IDOLATRIA


CRISTIANISMO CONTRA IDOLATRIA
William M. Branham
17 de Dezembro de 1961
Tabernáculo Branham
Jeffersonville – Indiana – U.S.A.

21 – Agora as duas referências de onde leremos nesta manhã, uma delas está em Jeremias no capítulo sete, começando com o versículo dez, até o versículo dezoito; a outra referência está em Atos sete, verso quarenta e nove. O texto disto está no versículo dezoito de Jeremias sete. Comecemos agora no verso dez:

E então vireis, e vos poreis diante de mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Somos livres, podemos fazer todas estas abominações?

É pois esta casa, que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isto, diz o Senhor.

Mas ide agora ao meu lugar, que estava em Silo, onde, ao princípio, fiz habitar o meu nome, e vede o que lhe fiz, por causa da maldade do meu povo Israel.

Agora pois, porquanto fazeis todas estas obras, diz o Senhor, e eu vos falei, madrugando, e falando, e não ouvistes, chamei-vos, e não respondestes,

Farei também a esta casa, que se chama pelo meu nome, na qual confiais, e a este lugar, que vos dei a vós e a vossos pais, como fiz a Silo.

E vos arrojarei da minha presença, como arrojei a todos os vossos irmãos, e a toda a geração de Efraim.

Tu pois não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me importunes, porque eu não te ouvirei.

Não vês tu o que andam fazendo nas cidades de Judá, e nas ruas de Jerusalém?

22 – Agora desejo fazer uma pausa antes de ler este último verso. Vejamos do princípio que Deus está repreendendo a esta gente, e diz para nem orarem por eles. Comecemos com o verso dezesseis e leremos até incluir o verso dezoito; escutem bem:

Tu pois não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me importunes, porque eu não te ouvirei.

Não vês tu o que andam fazendo nas cidades de Judá, e nas ruas de Jerusalém?

Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres amassam a farinha, para fazerem bolos à rainha dos céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira.

Jeremias 7: 10 – 18

23 – Agora desejo passar ao livro dos Atos, ao capítulo sete e começando com o verso quarenta e quatro e lendo até o cinqüenta:

Estava entre nossos pais no deserto o tabernáculo do testemunho, como ordenara aquele que disse a Moisés que o fizesse segundo o modelo que tinha visto.

O qual nossos pais, recebendo-o também, o levaram com Josué quando entraram na posse das nações que Deus lançou para fora da presença de nossos pais, até aos dias de Davi,

Que achou graça diante de Deus, e pediu que pudesse achar tabernáculo para o Deus de Jacó.

E Salomão lhe edificou casa;

Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens como diz o profeta: O céu é o meu trono, e a terra o estrado dos meus pés. Que casa me edificareis? Diz o Senhor: Ou qual é o lugar do meu repouso?

24 – Agora, bem podem ver pela leitura da Escritura que estou primeiramente colocando meus pensamentos nesta manhã acerca da idolatria. Há muito pouco escrito sobre a idolatria, não há muitos livros explicando este tema, ou seja, o que é a idolatria. No entanto o mundo está cheio de idolatria. Eu penso disto é porque isto nunca tem sido verdadeiramente explicado às pessoas, não sabendo o que é. E tem sido um grande privilégio em minha vida e em minhas viagens poder ver algo de idolatria, para assim conhecer o que é. E agora havendo estudado algo sobre a idolatria nestas semanas passadas juntamente com a mitologia grega e romana, isto me faz ver de novo se ainda é igual a como foi no princípio. Hoje em dia ao viajar, vendo a idolatria e lendo como começou nos dias primitivos, eu vejo que não tem mudado nada.

25 – Agora, eu tenho estado na Índia. A Índia está cheia de idolatria. Ali tem os que caminham sobre brasas, e por certo na mesa tarde quando eu cheguei à cidade de Bombay fui entretido no que me disseram que era o Templo dos Jains. E ali nesse lugar dezessete diferentes religiões me enfrentaram num desafio da Palavra. Cada um deles (dezessete religiões) estavam firmemente contra Jesus Cristo. Nos fizeram tirar os sapatos à entrada do templo e entramos e nos assentaram em almofadas. Eu gastaria muito tempo contando-lhes todas as coisas que tivemos que presenciar. Porém o prefeito da cidade nos levou e ele mesmo era um Hindu, ou melhor, Maometano.

