vernonn mannUm Calouro no Troublesome

O Testemunho de Vernon Mann


Isso foi numa Segunda-feira, no dia 14 de Outubro de 1963 – uma ainda, noite fria sobre as margens do Rio Ohio. Enquanto eu descia o beco em direção à casa do meu bom amigo e vizinho, Carl Wheeler, me sentia totalmente imerso em um dos espetáculos mais impressionantes da terra – a estação do outono. As árvores já haviam adotado o amarelo brilhante e as cores vermelhas da estação, porém as gramas sob os pés ainda estavam verdes, acrescentando um toque de frieza à esquentada palheta da natureza. O sul de Indiana é o lugar mais bonito do mundo no Outubro. Mas tendo em vista que eu nasci ali, talvez eu apenas esteja um pouco impressionado.

Os negócios de Carl eram areia e cascalho. Ele operava numa mina de considerável tamanho que era localizada na mesma propriedade em que ambos morávamos. Conhecíamos um ao outro por vários anos, e de fato, nossas esposas eram parentes. Trabalhava uma parte do tempo na mina de cascalho com Carl, e no restante do tempo eu trabalhava para mim mesmo, como um mecânico. Ambos atendíamos no Tabernáculo Branham em Jeffersonville, e Carl havia sido um diácono lá por uns dois anos. Sinto-me tão grato pelo Senhor me haver permitido ser ensinado pela Palavra sob o ministério do Seu profeta, o irmão Branham.

Eu cheguei à casa de Wheeler exatamente quando Carl estava chegando em casa – uma boa parte mais tarde do que o comum. Ele é o tipo quieto, porém eu pude ver imediatamente que ele estava excitado a respeito de algo. Sentei nos degraus que conduzem da sua garagem acima para a cozinha e ouvi enquanto ele me contava como que o irmão Banks Wood, que morava na casa ao lado do irmão Branham em Jeffersonville, havia aparecido à mina de cascalho no começo da tarde para fazer pontaria em seu rifle. O irmão Banks e seu filho, David, e uma dupla de outros irmãos estavam se preparando para partir para o Colorado onde eles se reuniriam com o irmão Branham por dez dias de caçada a veado e a alce. “Ele me convidou para ir junto”, Carl me disse, “mas não sei se eu deveria ir ou não. Nunca cacei uma grande caça antes”, ele disse, “e não sei como me sentiria com aqueles experientes caçadores”.

Pensei que talvez ele ainda estivesse em estado de choque pela possibilidade de ir. Eu nunca havia caçado muito também, mas eu calculava que saberia exatamente o que eu diria para tal convite. Eu diria “Sim”, rápido como um piscar de olhos – não que alguma vez esperasse me ser oferecida uma oportunidade semelhante. “Carl, seria melhor você se aprontar e ir. Sei que você terá um grande tempo”, eu disse. Então lembrei a ele: “Você há pouco comprou aquele novo par de botas Redwing, e eu os engraxarei bem para você”. Para mostrar o quão excitado eu estava por ele, fui e peguei as botas e comecei a lustrá-las com óleo Neetsfoot bem na mesma hora.

“Bem, creio que você está certo”, ele disse. “Eu irei”.

No dia seguinte ele comprou algumas coisas que achava que iria precisar. Eu disse a ele que o conduziria à casa do irmão Wood na Quarta-feira de manhã, o qual era o lugar de partida pré-arranjado para os cinco caçadores.

Chegamos por volta das 9 da manhã, e o irmão Banks estava colocando as roupas no interior atrás da sua quase nova pick-up Chevy. Ele era um carpinteiro engenhoso, e ele havia construído um trailer no seu caminhão com uma tampa que você poderia girar para cima e para baixo. Lembro-me que ele havia utilizado correntes de bicicleta no aparelho de manivela. Igualmente lá, arrumados e prontos para ir, estavam o irmão Welch Evans e seu filho, Ronnie, de Tifton, Georgia. Saí da minha caminhonete e comecei a ajudar Carl a descarregar suas coisas. O irmão Banks veio para nos ajudar e falou um pouco conosco. Vi que ele estava observando minha camionete, uma Chevy 1950, cor preta. “Irmão Mann”, ele disse,“precisamos de outro caminhão. Por que você não vem e junte-se a nós também?”.vernonn mann1

Minha cabeça estava girando. “Não”, eu disse, “vocês não necessitam de um velho calouro para estar em seu caminho”.

