Dos Nossos Arquivos: Finlândia, Parte 2


Esta é a segunda parte de nossa série sobre a Publicação HYVÄ SANOMA (Boas Novas), de 1950, originalmente escrita em finlandês e agora traduzida para o português.

ATRAVÉS DO SOFRIMENTO

“Não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.”

No domingo, 23 de abril, William Branham chegou de surpresa à reunião diurna na igreja Eelim em Kuopio. Ele não orou pelos enfermos, mas testificou dos eventos em sua vida. Estive em reuniões maravilhosas, vi cegos verem, surdos ouvirem e coxos caminharem, mas a mensagem desse encontro impressionou profundamente a audiência.

Nosso irmão chorou e conversou. Nunca estive em uma reunião em que o coral, os ministros e a audiência choraram, de modo que em alguns momentos era difícil ouvir a palestra. Essa palestra permitiu ter uma ideia da escola difícil pela qual Deus fez Seu servo passar. Serviu de pano de fundo para entender a toda a operação de Branham. Aqui estamos publicando os destaques da palestra.

Unto Kunnas

(Palavras do irmão Branham extraídas das anotações do irmão Kunnas)

É uma grande alegria estar em uma nação onde o Espírito de Deus está Se movendo. Um irmão me disse que a Finlândia está em dívida com os Estados Unidos, mas vocês têm aquilo de que os Estados Unidos precisam: o amor de Deus. Gostaria que nossa nação fosse como a de vocês. Essa pequena dívida! Gostaria que ela (a dívida) estivesse em minhas mãos, e não mais existiria!

Vim para ser uma bênção para vocês, mas vocês estão sendo uma bênção para mim. Gostaria de poder encontrar uma audiência nos Estados Unidos que tivesse a fé de vocês! Não entendo o que vocês falam, mas há algo no espírito que entendo. Lá na fila houve muitos que foram curados antes de eu tocá-los. Vocês são uma bênção para mim e um reavivamento.

Quando vi a multidão do lado de fora, não consegui entrar. Eu amo crianças. Dei dinheiro àquelas crianças de aparência pobre que têm sofrido tanto. Elas se curvaram em reverência de uma maneira tão bela, e logo havia uma fileira delas! Queria segurar cada uma nos braços. Elas eram tão amáveis!

Não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Vocês ficaram tristes quando suas casas foram bombardeadas, mas um dia teremos uma casa na qual não se jogará nenhuma bomba. Quando sorrio, muitas pessoas pensam que não tive nenhuma tristeza. Mas não é o caso. Minha família era muito pobre, e nossa mesa era um grande tronco. Meu pai era caçador. Ele morreu aos 52 anos. Eu achava que nossa pequena cabana de madeira estaria lá para sempre. Agora já não existe. Eu daria tudo para fazer a vida voltar em nossa pequena cabana. Muitos dos meus irmãos já partiram, meu pai já partiu…

Vocês também têm lembranças. Vocês se lembram das orações de sua mãe, das mãos de seu pai, endurecidas pelo trabalho. Agora elas estão descansando. Aqui não temos cidade permanente. Não haverá morte ou doença. Meu pai trabalhava tanto que sua camisa grudava em suas costas queimadas do sol, e minha mãe tinha de cortá-la com uma tesoura. Queridos jovens! Não se esqueçam do pai e da mãe que fizeram o melhor por vocês. Amem-nos agora! Eu fui a causa de muitos cabelos grisalhos na cabeça do meu pai. Gostaria de poder tirá-los, mas não posso. Sempre me lembrarei dele.

Eu não tinha roupas. Minha mãe pegou o terno que meu pai usou quando casou e fez dele um terno para mim. Tinha grandes botões brancos. Depois disso já tive muitos ternos, mas nenhum foi como aquele feito com as roupas de meu pai. Fui criado como qualquer outro garoto pobre. Um ano eu não tinha camisa. Estava com o sapato da minha mãe em um pé e com o do meu pai no outro. Na escola todo mundo ria de mim. Uma senhora me deu uma jaqueta, mas porque eu não tinha camisa, tive que abotoá-la até em cima para esconder. Na escola a professora perguntou se eu estava com calor. Eu disse que não estava, mas sim com frio. Ela me levou para perto do fogão e depois de um tempo perguntou se eu já estava aquecido. “Ainda não,” eu disse, quase sufocado pelo calor. Eu não podia tirar o casaco, pois não estava de camisa.

 

Texto ao lado da foto na página 85 –
SURPREENDENTE FOTOGRAFIA: A COLUNA DE FOGO

Quando o irmão Branham estava tendo reuniões no Sam Houston Coliseum, Texas, em janeiro deste ano, um pastor o desafiou a comparecer perante uma audiência de 8.000 pessoas para provar que a cura divina era bíblica. O próprio irmão Branham não foi, mas pediu a um colega que falasse por ele, e permaneceu na galeria que havia no local da reunião.

O pastor desafiante exigiu que Branham subisse à plataforma, e disse: “Onde está esse homem? Que Branham venha até nós e faça um milagre!”

Então Branham foi à plataforma, não para realizar um milagre, pois tinha a natureza de seu Mestre, que não queria satisfazer a curiosidade do povo. Ele testificou do Senhor Jesus, que Ele ainda é o mesmo hoje. O padre já mencionado, havia mandado que dois fotógrafos profissionais tirassem fotos. Foram tiradas doze fotos do desafiante, e para ser formal, também foi tirada uma foto do irmão Branham. Quando as fotos foram reveladas, todas as outras estavam arruinadas, e só a foto de Branham estava nítida. Na foto via-se um fenômeno ótico peculiar que mais tarde foi mostrado ao irmão Branham. Ele explicou que a presença do anjo de Deus causou a luz.

O filme original foi examinado por profissionais, e também há uma cópia em nosso escritório. De acordo com isso, está cientificamente comprovado que esse negativo não foi retocado de forma alguma, mas que a luz era original.

Foi assim que o mal serviu às boas intenções de Deus! Este fotógrafo mais tarde se converteu.

Unto Kunnas

Publicaremos a terceira parte da revista – sobre a órfã de guerra e a menina estrábica de oito anos, e muitos outros testemunhos.

gravações a voz de Deus

Posted in Estudos | Destaques.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...