Visitei uma Reunião do Irmão Branham, Parte 3


Esta é a conclusão do testemunho do ministro australiano, Len Jones.

Poderíamos continuar falando de tantos casos, à medida que ele olhava para a congregação e dizia a uma mulher: “Você teve septicemia,” e a outra: “Você está nervosa e tem problemas de estômago,” e ainda a outra: “Você não terá de ser operada para retirar esse tumor,” sempre produzindo o mesmo efeito, mas talvez já seja o bastante.

Uma mulher gritou, quando ele lhe disse o que estava errado, mas foi um grito de libertação e não de medo. A saída do povo após a reunião não foi uma confusão, mas em bela ordem. Nunca vi nada igual. Deus esteve naquele lugar aquela noite. Não creio que verei algo assim novamente, embora tenha esperança de ver.

Quando o irmão Branham terminou de orar e deixou a plataforma, o Rev. Gordon Lindsay, da “A Voz da Cura,” assumiu a reunião e fez o apelo para que os não convertidos e outros se acertassem com Deus. Depois ele me disse que foi muito fácil fazer aquele apelo. Mãos se ergueram por toda parte, e uma grande multidão se aglomerou na sala de aconselhamentos para se render ao Senhor sem apressar ou solicitar o que quer que fosse. Ora, foi isso o que todos igualmente sentimos. Acertar-se com Deus e entregar tudo a Ele parecia ser a única coisa a fazer depois de uma reunião como aquela.

As pessoas foram ficando – ninguém queria ir para casa. Creio que foi o Dr. Bob Cook, presidente internacional da Juventude para Cristo, que, quando solicitado a comparar Billy Graham com o irmão Branham, disse: “Billy me lembra João Batista e o irmão Branham me lembra Jesus.” Não criticando Billy Graham, que está fazendo um trabalho tão maravilhoso para Deus nos dias de hoje. Trata-se simplesmente de dois homens diferentes, com ministérios diferentes.

Homens proeminentes de todas as esferas da vida consultam o irmão Branham, e muitos são seus amigos. Muitos têm sido ajudados por ele. Homens de todas as denominações confiam nele, pois ele não é um homem denominacional. Homens como o atual arcebispo anglicano na Índia, o Dr. E. Stanley Jones e Kenneth De Courcey, do jornal “Intelligence Digest,” foram apenas alguns dos nomes de destaque mencionados na conversa que tivemos.

Quando a reunião terminou, outro prazer estava reservado, quando conhecemos o irmão Branham pessoalmente. O Rev. Jack Moore, ministro do Tabernáculo Vida em Shreveport, Louisiana; Gordon Lindsay, editor da “A Voz da cura”; o irmão Branham e eu tivemos um tempo adicional juntos enquanto comíamos e tínhamos um momento de companheirismo no restaurante e no carro do irmão Moore.

A última coisa que o irmão Branham fez antes de nos separarmos foi dizer, quando estávamos sentados no carro do irmão Moore: “Vamos ter uma palavra de oração juntos,” quando ele orou por cada um de nós individualmente. Ele então nos deu boa noite, deixando-nos em muito melhor condição, após nosso contato com este homem de Deus.

Rev. Len Jones

Ministro Pentecostal, Austrália

Escrito em 1954

Fonte: Voice of God Recordings

gravações a voz de Deus

Posted in Testemunhos.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...