Ele disse: “Sim, venha e vamos”.

Eu disse: “Não, eu não preparei nada para ir. Eu somente atrasarei vocês todos”. Mas eu pensava comigo mesmo: “Se ele me pedir uma vez mais, eu irei!”.

Ele disse: “Não estamos prontos de qualquer modo. Vá para casa e pegue suas coisas e venha conosco”.

Fiz isso. Dirigi-me para casa tão rápido quanto podia ir. Na rodovia River, passei por minha esposa e seu pai que estavam vindo para a cidade, e eu os contornei abaixo. “Estou indo caçar com o irmão Branham no Colorado!” eu gritei. E eles retornaram e me seguiram até em casa para ajudar a me aprontar.

A única arma que eu tinha era uma pequena 22, então eu decidi pegar minha vara de pescar e caixa de equipamentos no lugar. Eu não era muito de um caçador, porém eu gostava de pescar. Achei meu saco de dormir (ele não estava muito bom, mas ele teria que servir), e acrescentei isto ao meu equipamento de pesca atrás da camionete. Depois encontrei cinco galões de banha de porco vazios de metal e os enchi com duas mudas de roupas neles, e amarrei uma corda de ponta a ponta, e eu estava pronto. Eram mais ou menos 12 milhas [Aproximadamente 20 km – NT.] da minha casa a Jeffersonville, e parte disto era por meio da cidade de New Albany. Isto foi percorrido numa viagem de aproximadamente 20 minutos, em uma só direção. Todavia, eu estava de volta à casa do irmão Banks em menos de uma hora.

Perto das 10:30, os seis de nós estavam a caminho de Kremmling, Colorado, onde estávamos para nos encontrar com o irmão Branham e Billy Paul na Sexta-feira no dia 18 de Outubro.

Tempos atrás em 1936 ou mais ou menos isso, havia uma missão na Rua East Market em New Albany, apenas a umas poucas quadras do posto de gasolina de meu pai. Meu irmão mais velho e alguns dos seus amigos atendiam ali bem regularmente. O pregador era um homem chamado Roy Davis, e posso me lembrar dele e de seu filho muito bem, mesmo que eu não fosse muito interessado no que acontecia por lá em seu local. Em 1947, meu irmão me contou a respeito de sair para ouvir alguém chamado Billy Branham, e das coisas que ele estava fazendo, dizendo às pessoas o que estava errado com elas e orando por elas. Eu disse: “Como Ele faz isso?”.

“Eu não sei”, ele respondeu, e então eu somente deixei isso passar adiante.

Eu realmente não me tornei interessado em ir a alguma igreja de maneira alguma até 1950 quando minha esposa, Georgia, e eu atendemos um reavivamento que foi organizado em Louisville pelo evangelista Jack Schüller. Ele era um pregador muito bem conhecido naqueles dias e milhares de pessoas enchiam o interior do Jefferson County Armory para ouvi-lo. Ambos minha esposa e eu fomos salvos naqueles cultos. Havíamos estado casados por cinco anos.

Também naquele ano, a tia de Georgia, que também era parente de Carl Wheeler, havia de alguma forma encontrado um livro intitulado Um Homem Enviado de Deus, e ela nos passou adiante para ler. Carl e eu conversamos a respeito do que tínhamos lido, bastante, e pouco tempo depois visitamos o Tabernáculo Branham em Jeffersonville pela primeira vez. O irmão Branham não estava sempre lá naqueles dias, porém quando sabíamos que ele estava indo para lá, nós íamos.

Georgia e eu estávamos regularmente atendendo a igreja metodista da Rua Main em New Albany, e o nome do nosso pastor era irmão Lim Johnson (o irmão Branham às vezes o chamava de ‘Irmão Lum’). Por volta de uns poucos anos depois, o irmão Lim convidou o irmão Branham para ter dois cultos na metodista da Rua Main, e cada vez pessoas abarrotavam o edifício às vigas. Uma noite, havia uma multidão tão grande que isso me fez lembrar de quando Paulo pregava no Novo Testamento. Havia tantas pessoas que o irmão Branham não conseguia entrar no edifício pela porta e ele teve que se rastejar através de uma janela de porão!