26 – Maomé foi um profeta, e ele veio da linhagem de Ismael, quem também foi filho de Abraão. E foi com esta religião que aquele grande evangelista deste dia teve o desafio; e foi derrotado. Foi um desses mesmos maometanos que o enfrentou com um desafio sobre a Palavra. E segundo minha própria opinião, o evangelista devia pelo menos haver dito: “Eu não tenho dons de cura, porém nosso corpo de crentes tem tal coisa. Dê-me você umas quantas horas e eu lhe trarei um aqui”. Porém, naturalmente, ao fazer assim o evangelista se exporia ante a todas as organizações que o estavam sustentando, e finalmente ele seria expulso. E por outro lado, eu penso que eu não teria deixado aquele ímpio triunfar sobre a Palavra de Deus. Mesmo se eu fosse derrotado, de todas as maneiras haveria permanecido de pé para assim demonstrar minha crença e minha fé em Deus, de que Ele verdadeiramente permanece invariável. Como disseram os hebreus: “Nosso Deus é poderoso para libertar-nos desta fornalha ardente, mas mesmo que não o faça, de todas as maneiras nós não renderemos culto a teus ídolos”. Eu creio que assim haveria sido uma coisa mais justa. E logo ele, tendo um doutorado em teologia e sendo tão bem preparado nas Escrituras, como o é este famoso evangelista; e ele em verdade é um homem muito grande neste aspecto. Eu creio que havendo estado em seu lugar, eu lhe haveria feito o desafio sobre a Palavra no aspecto de que Jesus foi o Cristo ou não, ou se Maomé foi o profeta, e ali mesmo o haveria provado por meio de sua própria Bíblia. Porém isso é falando do caso de que fosse esse meu chamamento como o é para o evangelista, ou seja, para explicar a coisa.

27 – Porém os Maometanos se esquecem de mencionar a ocasião ali em Bombay quando o homem cego recebeu sua vista na reunião. Ficam sem mencionar isso.

28 – Porém de todas as maneira quanto a esta gente, elas não são hipócritas. São pessoas muito sinceras, tão sinceras quanto você e eu, e às vezes mais sinceras que nós aqui na América. Não são hipócritas. Elas verdadeiramente crêem nessas coisas e as praticam com tudo que está nelas.

29 – Deixe-me mencionar-lhes algo sobre a idolatria. Eu me esqueço o nome do deus que é o deus dos que caminham sobre as brasas, mas pe uma estátua muito grande que tem uma cara semelhante ao rosto humano, uma cara lavrada como de camafeu e tem orelhas mui grandes para escutar todos os seus pecados, etc. E tem rubis com brincos pendurados em suas orelhas, os quais provavelmente custaram meio milhão de dólares cada um, isso possivelmente seja um preço muito caro, porém talvez também seja menos do custo real. Porém tem jóias muito caras nesse ídolo. E o sacerdote do templo traz ao pobre camponês, e ali o que adora não tem que ser ninguém especial, este é um pobre camponês que deseja dar graças a seu deus por uma boa colheita. E ao fazer isto ele mostra sua fé nesse deus ao vir ao templo e é abençoado por seu sacerdote. Logo se prepara para chegar a um lugar como uma piscina que está cheia de brasas acesas, a qual é muito profunda, e com vários metros de largura, e tem um sistema para soprar estas brasas até que se tornam brancas e com um calor tremendo.

30 – Agora isto que fazem não é nada fingido, é a pura verdade. O candidato vai ante o ídolo e confessa seus pecados ao sacerdote, então o salpicam com uma água santa que o sacerdote tem benzido; logo muitas vezes tomam um anzol muito grande (como os de pescar, porém mede como que centímetro e meio a dois centímetros da ponta até a parte traseira do anzol) e sobre o anzol penduram uma bolinha como essas que usam para adornar a árvore de Natal e a enchem de água para ficar pesada. E tomam milhares dessas coisas e as engancham em seu corpo e logo as tiram e isso é para atormentar o corpo para agradar a seu deus, aquele ídolo. Eles não são hipócritas! Logo muitas vezes, tiram a língua e tem uma lança que na ponta está dividida como um garfo e essa ponta passa por toda a língua e até pelo nariz e assim mantém isso fixo. Também tomam uma agulha e linha e costuram os lábios se é que tem falado uma coisa errada. E tem tantas formas de torturar! E todos se assentam ao redor desta grande piscina de fogo. Sacrificam um cabrito para apaziguar ao ídolo, e dessa maneira oferecem uma vida por seus pecados. E você deveria ouvir o ruído quando esse cabrito é sacrificado. Eles confessam seus pecados sobre o cabrito e o matam. E o sangue lhes é como uma expiação.

