A Oração Muda as Coisas


O LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO
William M. Branham
03 de Junho de 1956
Tabernáculo Branham
Domingo – Manhã
Jeffersonville – Indiana – U.S.A.

11 – Aqui, não faz muito tempo,  pensei: “Opa, tem alguma coisa de errado comigo, não consigo usar lente esverdeada ou lente acastanhada.” Nunca pude; deixava-me de estômago enjoado. Então eu disse: “Tem alguma coisa errada.” Liguei para o Dr. Adair, e disse: “Doutor, que colorido… Poderia examinar meus olhos, me dizer que cor de lentes tenho que usar?”

12 – Ele disse: “Eu, acho que vou lhe dizer uma coisa.” Disse: Vou lhe dizer. Vou mandá-lo até Louisville, a certo especialista lá, para isso.”

13 – “Bem,” eu disse, “não quero exame da vista.” Eu disse: ‘Tenho vista boa. Posso ficar de pé e ver um fio de cabelo que esteja no chão.”

14 – Ele disse: “Mas, é melhor que lhe faça um exame, mesmo assim, e ele lhe dirá que cor o senhor tem que usar.”

15 – De modo que fui lá. E, vim a descobrir que, ele era um irmão cristão, queria ir á África comigo e fazer umas operações. Disse: “Agora, aqueles nativos são muito estranhos, veja.” Disse: “Eles não permitem que faca nenhuma lhes corte.” Mas eles o amam. E quero doar seis meses de serviço grátis, de tirar cataratas e coisas assim, para os nativos.” E ele disse: “Quando o senhor for lá,” disse, “eu gostaria de doar seis meses da minha vida para o serviço do Senhor.”

Eu disse: “Doutor, o senhor crê em cura divina?”

Ele disse: “Em cada palavra disso.”

16 – E ele me deu um testemunho, sobre uma vez quando… Ele era um especialista da garganta e da vista. Disse que um nenezinho havia engolido um desses apitos, e ficou enroscado na garganta dele. Disse: “Fui lá, e o nenê já não estava aguentando. Haviam-no levado para o hospital. Não havia nada que se pudesse fazer.” Disse: “Eu não sabia o que fazer. Então,” disse: “eu apenas, dei uma saída da sala, e disse: “Querido Pai Celestial, ajuda-me saber de alguma forma o que fazer por aquele nenê. Está agonizando. Não consigo colocar nada em volta disso, para dar um puxão, e não sei o que fazer.” E disse: “O nenê fez: ‘Hã!’ E o apito saiu e caiu no chão. Por isso,” disse ele: “como posso evitar de crer? A oração muda as coisas. Isso mesmo. De modo que, ele me contou. Sentamos ali e conversamos um pouco.

17 – E ele tinha aquela salinha escura, ele fez aquela pequena coisa chegar aqui, e eu vi a luzinha vermelha. Ele disse; “Dá para ler aquilo?”

18 – Eu vi que dizia vinte por vinte. Eu disse: “Sim, senhor.” Dava para mim ler, tanto de um modo como de outro, vinte por vinte. Então ele colocou quinze por quinze, dava para mim ler. E dez por dez, dava para mim ler.

19 – Disse: “Pois, não há muito de errado com sua vista.” Então ele colocou um telescópio aqui, com uma… Disse: “Leia aquilo para mim.” E notei aquilo, eu podia ler bem. Ele continuou a chegar mais perto, mais perto. Eu comecei a ler mais devagar. Quando ele chegou mais ou menos a esta distância, eu parei. Ele disse: “Vou lhe dizer, antes de lhe perguntar. O senhor passou dos quarenta.”

Eu disse: “Sim. Isso mesmo.” Eu disse: “Tenho quarenta e cinco.”

20 – E ele disse – ele disse; “Pois, quando o homem passa dos quarenta…” Disse: “Não compreendo como o senhor se arranjou até agora. Disse: “Justamente como o cabelo fica grisalho, a pele fica enrugada, cabelo nasce no ouvido, e assim por diante.” O Sr. Egan pode lhe dizer isso, como barbeiro. “E quando se passa dos quarenta anos,” disse: “seus globos oculares ficam achatados e não dilatam.” Disse: “Agora lhe direi como fazer. Pois, agora, esprema seus olhos até quase fechá-los, e leia isso.”

21 – Ora, irmão, eu podia ler, se estivesse próximo de mim desse jeito, espremendo meus olhos. Colocar minhas mãos assim, e formar como se fosse um telescópio, podia-se ler. Não há nada de errado com sua vista. É apenas a natureza, quarenta anos, as pessoas têm que usar óculos de leitura.