Em Maio de 1954 o irmão Branham estava pregando no Tabernáculo uma noite e ele estendeu um convite para aqueles que desejassem ser batizados. Eu nunca havia sido batizado no Nome do Senhor Jesus Cristo e eu simplesmente não podia sentar naquele banco por mais tempo, então eu me levantei e fui batizado. Naquele tempo, eu ainda estava ensinando na escola dominical na metodista da Rua Main, e houve várias outras pessoas daquela igreja que estavam no Tabernáculo conosco na noite em que fui batizado. E, como foi previsto, logo depois que eu fui batizado, me determinei a estar livre do ensino da escola dominical e de outras atividades da igreja. Tornou-se óbvio de que não éramos mais bem-vindos, e pouco tempo depois, saímos daquela igreja e começamos uma pequena missão na Rua Oak em New Albany.

Chamávamos a nós mesmos de evangelistas metodistas, e batizávamos no Nome do Senhor Jesus Cristo. Havia cerca de 30 pessoas que atendiam, mas toda vez que o irmão Branham estava na cidade, nós despedíamos os cultos e todos nós íamos ouvi-lo.

Obviamente, a metodista não tinha mais controle sobre nós, porém mantivemos a missão aberta por outros sete anos.

Em Dezembro de 1962, estávamos no Tabernáculo quando o irmão Branham pregou “Senhores, é Este o Tempo?”. [Sermão pregado em 30 de Dezembro de 1962 – NT.] Que mensagem importante foi aquela, e ela marcou um ponto decisivo em nossas vidas. Em pouco tempo fechamos as portas na Rua Oak de modo que pudéssemos atender o Tabernáculo regularmente. Não queríamos passar por cima sobre uma coisa singular que Deus estava fazendo para o Seu povo através da vida e ministério do nosso precioso irmão Branham.

Chegamos a Denver na Quinta-feira à noite, perto do pôr-do-sol. A última perna de viagem foi de Denver a Kremmling – o que significava cruzar a Divisa Continental do Loveland Pass, a 12.000 pés [Aproximadamente 3,7 km – NT.] acima do nível do mar. O irmão Banks me provocava: “Você terá que fazer uma corrida naquela montanha, ou você nunca subirá com este caminhão velho”. Carl dirigia meu caminhão, seguindo atrás o veículo mais novo, e por todo o caminho ele continuava dizendo: “Qual é o problema com ele? Por que ele não sobe mais rápido?”. Quase corremos por cima dele chegando ao topo!

vernonn mann2Começamos a descer o outro lado da montanha e perto da meia noite, o irmão Banks estacionou ao lado da rodovia e disse: “Seria melhor passarmos a noite aqui”. Carl e eu dormimos no chão, ou melhor, sacudíamos e virávamos como rolos pelo resto da noite. Simplesmente não podíamos ficar confortáveis por causa de todas aquelas pedras. Na manhã seguinte descobrimos que estávamos dormindo num leito seco que era uma parte do Rio Colorado.

Chegamos a Kremmling por volta das oito e trinta da manhã e fomos diretamente ao grande armazém geral e compramos alguns mantimentos – na maior parte enlatados e batatas. Quando terminamos nossas compras e estávamos deixando o armazém, vimos o irmão Branham e Billy Paul descendo a rua em direção a nós. Era o momento perfeito. Eles haviam a pouco chegado na cidade, dirigindo a camionete pick-up branca do irmão Fred Sothman. Eles queriam comprar um pouco mais de mantimentos, o qual fizeram, e depois dirigimos para um lugar onde todo mundo podia disparar suas armas. Isso foi no começo da tarde quando começamos a subir até às montanhas.

Você não encontrará o Rio Troublesome na maioria dos mapas. Ele vagueia através dos amplos vales e montes bem moldados ao redor do Kremmling por 30 milhas ou mais, como uma trepadeira de abóbora encurvada, e é abastecida por ramificações de nascentes de vários tamanhos ao longo do caminho. Finalmente, ele se esvazia até o Rio Colorado, porém, em si mesmo, não creio que ele alcance nem mesmo mais do que 20 pés [Aproximadamente 6 m – NT.] de largura em qualquer ponto. Mesmo as poças profundas que são criadas pelos bem construídos diques de castor não ficam muito mais largo daquilo do que chamaríamos de um pequeno lago de fundos de casa. Atravessamos o Troublesome mais do que uma vez para alcançar o nosso local de acampamento, o qual não estava longe de um dos desvios de nascentes que eles chamavam de Squaw Creek. Esse era um bonito lugar numa clareira que oferecia uma vista panorâmica de distantes picos ao oeste, e uma densa floresta de abetos e de pinheiros às nossas costas. Abaixo do monte distante da nossa, cerca de uma milha ou mais, estava o acampamento do irmão Jack Palmer, irmão John e irmão Earl Martin, e irmão Lambert. Havia vários outros grupos de caçadores na área, porém eram somente estes os irmãos que conhecíamos.