31 – Logo este candidato que vai caminhar pelas brasas, se ele se assusta e corre pelas brasas, ele traz reprovação sobre si mesmo. Porém tem que caminhar devagar e firme por meio destas brasas acessas e às vezes tem uma profundidade de cinco metros e talvez trinta ou quarenta metros de cumprimento, e de largura uns três metros mais ou menos. E estas brasas ficam brancas de tanto calor. E o homem não tem nada sobre si, somente um pano sobre os lombos, como uma pequena tanga. E chega ante estas brasas com todos estes anzóis pendurados no corpo, e ele sangrando, se eleva a uma condição tão emocional ao ponto em que sai espuma de sua boca e se põe a caminhar por esse fogo e sai ao outro extremo sem nenhuma queimadura nem nada. E quando passou pelas brasas seus pés se afundavam talvez uns sessenta centímetros nas brasas e quando dava outro passo tirava as brasas vermelhas penduradas de seu corpo. E quando saía não tinha nenhum sinal de queimadura. A gente poderia olhar seus pés e suas pernas e não se via nada diferente.

32 – E ao ver isto a gente se põe a pensar que se um sacrifício de sangue de cabrito oferecido a um ídolo pagão e a fé que tem em tal coisa pode proteger a um pagão do fogo ardente, que fará o sangue de Jesus Cristo para o crente num Deus vivo?

33 – Agora, a idolatria é uma coisa muito estranha. E isto tem existido através de todas as eras desde o princípio do tempo. Agora, a ordem para esta adoração aos ídolos é que o homem eleja ao ídolo e o prepare, logo ele se prepara a si mesmo para esta grande adoração. Agora, ele crê que este ídolo é feito à imagem de algum deus que ele nunca tem visto. Seu deus está sem forma e por isso ele crê que a forma está na imagem deste ídolo que ele tem feito para este deus. Agora, não deixe que isso se escape! O ídolo está feito à imagem do deus místico que o homem crê que existe.

34 – Logo o homem chega ante este deus e se prostra e crê que o deus, o qual é uma pessoa invisível, vem nesse momento e entra neste ídolo e ele crê que está falando a deus por meio deste ídolo. Ou seja, que deus chega a entrar neste ídolo e lhe responde. Muitos de vocês que são mestres tem estudado a mitologia e até dizem que os deuses tiveram batalhas uns com os outros, e quantas coisas mais.

35 – Em outras palavras, o deus se manifesta a si mesmo de sua posição sobrenatural para chegar a entrar neste ídolo e assim fala em resposta ao adorador por meio do ídolo. Logo o adorador, estando em alguma condição emocional manufaturada, crê que o ídolo está fanado a seu coração e assim ele fica perdoado de seus pecados, etc., e tudo é por meio do ídolo, o qual claramente mostra que é do diabo. É o diabo quem faz tudo isso.

36 – E a coisa é que esta gente não faz estas coisas assim de meio ânimo, naturalmente há alguns que assim o fazem, porém há muitos mais que são verdadeiros adoradores dessas coisas. Por exemplo, eu poderia lhes contar de como esses diabos nesses ídolos operam toda classe de coisas. Fazem com que sangue saia de certas coisas. Esses são diabos. E se você não crê que em verdade existe um diabo, então tão pouco pode crer que existe um Deus verdadeiro. Seguro, você tem que crer o contrário também, o pró e o contra.

37 – Certamente há um diabo real. E ele é uma pessoa, não um pensamento. Ele é uma pessoa! Hoje em dia existem ensinos no qual dizem que o diabo é um pensamento mal que chega a gente. Não, não! Não é assim. O diabo é uma pessoa. E essa mesma gente crê que o Espírito Santo é apenas um pensamento bom que chega a gente. Não creia nisso! O Espírito Santo é uma Pessoa. É a Pessoa de Cristo em forma de Espírito.

38 – Agora estes idólatras se prostram ante seu ídolo e crêem que o deus a quem eles adoram está representado neste ídolo. O entendem bem? O adorador não é um hipócrita; ele realmente está agarrado a algo que está nesse ídolo porque esse algo vem sobre ele. Ele faz algo para obter aquele ídolo, o qual é apenas um deus místico, não um deus genuíno. E muitas vezes o diabo se mete em tais coisas. E o diabo às vezes se mete também em nossos cultos e se personifica falsamente como Deus. Eu tenho visto isto em meu próprio ministério. Recordem, apenas estamos ensinando nesta manhã.

