornaste o meu pranto em folguedo; tiraste o meu cilício e me cingiste de alegria;

12. para que a minha glória te cante louvores e não se cale; SENHOR, Deus meu, eu te louvarei para sempre.

1. Em ti, SENHOR, confio; nunca me deixes confundido; livra-me pela tua justiça.

2. Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve.

3. Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; pelo que, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me.

4. Tira-me da rede que para mim esconderam, pois tu és a minha força.

5. Nas tuas mãos encomendo o meu espírito; tu me remiste, SENHOR, Deus da verdade.

6. Aborreço aqueles que se entregam a vaidades enganosas; eu, porém, confio no SENHOR.

7. Eu me alegrarei e regozijarei na tua benignidade, pois consideraste a minha aflição; conheceste a minha alma nas angústias.

8. E não me entregaste nas mãos do inimigo; puseste os meus pés num lugar espaçoso.

9. Tem misericórdia de mim, ó SENHOR, porque estou angustiado; consumidos estão de tristeza os meus olhos, a minha alma e o meu corpo.

10. Porque a minha vida está gasta de tristeza, e os meus anos, de suspiros; a minha força descai por causa da minha iniqüidade, e os meus ossos se consomem.

11. Por causa de todos os meus inimigos, fui o opróbrio dos meus vizinhos e um horror para os meus conhecidos; os que me viam na rua fugiam de mim.

12. Estou esquecido no coração deles, como um morto; sou como um vaso quebrado.

13. Pois ouvi a murmuração de muitos; temor havia ao redor; porquanto todos se conluiavam contra mim; intentam tirar-me a vida.

14. Mas eu confiei em ti, SENHOR; e disse: Tu és o meu Deus.

15. Os meus tempos estão nas tuas mãos; livra-me das mãos dos meus inimigos e dos que me perseguem.

16. Faze resplandecer o teu rosto sobre o teu servo; salva-me por tuas misericórdias.

17. Não me deixes confundido, SENHOR, porque te tenho invocado; deixa confundidos os ímpios; emudeçam na sepultura.

18. Emudeçam os lábios mentirosos que dizem coisas más com arrogância e desprezo contra o justo.

19. Oh! Quão grande é a tua bondade, que guardaste para os que te temem, e que tu mostraste àqueles que em ti confiam na presença dos filhos dos homens!

20. Tu os esconderás, no secreto da tua presença, das intrigas dos homens; ocultá-los-ás, em um pavilhão, da contenda das línguas.

21. Bendito seja o SENHOR, pois fez maravilhosa a sua misericórdia para comigo em cidade segura.

22. Pois eu dizia na minha pressa: Estou cortado de diante dos teus olhos; não obstante, tu ouviste a voz das minhas súplicas, quando eu a ti clamei.

23. Amai ao SENHOR, vós todos os que sois seus santos; porque o SENHOR guarda os fiéis e retribui com abundância aos soberbos.

24. Esforçai-vos, e ele fortalecerá o vosso coração, vós todos os que esperais no SENHOR.

1. Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto.

2. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano.

3. Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia.

4. Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. ( Selá )

5. Confessei-te o meu pecado e a minha maldade não encobri; dizia eu: Confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado. ( Selá )

6. Pelo que todo aquele que é santo orará a ti, a tempo de te poder achar; até no transbordar de muitas águas, estas a ele não chegarão.

7. Tu és o lugar em que me escondo; tu me preservas da angústia; tu me cinges de alegres cantos de livramento. ( Selá )

8. Instruir-te-ei e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos.

9. Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio, para que se não atirem a ti.

10. O ímpio tem muitas dores, mas aquele que confia no SENHOR, a misericórdia o cercará.

11. Alegrai-vos no SENHOR e regozijai-vos, vós, os justos; e cantai alegremente todos vós que sois retos de coração.

1. Regozijai-vos no SENHOR, vós, justos, pois aos retos convém o louvor.

2. Louvai ao SENHOR com harpa, cantai a ele com saltério de dez cordas.

3. Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo.

4. Porque a palavra do SENHOR é reta, e todas as suas obras são fiéis.

5. Ele ama a justiça e o juízo; a terra está cheia da bondade do SENHOR.

6. Pela palavra do SENHOR foram feitos os céus; e todo o exército deles, pelo espírito da sua boca.

7. Ele ajunta as águas do mar como num montão; põe os abismos em tesouros.

8. Tema toda a terra ao SENHOR; temam-no todos os moradores do mundo.

9. Porque falou, e tudo se fez; mandou, e logo tudo apareceu.

10. O SENHOR desfaz o conselho das nações; quebranta os intentos dos povos.

11. O conselho do SENHOR permanece para sempre; os intentos do seu coração, de geração em geração.

12. Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o SENHOR, e o povo que ele escolheu para a sua herança.