vernonn mann3Tão logo tivemos nosso acampamento corretamente bem estabelecido, todos nós nos sentamos e o irmão Branham conversou conosco a respeito do senso esportivo e segurança. Lembro-me que ele disse de como os caçadores nunca deveriam manter suas armas carregadas no acampamento. Aquilo soou muito bom para mim!

Bem cedo na manhã de Sábado, todo mundo saiu para caçar, exceto eu. Eu examinei um pouco em volta, procurando por um bom lugar para pescar e tentando ficar fora do caminho de todos os caçadores de veado. Não me recordo de ter muito sucesso naquele primeiro dia em minha tentativa de trazer algum bom alimento para o acampamento, mas alguém em nosso acampamento pegou um veado no seu primeiro dia de caçada, e isso nos abasteceu de carne por bastante tempo.

Nas noites, os irmãos do outro acampamento vinham para ter companheirismo e algumas vezes comer conosco. Uma noite creio que devemos ter comido aproximadamente 30 libras [Aproximadamente 13,6 kg – NT.] de carne de veado assado! O irmão Branham parecia aproveitar sentado em volta do fogo e conversando sobre a natureza e caçada, e certamente apreciávamos ouvi-lo.

vernonn mann4A segunda-feira se tornou mais fria. Eu não havia pegado nenhum peixe para falar a verdade e o irmão Branham sugeriu que eu tentasse um ponto acima perto do campo Wheatley, próximo de uma cabana de madeira onde ele algumas vezes levou sua família para alguns dias de férias na época de verão. “Tudo de que você necessita é de um pequenininho anzol dourado, o menor que você pode conseguir”, ele me disse. “Ponha um ovo de salmão nele e jogue-o lá”. Foi o que eu fiz, e eu peguei oito trutas de bom tamanho. Eu as trouxe de volta para o acampamento aquela noite, limpei-as, e as deitei sobre uma tábua. Naquela noite, elas congelaram.

A temperatura deve ter caído para perto de zero e eu estava com medo que eu fosse congelar para a morte. Carl não estava melhor do que eu. Estávamos dormindo em uma das tendas, e Billy Paul, irmão Evans, e Ronnie estavam dormindo em outra tenda. O irmão Banks e David dormiam em sua acampamento, e o irmão Branham dormiu na barraca do irmão Sothman. Me acordei de noite e encontrei Carl sentado com seu saco de dormir envolto nele e sobre sua cabeça. Ele se parecia como um grande pedaço de estofado de mobília em nossa pequena tenda. Eu disse: “Você está com frio?”.

Nós dois aprendemos uma boa lição àquela noite. Nunca comprar um saco de dormir barato. Na manhã seguinte eu desci ao riacho para pegar um balde d’água e o encontrei completamente congelado. Tive que perfurar através do gelo, e aquela água estava tão fria que ela começou a congelar o meu balde antes que eu voltasse para o acampamento.

vernonn mann5O irmão Branham havia sugerido a Carl que ele caçasse acima perto do Corral Peaks, e ele voltou com um belo e lindo veado. Alguns dos outros também voltaram com bons troféus. O irmão Branham acertou um veado que havia estado caçando por vários anos, um que ele havia chamado de Big Jim. Ele estava bem preocupado porque sua arma estava com a coronha dilatada e ele não fez um disparo claro. Ele teve que caçar por vários dias para descobrir onde o veado havia caído.

vernonn mann6Terça-feira começou a cuspir chuva e construímos uma cobertura de um pano velho. Ela era de aparência bem grosseira, e qualquer um que viu nosso acampamento provavelmente pensou que éramos um bando de mendigos. Saí novamente para pescar, mas não pude repetir o meu sucesso do dia anterior, e quando eu cheguei de volta ao acampamento aquela tarde, eu olhei para uma truta pega anteriormente. Eles saíram. Mais tarde descobri que o irmão Evans as havia fritado e ele e o irmão Branham haviam apreciado um almoço de trutas!