39 – Quando eu me for ao ministério no campo, eu quero que esta igreja se mantenha firme com seu pastor e com o ensino que tem sido dado aqui. Mantenham-se fiel à Palavra, não importa o que venha ou o que vá: Fiquem com esta Palavra! E não importa que eu me vá, eu somente sou um dos pastores aqui. O irmão Neville ensina o mesmo que eu. Por isso venham igualmente à igreja e escutem à Palavra. Eu não sei para onde Ele vai me guiar. Disse à minha esposa esta manhã quando estávamos assentados à mesa: “Há algo que tem estado clamando em mim por todos estes anos, agora eu vou encontrar o que é”.

41 – Agora a idolatria ainda existe hoje. Eu encontro a pessoas que vem ao altar com palavras cegas de mestres cegos, os quais lhes dizem tais coisas como: “Abra seu sentido e esqueça-se de tudo. Faça com que sua mente fique completamente vazia, e você então chegará a ser um Elias. Ou chegará a ser isto ou aquilo”. Que mentira tão tremenda! Você não vem a Deus dessa maneira. Nisso você está abrindo sua alma para dar entrada a toda classe de espíritos diabólicos. Não faça isso! Tem você que recordar: Há um diabo, e ele personifica a Cristo quase ao pé da letra.

42 – Eu estava lendo acerca da vida de São Martin, faz algum tempo, onde um moço que em realidade era um monge, o qual disse que Deus o havia chamado para que fosse um dos profetas antigos; este disse: “Escutem a mim. Eu sou um dos profetas antigos”. E naturalmente a escola sob o mandato de São Martin não dava atenção a tal coisa e não criam nele porque a vida deste jovem não enquadrava com o que dizia. Por fim ele disse: “Vou lhes provar que eu sou chamado a ser um dos profetas antigos. Sei que sou jovem, mas tenho este chamado”.

43 – Vê você? Os dons e os chamamentos de Deus são sem arrependimento. E o que sucede é que se desviam da Palavra e quando você se desvia da Palavra, então cai em qualquer coisa. Então este jovem disse: “Esta noite como que às doze da noite Deus vai me dar um manto branco para que eu possa provar meu lugar entre vocês e para mostrar que eu sou um dos profetas antigos”. E nessa noite todos o escutaram e falaram aos demais e aos que viajavam. E em verdade recebeu um manto branco. E quando se havia ido o que lhes visitava, foram comprovar e viram que era genuíno; um genuíno manto branco, e parecia muito bom. Porém o bispo ancião não podia entender isso e não lhe parecia correto porque não era de acordo com as Escrituras – um manto branco. E quando ele se opôs, disseram ao jovem: “Leva este manto branco e vá, ponha-se frente a São Martin, o homem de Deus”. E ele não o quis fazer, ele não se punha à frente desse profeta genuíno. Ele não queria ir. Então o forçaram a ir e quando já o iam levar, o manto se desvaneceu e se foi, e ninguém soube para onde se foi. Vê você? Quando a coisa chega ao desafio, se você tem o ouro genuíno, não tem que perturbar-se se serve ou não. O genuíno passará por qualquer prova. E o genuíno Espírito de Deus triunfará sobre qualquer prova porque está provado na Palavra de Deus. “Sobre esta pedra edificarei minha Igreja”.

44 – Eu tenho visto a pessoas entrarem em histerismo, e são gente boa. Agora podem ver por que não quero que se venda esta fita. Eu tenho visto a gente boa e a gente pentecostal, mesmo pastores que não entendiam. As pessoas entram em histerismo e caem num estado de insensibilidade e quantas condições mais e fazem coisas até que por fim chegam a ser submetidas às instituições dos dementes. É que são gente inocente e abrem seu coração e ali entram os diabos para operar. Há um diabo real!

45 – Estava lendo onde um diabo chegou a Irineu ou São Martin, a um dos dois (algum dos mestres na Bíblia saberão, um que seja mais instruído nisto do que eu) e este diabo tinha uma coroa, e disse: “Eu sou o Cristo, confesse-me”. E aquele santo não o fez. Esse genuíno profeta de Deus se manteve firme, esperando. E este espírito lhe falou umas duas ou três vezes dizendo o mesmo. Então ele disse: “Nosso Cristo não vem dessa maneira”. Correto! Você tem que conhecer a Palavra! Fique com a Palavra e se dê conta que a grande batalha está à mão.

46 – Agora, temos brincado de “igreja” por vários anos, porém a hora tem chegado quando Janes e Jambres farão frente a Moisés, como diz a Bíblia que haveriam de fazer. E será uma batalha espiritual; será um conflito. Haverá alguns que continuarão igual, a igreja denominacional continuará na denominação e seguirá seu caminho por onde vai. Porém eu estou falando do crente verdadeiro que está chegando a esse campo de batalha! E convém estar bem versado e saber o que está fazendo porque pode tomar sobre si um espírito imundo tão facilmente e nem sabê-lo. Se és contrário a esta Palavra, não o creia. Fique com a Palavra.

