Ele Sabe


Esta vida é cheia de provações. Às vezes essas provações são pequenas e fáceis de superar, outras nos deixam devastados e torna-se quase impossível continuar vivendo. No entanto, sabemos que Deus conhece todas as coisas e que permite essas provações com Seu propósito divino. Mas mesmo passando por provações, o Senhor ainda fala conosco com Seu amor e incentivo. Há muitas maneiras de se ouvir essa Voz, uma, não menos importante, é por meio do profeta de Malaquias 4. O apóstolo Paulo disse: “…sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus…” Não sabemos por que esta irmã passou por esta experiência, mas uma das razões é certamente para incentivar a todos nós que estamos lendo o testemunho dela hoje.

Queridos irmãos e irmãs,

Senti no coração de escrever um testemunho sobre um problema pelo qual passei e como o Senhor me curou não só fisicamente, como também enviou o consolo de que eu tanto precisava por meio de Sua Palavra após a minha cura.

No final do verão e início do outono de 2016, meu marido e eu descobrimos que estávamos esperando nosso quinto filho, previsto para nascer por volta da Páscoa de 2017. (A irmã continua a falar sobre seu aborto devastador).

Uma amiga da Geórgia me ligou, não muito tempo após o aborto, para perguntar se ela e sua família, e um casal de idosos que estiveram nas reuniões do irmão Branham, mas que há muito tempo não vinham a Jeffersonville, poderiam vir ficar conosco para que pudessem ir ao culto no Tabernáculo Branham. Falei com meu marido e ele disse que sim. Um ou dois dias antes de chegarem à cidade, meu marido conversou comigo e salientou como eu ainda estava fraca e com pouca energia, e ele achou que eu ficaria sobrecarregada por termos visitas.

Então liguei para minha amiga, que foi muito compreensiva. Eles decidiram vir mesmo assim e ficar em um hotel. Já era noite quando chegaram na cidade para um tempinho de companheirismo. O casal de idosos estava com eles, e o irmão trouxe para mim o livro do sermão no qual ele estava presente e ouviu o irmão Branham pregar, junto com um lencinho de oração.

Prendi o lencinho por dentro da roupa como o irmão Branham instruiu; eu precisava de cura por causa de anemia. Continuava perdendo sangue (por causa do aborto) e possivelmente não teria escolha, exceto passar por uma pequena cirurgia. O médico queria que eu tomasse ferro, diretamente pela veia, para elevar o nível, mas eu não queria fazer isso. Em vez disso eu estava tomando suplementos naturais para restabelecer o nível de ferro, e continuei usando o lencinho de oração e esperando a manifestação da minha cura.

Numa quarta-feira à noite durante o culto no Tabernáculo, minha filhinha estava inquieta então a levei para sentar no carro no estacionamento e continuei ouvindo o culto de lá (pela transmissão de rádio). No final, o irmão Branham orou por uma mulher com fluxo de sangue. Eu disse a mim mesma, no decorrer de tudo, que se ouvisse o irmão Branham orar por alguém com fluxo de sangue, eu seria curada. Louvado seja o Senhor! Não precisei das infusões, pois Deus me curou enquanto estava no estacionamento atrás do Tabernáculo Branham.

Como acontece com muitas mulheres que sofrem aborto, houve momentos em que fiquei prostrada e deprimida, querendo meu bebê. Tinha acabado de passar por isso quando uma manhã meu marido acordou antes de mim e tocou uma Mensagem, enquanto ainda estávamos na cama. Ouvi algo na fita que me acordou. Perguntei ao meu marido qual Mensagem ele havia tocado e, em seguida, peguei meu celular para usar o aplicativo A Mesa para lê-la. Esta é a citação que ouvi:

Assim quando chegamos lá, o homem tinha um caráter muito desagradável, e não achei que ele cresse em alguma coisa. E ele tinha acabado de perder um bebe algumas noites antes disso, um bebê que nasceu morto. Deste modo, nós fomos caçar. E no segundo dia, o homem com quem eu estava caçando tinha lhe dito, disse que eu conseguia caçar por toda parte no país. Assim, quando o outro caçador que estava comigo tinha saído, nós estávamos bem no topo dos cumes; onde tínhamos acabado de perseguir uma onça, até que o levamos a entrar por entre as rochas, e ele tinha escapado. E deste modo estávamos sentados ali esperando que o cão voltasse. E este homem me disse, ele disse: “O outro caçador, seu amigo, me disse que o senhor consegue caçar por toda parte. O senhor tem muito dinheiro?” Disse: “Suponho que não seja da minha conta”.