Na quarta-feira o guarda florestal passou por meio de nosso acampamento. Os garotos haviam prevenido sua visita. David havia matado de modo correto um pequeno veado, o que lhe mereceu o equivalente a dois dias de diversão do restante dos rapazes. Mesmo depois, sem vontade de deixar o resto do material, eles amarraram um largo grupo de chifres de alces que eles haviam encontrado atrás do caminhão do irmão Sothman (deixados lá de uma caçada recente numa viagem a Columbia Britânica), à cabeça de um pequeno veado e deitado ali com o resto da caça. Eles dificilmente conseguiam esperar para que o policial aparecesse de modo que eles pudessem lhe mostrar a ‘nada típica’ caça que David apanhou.

vernonn mann7Depois, no rádio, e novamente do policial, ouvimos que uma tormenta estava vindo. A data era 23 de Outubro, e era o vigésimo segundo ano de aniversário de casamento do irmão e da irmã Branham.

Dos vários anos que ele havia passado como um peão de rebanho de gado dentro e ao redor da área do Kremmling, e das numerosas expedições de caça, o irmão Branham conhecia o território como a palma de sua mão. Ele também sabia como que era ser trapaceado nas montanhas pela rápida mudança de uma tormenta. A uma elevação de 7000 pés, [Aproximadamente 2,1 km – NT.] o tempo poderia se tornar um sério problema numa pressa; o acúmulo de neve poderia cobrir sua tenda durante a noite. Os irmãos que estavam acampados próximos decidiram partir imediatamente. Eles estavam dirigindo um pequeno Chevrolet e estavam com medo que eles não conseguissem sair, uma vez que nevasse.

O irmão Branham chamou os membros do nosso acampamento juntamente e perguntou o que nós queríamos fazer. Eu mesmo me considerava ser muito de um calouro para decidir um caminho ou outro, mas alguns dos homens ainda tinham limites de caças para completar e eles desejavam ficar. Eles indicaram que aquela cabana no Wheatley sempre conservava um suprimento de alimento e lenha, e era deixado aberto em caso de emergências. O irmão Branham disse que se eles votassem em ficar, ele ficaria com eles, então eles disseram: “Vamos ficar”. Eu não estava o mínimo preocupado, contanto que ele ficasse conosco. Eu sabia que o irmão Branham sabia o que ele estava fazendo, mesmo se o restante de nós não tivesse senso o bastante para saber o que estava acontecendo.

Visto que estávamos encarando a possibilidade de sermos cobertos pela neve por um tempo, decidimos que seria melhor irmos até à cidade e adquirir mais alguns mantimentos. Além disso, o irmão Branham queria ligar para a irmã Meda e desejar-lhe um feliz aniversário. Fui o escolhido para o trabalho da compra dos mantimentos, então eu coletei 20 dólares de cada um no acampamento e depois dois de nós partiram para o Kremmling, cerca de 20 milhas [Aproximadamente 32 km – NT.] distante. Quando estávamos saindo, Billy Paul falou que desejava que trouxéssemos alguma Pepsi. “Bem, eu posso trazer para cada um de vocês”, o irmão Branham gritou de volta.

Na manhã seguinte, parecia que o dia simplesmente não podia amanhecer. Um fogo nos ajudou a ficar em movimento, porém o céu estava tão pesado que parecia um grande saco de lixo preto cheio de água pendurado por cima. Antes de alguém deixar o acampamento, o irmão Branham nos alertou: “Agora, se vocês companheiros estiverem caçando acima perto daqueles picos, nas selas, e começar a nevar ou chover, voltem rápido para o acampamento!”.

Eles disseram que eles fariam, e cada um tomou uma direção diferente.

Perto das oito e trinta a tormenta parecia organizar-se. O vento começou a soprar, carregando com ele uma cortante chuva de neve. Exatamente como eles haviam prometido, os caçadores começaram a chegar de volta para o acampamento – cada um, isto é, exceto o irmão Branham. Estava perto das onze horas quando ele veio descendo as florestas, e perto daquele tempo a tormenta estava longe e estávamos sentados em volta conversando sobre quão maravilhoso foi que ela havia passado tão rapidamente.

Ele tinha um sorriso em sua face, e ele parecia mais relaxado do que eu alguma vez o havia visto parecer antes. Mesmo assim, havia uma controlada excitação sobre ele. “Algo aconteceu agora a pouco que tenho questionado a minha vida toda”, ele nos contou.

vernonn mann8Estas são as verdadeiras palavras que ele disse, e naturalmente, começamos a questioná-lo. Porém ele balançou sua cabeça e disse: “Eu lhes falarei a respeito disso mais tarde, quando chegarmos à cidade”.