47 – A idolatria já tem muitos anos e tem até muitos anos aqui nos Estados Unidos. Há muitíssimos anos os índios da tribo “Povo”, ali no Arizona, tinham sua adoração a seu ídolo. Eles tinham o deus da chuva. E tomavam uma tartaruga dessas que vivem no lodo e faziam uma imagem conforme à tartaruga. E lhe punham manchas como se acabasse de sair do lodo. E se prostravam ante esta tartaruga, crendo que havia um deus da chuva que descia nessa concha de tartaruga de lodo e lhes falava por meio da tartaruga porque criam que ele vivia no lodo (a umidade) e que ele era o deus da umidade. Era uma mitologia, ou seja, uma crença manufaturada que tinham como verdadeira.

48 – E ao fazer isto, estavam adorando diabos, adorando a tartaruga do lodo, pensando que era um deus da chuva. E assim certamente convidavam a um espírito sobre si mesmos, porque abriam seus corações a tais coisas. Porém era um espírito errado! Tanta gente hoje em dia está abrindo seu coração ao errado! Você em verdade recebe um espírito, porém muitas vezes é algo que contradiz a Palavra, dizendo que os dias dos milagres tem passado, “não há tal coisa como isto nem aquilo”. Recordem: Esse é um diabo, sob a aparência de cristianismo! Que Deus nos ajude quando entrarmos plenamente nisto mais adiante para que o possam ver e captem que é um espírito mau disfarçado como cristianismo, porém não é o Espírito de Cristo, porque o Espírito de Cristo vem à Palavra em cada e toda ocasião. Ele não pode negar Sua própria Palavra.

49 – Agora, quando o cristianismo chegou a Roma, Roma tinha dentro de seu muro, o qual se estendia por quase dez quilômetros, quatrocentos templos pagãos. E estes quatrocentos templos haviam sido edificados a deuses e deusas, tanto homens como mulheres, deuses (plural), e somavam quatrocentos. Pense nisso!

50 – Agora, isso é o que encontrou Paulo quando chegou a Roma. Isso é o que encontraram Áquila e Priscila quando foram enviados de Pentecostes a estabelecer a igreja em Roma. A isso chegaram, à adoração pagã de ídolos. Na zona metropolitana de Roma havia como que dois milhões de habitantes contando os escravos e todos os subúrbios, etc., porém o muro ao redor da própria Roma era de sete milhas (como que onze quilômetros). E dentro desse muro de onze quilômetros que ficava ao pé da serra, estavam quatrocentos templos pagãos edificados a deuses e deusas pagãs.

51 – Agora, aqui quero dizer umas palavras acerca de algo que tirei da história e aqui tenho um dos volumes comigo, e é concernente a sua maneira de entrar à adoração. Como chegavam à adoração? Como chegava um pagão a adorar? A primeira coisa que fazia era chegar ao templo e encontrar-se com o sacerdote pagão. O candidato dava como oferta ao sacerdote maior quantidade de dinheiro que podia e também um sacrifício, um animalzinho para assim apaziguar ao deus com quem ia falar, e às vezes num só templo havia mais de um deus. Podia haver deuses e deusas o quanto mais num só templo.

52 – Assim sendo o sacerdote pagão recebia ao candidato que lhe dava uma quantidade de dinheiro, e então o sacerdote pagão dava a ele uma vela, uma vela simples de cera. Então o adorador levava sua vela depois de pagar o dinheiro ao sacerdote e se apresentava ante certo altar do deus em particular com o qual desejava falar e sobre o altar havia fogo onde queimavam o sacrifício. Isso é, ao pé da estátua ou ídolo de bronze e o homem tomava a vela e a acendia com o fogo do altar do ídolo.

53 – Ali acendia a vela e logo ia ao pé do altar do ídolo e ali coloca a vela. Logo, depois de haver colocado a vela, seria (suponho) para que este deus entre todos os demais deuses soubesse em qual dos ídolos deveria entrar para vir falar ao homem; porém o porque da vela, eu não sei. Porém ele colocava a vela que era acesa com o fogo do altar, logo regressava ao centro do piso do tabernáculo e ali se prostrava no piso e ali entregava toda sua alma e toda sua força em sua oração e orava a este deus tão tremendo e manufaturado, um deus místico. Orava e rogava a este deus que descesse neste ídolo para falar-lhe. Dizem que ali um certo imperador do passado podia prostrar-se de tal maneira ante a imagem de Apolos a tal ponto que podia ouvir vozes procedendo do ídolo, falando a ele; se entregava até esse ponto.