13. O SENHOR olha desde os céus e está vendo a todos os filhos dos homens;

14. da sua morada contempla todos os moradores da terra.

15. Ele é que forma o coração de todos eles, que contempla todas as suas obras.

16. Não há rei que se salve com a grandeza de um exército, nem o homem valente se livra pela muita força.

17. O cavalo é vão para a segurança; não livra ninguém com a sua grande força.

18. Eis que os olhos do SENHOR estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua misericórdia,

19. para livrar a sua alma da morte e para os conservar vivos na fome.

20. A nossa alma espera no SENHOR; ele é o nosso auxílio e o nosso escudo.

21. Pois nele se alegra o nosso coração, porquanto temos confiado no seu santo nome.

22. Seja a tua misericórdia, SENHOR, sobre nós, como em ti esperamos.

1. Louvarei ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca.

2. A minha alma se gloriará no SENHOR; os mansos o ouvirão e se alegrarão.

3. Engrandecei ao SENHOR comigo, e juntos exaltemos o seu nome.

4. Busquei ao SENHOR, e ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores.

5. Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficarão confundidos.

6. Clamou este pobre, e o SENHOR o ouviu; e o salvou de todas as suas angústias.

7. O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra.

8. Provai e vede que o SENHOR é bom; bem-aventurado o homem que nele confia.

9. Temei ao SENHOR, vós os seus santos, pois não têm falta alguma aqueles que o temem.

10. Os filhos dos leões necessitam e sofrem fome, mas aqueles que buscam ao SENHOR de nada têm falta.

11. Vinde, meninos, ouvi-me; eu vos ensinarei o temor do SENHOR.

12. Quem é o homem que deseja a vida, que quer largos dias para ver o bem?

13. Guarda a tua língua do mal e os teus lábios, de falarem enganosamente.

14. Aparta-te do mal e faze o bem; procura a paz e segue-a.

15. Os olhos do SENHOR estão sobre os justos; e os seus ouvidos, atentos ao seu clamor.

16. A face do SENHOR está contra os que fazem o mal, para desarraigar da terra a memória deles.

17. Os justos clamam, e o SENHOR os ouve e os livra de todas as suas angústias.

18. Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado e salva os contritos de espírito.

19. Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR o livra de todas.

20. Ele lhe guarda todos os seus ossos; nem sequer um deles se quebra.

21. A malícia matará o ímpio, e os que aborrecem o justo serão punidos.

22. O SENHOR resgata a alma dos seus servos, e nenhum dos que nele confiam será condenado.

1. Pleiteia, SENHOR, com aqueles que pleiteiam comigo; peleja contra os que pelejam contra mim.

2. Pega do escudo e da rodela e levanta-te em minha ajuda.

3. Tira da lança e obstrui o caminho aos que me perseguem; dize à minha alma: Eu sou a tua salvação.

4. Sejam confundidos e envergonhados os que buscam a minha vida; voltem atrás e envergonhem-se os que contra mim intentam o mal.

5. Sejam como pragana perante o vento; o anjo do SENHOR os faça fugir.

6. Seja o seu caminho tenebroso e escorregadio, e o anjo do SENHOR os persiga.

7. Porque sem causa encobriram de mim a rede na cova, que sem razão cavaram para a minha alma.

8. Sobrevenha-lhes destruição sem o saberem, e prenda-os a rede que ocultaram; caiam eles nessa mesma destruição.

9. E a minha alma se alegrará no SENHOR; alegrar-se-á na sua salvação.

10. Todos os meus ossos dirão: SENHOR, quem é como tu? Pois livras o pobre daquele que é mais forte do que ele; sim, o pobre e o necessitado, daquele que os rouba.

11. Falsas testemunhas se levantaram; depuseram contra mim coisas que eu não sabia.

12. Tornaram-me o mal pelo bem, roubando a minha alma.

13. Mas, quanto a mim, quando estavam enfermos, a minha veste era pano de saco; humilhava a minha alma com o jejum, e a minha oração voltava para o meu seio.

14. Portava-me com ele como se fora meu irmão ou amigo; andava lamentando e muito encurvado, como quem chora por sua mãe.

15. Mas eles com a minha adversidade se alegravam e se congregavam; os abjetos se congregavam contra mim, e eu não o sabia; rasgavam-me e não cessavam.

16. Como hipócritas zombadores nas festas, ran