Você pode imaginar como especulamos em meio a nós mesmos sobre o que ele estava para nos dizer. “Poderia isso ter alguma coisa haver com a tormenta?”, perguntávamos. De qualquer forma, as coisas haviam estado mais ou menos do jeito que elas estavam no acampamento, com exceção do tempo que havia esquentado consideravelmente. Voltei para pescar, e os outros foram de volta caçar, e a diversão em volta do acampamento continuou.

Nunca havia tido a experiência de estar num acampamento de caça antes, cada acontecimento era novo e excitante para mim. Eu saboreei o entusiasmo e a desinibição do qual os mais jovens de nosso grupo resolviam cada situação. Não havia falta de entretenimento e nenhum momento tedioso! Lembro que o irmão Branham havia descido com os garotos algumas vezes. Uma vez, um deles havia incomodado um esquilo de pinheiro (um pequeno esquilo cerca do tamanho de um esquilo listrado) com uma B.B. [Espingarda de ar comprimido – NT.] até finalmente eles o matarem. O irmão Branham disse: “David, você terá que comê-lo agora”. E ele tirou a pele fora para ele, porém não consigo me lembrar se David alguma vez o comeu ou não.

Depois, outra vez, eles desafiaram um ao outro a comer fígado de veado cru. Como foi previsto, mais ou menos naquela hora quando os dois tinham suas bocas cheias de fígado ensangüentado, o irmão Branham disse: “Isso deixará vocês doentes garotos”, e eles largaram aquilo bem rapidamente. De modo geral, eu diria que as coisas foram exatamente com coração iluminado e todo mundo estava muito, muito relaxado. Mas olhando para trás, sei que deveríamos ter nos comportado diferentemente do que nos comportamos. Sei que não foi uma maneira de desrespeito, mas talvez tenhamos exagerado e não estávamos sensíveis o bastante em nossos espíritos para o que estava acontecendo.

Seja o que for que nós fizemos, quando chegamos de volta em Kremmlin três dias mais tarde, no dia 27 numa segunda-feira, e solicitado ao irmão Branham para nos contar o que havia acontecido no dia 24, ele disse: “Bem, eu iria contar a vocês, mas eu não irei exatamente agora. Todos vocês estavam tornando isso muito superficialmente”.

Paramos no posto de gasolina lá no Kremmling e ouvimos o irmão Branham dizer ao atendente: “Parecia claramente que estava vindo uma tormenta o outro dia”. Mas podíamos somente suspeitar de que o que ele estava para nos dizer tinha alguma coisa haver com a tormenta. Seja o que fosse a coisa era tremenda, e ela se tornou um mistério para nós até o dia 10 de Novembro, quando o irmão Branham retornou a Jeffersonville e pregou a mensagem “Aquele que Está Em Vós”. [Neste sermão o leitor poderá ler o resumo que o irmão Branham fez de sua viagem de caça ao Colorado, com os mesmos detalhes narrados pelo irmão Mann acrescidos de sua experiência obtida na montanha quando esteve a sós com Deus (§§ 76-152; na tradução de Goiânia) – NT.]

Carl e eu conversamos sobre nossa experiência no Colorado várias vezes. Depois que ouvimos o irmão Branham contar a respeito das coisas maravilhosas que aconteceram a ele naquele dia, ficamos em estado de choque espiritual por um tempo. Tínhamos ouvido a história do peixe e dos esquilos, e aqui estávamos nós no meio de um evento similar e nem sequer imaginamos isto!

A experiência da qual eu tenho há pouco relatado aconteceu aproximadamente há 28 anos atrás. Hoje eu penso que eu, assim como tantos outros que tiveram o privilégio de estar com o profeta de Deus, era tanto calouro espiritual como eu era um calouro no deserto. Muitas vezes eu tenho dito: “Se somente eu soubesse então o que eu sou agora!”. Mas o Senhor tem sido tão gracioso e misericordioso para conosco, revelando Seu alimento espiritual na estação devida, o qual está preparando uma Noiva que O encontrará no ar.

Pela Sua graça, eu estarei pronto.