54 – A esta altura você dirá: “Irmão Branham, realmente haveria escutado uma voz?” Eu não duvido que sim, porém foi a voz de um diabo. Nunca houve tal coisa como deus Júpiter e todos os demais deuses que tinham, porém as pessoas se prostravam e ficavam ali e adoravam. Adoravam a um deus misterioso do qual não conheciam nada enquanto seu espírito estava morando num ídolo ao qual eles criam que se pareciam. Eles faziam uma imagem e assim encontravam favor com ele, logo lhe faziam uma oferta.

55 – Agora, quando o candidato se comovia a tal grau nesta emoção, então se apresentava de novo ante o ídolo e nesta ocasião, o sacerdote pagão lhe trazia alimento e bebida e o colocava aos pés do ídolo. Agora, eu tenho tudo isto escrito assim como o li, o estou lendo a vocês.

56 – Então o homem chegava aos pés do ídolo e bebia da oferta da bebida e comia um pouquinho da comida e logo jogava o demais sobre os pés do ídolo. Que estava fazendo? Estava tendo comunhão com diabos. Estava comungando com diabos. Sim, comungando com diabos, deuses e deusas. E isso é um tipo figurativo do cristianismo com Cristo, comendo a comunhão.

57 – Isso foi o eu encontraram os primeiros peregrinos do Evangelho quando chegaram a Roma, encontraram a pessoas nesta classe de adoração. Baal era o deus mais famoso de toda a era, entre os ídolos. Ele era o deus do sol. E também tinha uma esposa a qual era a deusa da lua e se chamava Ashtoreth, e também se pronuncia “Astarte”, está nas antigas moedas romanas. Ela foi chamada a deusa da lua ou também” a rainha do céu, mãe dos deuses”, essa foi a deusa da lua. E o deus do sol era Baal.

58 – Agora, quase todos os pagãos adoravam ao sol, mesmo os índios o estavam adorando, quando cegaram a descobrir a América. Quando os pais chegaram encontrar que todavia adoravam ao sol. E também assim estava adorando os deuses e as deusas quando os cristãos chegaram a Roma.

59 – Agora, em minhas viagens eu tenho notado que a idolatria não tem mudado. E nem tão pouco tem mudado o verdadeiro cristianismo. Ambos estão como sempre e assim se manterão até a vinda do Senhor Jesus. E aqui quero dizer umas coisas para que entendam bem a coisa e se você é espiritual, certamente o captará. Agora, porque Baal era o deus do sol, então as tortas que faziam, das quais falava Jeremias, como lemos anteriormente, as mulheres faziam tortas para Baal, o deus do sol. E se você ler mais adiante encontrará naquele capítulo que diziam: “Se não adoramos a Baal, então nossas colheitas falham; e era “porque Baal era o deus da fertilidade”. Em outras palavras, diziam: “Sabemos que o sol faz com que cresçam as sementes”. Porém o profeta lhes disse: “Porque tem deixado a Deus, por isso é que suas colheitas falham!” Porém eles adoravam a Baal. Diziam que lhes convinha melhor adorar-lhe e fazer-lhe oferta. Agora se Baal é um deus redondo… Veja isto bem, palavra por palavra, então entenderá o final desta mensagem.

60 – O deus do sol era um deus redondo; e eles tinham uns pratos muito grandes de bronze que refletiam ao sol e pareciam fogo. E logo o pão ou tortas das quais fala Jeremias, que as mulheres amassavam e ofereciam a Baal, estes eram feitos redondos, igual ao sol. Logo esta torta era colocada sobre o altar pagão para a comunhão e a faziam redonda como o sol ou como a lua. Baal, como já dissemos era o deus de toda fertilidade e ele fazia com que tudo crescesse.

61 – Agora, a igreja primitiva se deparou com isto quando chegaram a Roma. E é dito e crido pela igreja Romana de hoje, a igreja Católica Romana, á qual chamam católica, porém na verdade todos somos católicos e em realidade nós somos a igreja católica. Nós somos os católicos apostólicos, porque “católico” quer dizer “universal”. E nós somos a igreja universal da fé apostólica. Sim senhor! Há uma diferença entre as duas igrejas: Uma delas é Católica (universal) Apostólica, e a outra é Católica Romana. E entre eles é dito, e assim crêem que Pedro fundou a Igreja Romana. Eu quero ver a referência nas Escrituras, eu quero ver mesmo com que pode você provar que Pedro esteve em Roma em alguma ocasião. A Igreja Romana diz que Pedro esteve ali desde o ano 41 até o ano 46. E nesse mesmo tempo, Cláudio era imperador em Roma, o qual mandou que todos os judeus se fossem. Leia você o capítulo dezoito do livro dos Atos e encontrará que quando Paulo foi a Éfeso, ele encontrou a Áquila e a Priscila, os quais eram judeus e haviam sido expulsos durante o tempo da perseguição, e estavam na Palestina novamente porque Cláudio havia ordenado que todos os judeus se fossem, tanto os cristãos como também os ortodoxos. Áquila e Priscila foram quem estabeleceram a igreja em Roma, e tiveram que se ir porque Cláudio, ao subir ao trono, então expulsou de Roma a todos os judeus.