E eu disse: “Não”, eu disse, “não é que eu tenha muito dinheiro”. Eu disse: “Eu – eu recebo auxilio para realizar um trabalho”.

E ele disse: “Oh, entendo”. Ele disse: “Bem, suponho que não seja da minha conta novamente, mas”, disse, “o senhor trabalha para uma firma que custeia seus gastos?”

Ele estava puxando isso de mim. Eu prometi que não contaria, veja. Deste modo eu disse, sim, eu disse: “Não, senhor. Eu sou pregador, um missionário”.

Ele disse: “Um o quê?”

Eu disse: “Missionário”. E ele só ficou olhando para mim por alguns minutos.

Eu disse: “O senhor tem alguma esperança de Vida futura? Qual é a sua esperança?”

Ele disse: “Eu sou um Jack mórmon”.

E eu disse: “Um o quê?”

Ele disse: “Um Jack mórmon”.

Eu disse: “Que tipo é esse?”

Disse: “O que fala palavrão e bebe café, e fuma cigarros”.

Eu disse: “Bem, uma confissão honesta é boa para a alma”.

E então ele disse – ele disse: “Quero lhe perguntar uma coisa”. Ele disse: “Dizem-me que a igreja mórmon é a única igreja verdadeira que há”. Ele disse: “O senhor crê nisto?”

Eu disse: “No que se refere à igreja, suponho que seja tão boa quanto qualquer uma delas. Eu somente conheço uma Verdade, e essa é Jesus Cristo”. Eu disse: “Eu sei que é a Verdade”.

“Bem”, ele disse, “Eu tive um bebê que nasceu morto a outra noite”. Ele disse: “Disseram-me que este bebê, porque nasceu morto, Deus nunca soprou o fôlego da vida nele, de modo que eu nunca o verei novamente”. Ele disse, “O que o senhor pensa disso?”

“Bem”, eu disse, “o senhor não o verá como um Jack mórmon, com certeza que não. Nisso não há dúvida, você não o verá enquanto o permanecer um Jack mórmon”. E ele disse… Bem, ele tinha me provocado, de modo que eu o provoquei de volta um pouquinho, veja. Nós tínhamos – tive oportunidade de provocar de volta. Assim ele disse – ele disse… Eu disse: “O que aconteceu?”

Ele disse: “Oh, eu não sei”. E ele disse: “Bem, o que o senhor acha?”

Eu disse: “Conheço pessoalmente muitos ótimos…”

Eu não sabia que ele era mórmon. E eu estava muito… Eu sei, sendo isto em Utah, provavelmente era, mas eu… porque a maioria das pessoas lá é mórmon, nas imediações de Salt Lake City. Isto não era Salt Lake City, todavia. Assim eu pensei: “Bem, tenho alguns ótimos amigos mórmons, que estiveram nas filas de oração, ótimas pessoas”.

E eu disse: “Conheci alguns homens excelentes que são – são mórmons”. E ele disse, bem, ele disse… Eu disse: “Não conheço o ensino deles sobre isso, e não gostaria de dizer algo contrário ao ensino deles, porque isso é o que o senhor é, e eu respeito isso sumamente”. E eu disse: “Bem, e o senhor crê nisso?”

Ele disse: “Sim, senhor, eu creio. Mas”, disse, “eu não vivo à altura disso”.

Eu disse: “Bem, eu creio que a Bíblia ensina que Deus conhecia aquele bebê, milhões de anos atrás, antes da fundação do mundo”. Eu disse: “Deus disse a Jeremias: ‘Antes mesmo que tivesses sido concebido no ventre de tua mãe, antes mesmo que saísses da madre, eu te conheci, te santifiquei, e as nações te dei por profeta’”. Eu disse: “Isso é o quanto Ele soube acerca dele, veja”.

Ele disse: “Bem”, ele disse, “obrigado”.

Ele começou a caminhar colina abaixo.

Recebi o consolo que eu tanto precisava ao ouvir o profeta garantir que eu veria meu bebê novamente. Mesmo quando Sua resposta é “Não,” (à minha oração para que não perdesse o bebê), Ele nos dá o que precisamos para superarmos nossos problemas.

Fonte: Voice of God Recordings

gravações a voz de Deus

Posted in Testemunhos.

Deixe seu comentário

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...