O Testemunho de Georgia Mann

vernonn mann9Em 1964, o irmão Carl Wheeler prometeu às suas meninas, Jacqueline e Madeline, que ele as levaria numa viagem à Tucson. Porém as coisas não funcionaram da maneira que ele havia planejado, e ele foi impossibilitado de ir. Não querendo que as meninas ficassem desapontadas, ele perguntou a Vernon e a mim se estávamos desejando fazer uma viagem ao oeste com elas, e nós dissemos que faríamos.

Partimos de Jeffersonville no dia 2 de Agosto de 1964, após o culto da noite onde o irmão Branham pregou “O Futuro Lar da Noiva Terreal e da Noiva Celestial”. O irmão Branham estava saindo para retornar a Tucson com sua família na manhã seguinte.

vernonn mann10Quando chegamos a Tucson, nos registramos no hotel Wayward Winds, e você pode imaginar nossa felicidade e surpresa quando recebemos uma chamada de telefone do irmão Branham. “Eu gostaria de mostrar a vocês os arredores de Tucson”, ele nos contou, e no dia seguinte ele chegou ao hotel e nos levou. Ele estava dirigindo o seu Cadilac 1955.

Quando ele nos perguntou o que queríamos ver, eu falei e disse: “Irmão Branham, eu quero ver os lugares onde aquelas coisas aconteceram das quais você tem nos contado a respeito”.

Ele disse: “Isso soa muito bem”, e o primeiro lugar em que ele nos levou foi o Cânion Sabino. Dirigimos para trás do Cânion no final da rodovia, e ele apontou para onde a espada havia aparecido e a direção da Rocha da Águia. Depois ele nos levou até o Monte Lemon, cerca de 45 minutos dirigindo ao topo e daquela posição favorável ele apontou em direção ao Monte Pôr-do Sol.

Apreciamos tanto de sermos capazes de sair àqueles lugares com o irmão Branham, e apesar dele se sentir mal por causa de todo o tempo em que ele esteve nos conduzindo ao redor; ele estava doente em seu próprio corpo. Sabendo que ele estava sofrendo, nós dissemos: “Irmão Branham, por favor, leve-nos de volta e assim você pode ir para casa e descansar”, porém ele disse: “Eu ficarei bem”.

Quando estávamos descendo de volta do Monte Lemon, eu estava sentada no meio do banco de trás, e as meninas estavam uma em cada lado meu. Eu podia ver os olhos do irmão Branham de trás pelo espelho retrovisor, e eu sabia que ele podia me ver, também. Eu disse: “Você sabia que eu havia retornado a solicitar oração ao seu escritório por causa do meu medo de temporais?”.

Ele estava olhando para mim pelo espelho, e ele disse: “Não, não sabia”.

Ele estava quieto por alguns minutos, e então ele disse: “Seu pai esteve em um tornado em 1917, sete anos antes de você nascer em 1924. Porém isso é exatamente como quando um cavalo recebe a picada de uma cobra. Se ele alguma vez tiver um potro, aquele potro simplesmente ficará feroz quando ele vir uma cobra”.

Cvernonn mann11ada palavra disso era verdade. Em 1917, meu pai estava na floresta acima em New Albany cortando lenha. Ele tinha uma carroça e um grupo de cavalos. De repente, ele notou que tudo se tornou bem calmo, quase como para ouvir sua respiração. Ele não sabia o que havia acontecido até que ele chegou das árvores aquela noite. Na estrada até a cidade, de repente os cavalos pararam e não seguiam mais adiante. Ele saiu da carroça para ver, e lá na estrada estava o corpo de uma criança que havia sido morta e a destruição foi terrível. Pelo resto de sua vida, papai teve um medo de temporais.

Eu disse: “Irmão Branham, eles tem orado por mim na igreja metodista e eles me disseram: ‘O amor lança fora todo o medo’. Eu dizia: ‘Eu sei disso’, mas cada vez que uma nuvem se aproximava, eu simplesmente liberava o meu amor. Eu pensava que estava possuída por demônio”.

Ele disse: “Não irmã, você herdou isto”.

Isto pode parecer estranho, mas eu estava tão aliviada em ouvir aquilo de que eu não estava possuída por demônio que nem sequer pensei em pedir ao irmão Branham para orar por mim para que eu não sentisse mais medo. Eu ainda tenho aquele medo de temporais, porém agora eu sei por que.vernonn mann12

(Fonte: Revista “Only Believe” Vol 4, Nº. 3; Pgs 8-16)

tabernaculo-4 - Copia

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...