62 – E agora, “Pedro sendo o bispo da Igreja”, e eu posso lhe mostrar com várias referências das Escrituras, e provar-lhe que pelo menos setenta anos depois da morte de Cristo, Pedro nunca saiu da Palestina. Isso está claro nas Escrituras. Logo dizem que Pedro foi morto em Roma e que Paulo foi degolado em Roma. Isso é só dogma! Eu tenho lido todas as martirologias que tenho podido encontrar e em nenhuma é mencionada uma só palavra da morte de Paulo ou de Pedro em Roma. Desde as martirologias mais autênticas e mais antigas que existem, não há nada escrito disso. Não foi assim! É um dogma e eu estou aqui para expor o paganismo e com a ajuda do Senhor isso faremos com Sua Palavra. E lhes mostrarei como a igreja… vocês falam tanto do catolicismo, porém esperem uns momentos.

63 – Então encontramos que depois que Áquila e Priscila foram expulsos de Roma (segundo as Escrituras), a pequena igreja foi deixada como uma órfã. Tudo o que restou foram pagãos de Roma, ou seja, à igreja primitiva que Áquila e Priscila e outro casal fundaram e ajudaram a nutrir. E encontramos que tão logo quando se foram, então elegeram seus próprios bispos e fixaram sua própria doutrina. E logo adotaram a resolução de encontrar favor com o imperador Constantino. Isto foi entre os que chegaram depois, porque tiveram que obter membros que também tivessem posição política na nação. E nisso trouxeram membros à igreja e os admitiram por meio de uma confissão, os quais n ao tinham mais conhecimento de Deus que muitas pessoas das que temos hoje em dia na América. Os admitiram pela “profissão”, a qual era uma boca cheia de palavras ao professar a Cristo, porque somente estavam reconhecendo a outro deus além de seu próprio deus. E em tudo isto, eles adotaram na constituição de sua igreja a cerimônia pagã. E agora tinham ao sacerdote romano. Logo adoraram isto: A primeira coisa que surgiu foi que em vez de ter a comunhão (ou Santa Ceia) na forma do pão partido (como foi o Corpo de Cristo), eles agora queriam fazê-lo redondinho como o sol ou como a lua. E até este dia presente ainda é redondo.

64 – Ainda tem sua hóstia redonda e não um pedaço de Seu corpo partido ou quebrado. Mas é uma coisa redonda e lisa. O sacerdote romano de hoje, coloca esta hóstia redonda sobre o altar e a chama “o corpo literal de Cristo”. E ali está a divisão principal entre estes Episcopais tão altos e outros semelhantes, com a igreja católica, ou seja, sobre esse mero ponto que se é o corpo literal ou se é que somente representa o corpo. Os católicos romanos dizem que “é o corpo literal” e o dizem porque esse foi o corpo literal de Baal, o deus do sol, o qual se refletia naquele pedaço de bronze feito em forma redonda. Nenhuma mesa cristã tem pão redondo.

65 – Logo ali em Roma queriam manter a cara para o leste tal como na adoração pagã e queriam trazer as mulheres, etc., como sempre faziam quando adoravam a deusa e demais coisas. E o que fizeram foi descer Astarte e subir a Maria e anunciaram que ela era a rainha do Céu. Desceram a Júpiter e subiram a Pedro. E tiveram que fabricar um dogma. E logo quando Áquila e Priscila voltaram, depois de treze anos do reinado de Cláudio, encontraram a sua igreja completamente dada à idolatria e encontraram que havia crescido enormemente. E para que tudo isto entrasse tiveram que tirar a Bíblia completamente

109 – Está presente algum estudante da Bíblia ou um que haja lido a história e conheça que isso é a verdade? Levante a mão. Certo, vejam. Santo Agostinho de hipona foi o que tomou a decisão, considerou que estava bem matar aos hereges, a quem estivesse em desacordo com a Igreja Romana. Estava dando aprovação a essa doutrina pagã, a qual os estava apartando da Bíblia e estava estabelecendo uma adoração ao deus do sol.

110 – Sabe você de onde o cristianismo tirou o Natal? Cristo nasceu no mês de abril! Porém que fizeram eles? O sistema solar está diminuindo sua velocidade ao passar o tempo e cada dia é mais curto. Do dia vinte até o dia vinte e cinco é quando tinham o aniversário do deus do sol. Durante cinco dias, nesse tempo celebravam o circo romano, ou seja, celebravam o aniversário do deus sol naquele tempo. E agora podem ver o que tem? Eles disseram: “Em vez de ser “deus do sol” mudemos para que seja “Filho de Deus”. E a coisa completa é pagã desde o princípio! E as pessoas nas ruas com seus sapatos de saltos altos caminhando de maneira tão vulgar e entrando e saindo das lojas. Outro dia minha esposa estava me dizendo que ouviu alguém dizer: “Não sei o que comprar para meu pai no Natal. Meu irmão vai comprar um litro de Whiskey e o outro vai dar vinho e champagne”. E Outro disse: “Eu vou lhe dar um jogo de baralho”. Assim celebram o Natal. É pagão e adoração ao diabo.

111 – Bem, porém Agostinho foi o que sancionou. Se você quer referir-se a isto, se encontra nos escritos de Schmucker, um livro intitulado: “A Gloriosa Reforma”. E aqui está algo que diz nesse livro: Que desde o tempo quando Santo Agostinho de Hipona passou o veredito à Igreja Católica, isso deixou as portas completamente abertas para que matassem a qualquer um que negasse a essa igreja pagã. E desde o tempo de Santo Agostinho (que foi como que trezentos anos depois de Cristo) até o ano 1850 (o ano da grande matança na Irlanda), houve sessenta e oito milhões de protestantes assassinados pela Igreja Católica. Essa cifra se encontra na martirologia romana: 68.000.000. Discuta você com o historiador, eu simplesmente estou repetindo suas palavras. “Toda pessoa que estava em desacordo com o dogma católico”. Não devemos dizer “católico” porque eles não merecem esse nome. Eles são pagãos romanos. Não falando dessa gente tão preciosa, porque há milhares e milhares de pessoas nesse sistema que são igualmente sinceras tanto quanto qualquer outro idólatra. Elas pensam que estão adorando a Deus, mas à luz da Palavra estão na idolatria com ídolos por todos os lados.

112 – Bem, agora eram os dogmas romanos e escutem bem isto. Quero dizer algo aqui. Já o havia passado. No ano 1640 quando houve a grande matança na Irlanda sob os jesuítas e os sacerdotes romanos, então cem mil dos convertidos de São Patrício foram mortos. Agora, se São Patrício foi católico romano, por que mataram a sua própria gente? Estas eram pessoas que trabalhavam nas fábricas e em diferentes coisas da vida. Correto. A cifra na martirologia é de cem mil, os quais eles mataram porque não estavam de acordo com o ensino.

113 – Eu tenho estado em algumas das igrejas de São Patrício na parte norte da Irlanda. Sim senhor, tenho tido o privilégio de vê-las. E o que vi foi um edifício grande e simples e sem nada. Eles não tinham esses ídolos, nem lhes derramavam essas tolices nos pés, nem tão pouco tinham isso de pagar para que essas pessoas descessem e entrassem nesses ídolos. “Salve Maria, mãe de Deus”. Isso é o mesmo que faziam com Astarte, encantando ao espírito de Maria.

114 – Faz uns dois ou três anos que a Igreja Católica começou com um novo dogma, o qual foi que Maria havia ressuscitado dentre os mortos e que estava no céu. Quantos se recordam disso? Sim, todos. Apareceu nos jornais e demais coisas. São dogmas! Isso está edificado sobre dogmas e não tem um só grão de verdade!

115 – E agora vocês Protestantes estão igualmente errados quando negam tomar a Palavra de Deus! O dogma da igreja protestante é igual ao dogma da igreja católica; e todos estamos errados até que voltemos à Palavra do Deus vivente. Correto.

116 – Vocês Assembléias de Deus, igreja Quadrangular, Pentecostais, (da Unidade, da Trindade, ou o que for). Volte à Palavra de Deus. Acabem com seus ídolos denominacionais. Eles se encantam a si mesmos (o espírito do diabo) nestes ídolos denominacionais. Sabia você disso? Denominação é um ídolo.

tabernaculo-4 - Copia

 

 


Assista também Conectados Pela Fé – Tema: Idolatria

Posted in Matérias do Profeta.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...