22 – E ele queria me dar óculos. E, ora, ele deu. Mas eu – eu nunca gostei dessa coisa, veja você. E eu – eu nunca me lembro deles, e leio por algum tempo. E, mas, faz pouco comprei uma Bíblia Collins, que tem os – os tipos um pouco maiores. E pensei: “Pois, simplesmente não consigo me acostumar a usá-los, veja você” E não se – não se olha… Se eu olhar para longe, distante desse jeito, não se consegue ver nada. Mas se olhar para baixo, próximo, então traz para perto de você.

23 – Disse: “Agora, o senhor começa a ler assim,” disse: “de repente o senhor vai afastando a mão. A essa distância, o seu braço não é longo o suficiente, para que possa alcançar.” De modo que, é – é desse jeito.

E assim que, agora, o – o Senhor abençoe.


ELE HAVIA DE PASSAR POR ALI
William M. Branham
21 de Março de 1964
Denham Springs – Lousiana – U.S.A.

40 – Agora este pequeno texto aqui, ele pode parecer como que ridículo, mas nós vamos falar sobre este assunto: Ele Havia De Passar Por Ali.

41 – Deve ter sido um – uma noite horrível para o sujeitinho. Ele não podia dormir de forma alguma, e ele simplesmente rolava e agitava-se, toda a noite. O dia estava rompendo.

42 – E todos nós sabemos o que significam aquelas noites agitadas, você não pode dormir. Você tem alguma coisa em sua mente, ou algo que coloca seus nervos agitados.

43 – E este camaradinha era um homem de negócio, talvez na cidade de Jericó, o qual era algo como vocês homens de negócios e mulheres aqui, e ele – ele sem dúvida tinha um negócio prosperando. Ele estava bem com os… todos os clubes, e assim por diante, e era um – um membro da igreja, do concílio do Sinédrio, e tinha um bom sacerdote, e cria neste sacerdote.

44 – E a coisa estranha sobre este caso, entretanto, é sua esposa. Nós a chamaremos Rebeca. “Ela tinha desviado no lado errado”, ele pensou, e assim fez o sacerdote. Ela estava seguindo um Homem que estava suposto ser um profeta de Nazaré, um Homem chamado Jesus. As pessoas, a classe mais pobre de pessoas, cria ser Ele um profeta, ou um Messias que fora prometido, mas isto não encaixava exatamente às qualificações do Sinédrio.

45 – Estranho, as vezes Deus faz coisas fora da cor que nós pensamos que devia ser. “Esta Pessoa, veja você, nasceu”, para opinião deles, “Um nascimento ilegítimo. Sua mãe deu-Lhe à luz antes que ela e seu esposo fossem casados”.

46 – Outra coisa, Ele não tinha nenhum estudo. Eles não tinham nenhum registro que ele alguma vez tivesse frequentado escola. Ele não era um sacerdote, nem era Ele um rabi. Ele simplesmente tinha alegações, assim, de Si Próprio.

47 – Como o Irmão Don afirmou esta manhã, “Estava dobrando a esquina”. Eles não reconheceram. Normalmente acontece assim. Isto vem para àquela hora da esquina.

48 – Porém de alguma maneira, ou outra, sua esposa tinha sido convencida que Ele era aquele Profeta que estava por vir, e ela O tinha seguido, crido Nele.

49 – E ela tinha tentado dizer a seu esposo. Porém ele estava tão preocupado com seus negócios, e com a … Ele pertencia à igreja. “Não é isto suficientemente bom?”

50 – Algo igual ao jovem rico monarca, vocês sabem. Ele tinha um negócio, também. Mas ele concluiu que era um – um membro da igreja, porém ele não tinha Vida Eterna. E ele perguntou… Ele viu algo em Jesus que outro homem não tinha. E ele disse, veio à Ele e disse, “Eu…” Ele queria saber se ele… o que ele poderia fazer para obter Vida Eterna. E Jesus lhe disse que guardasse os mandamentos. Ele disse, “Eu tenho feito isto desde que eu era jovem”. Vêem, isto mostrava que ele era um – um crente, mas ele sabia que Jesus tinha algo que aqueles sacerdotes e rabis não tinham.

51 – E quando um homem alguma vez entra em contato com Jesus Cristo, Ele é diferente de homem. Você nunca é o mesmo quando uma vez você O vê, se houver alguma centelha de Deus sobre você.

52 – Então Rebeca tinha encontrado este Jesus. E Ele – Ele era, para ela, exatamente o cumprimento da promessa que os Judeus estavam procurando, para seu dia.

53 – Assim as notícias tinham chegado que Jesus ia tomar café da manhã, ou algum tipo de jantar ou alguma coisa, em Jericó, assim que ela tinha ficado ocupada em orar por seu esposo homem de negócio.

54 – Nós precisamos de mais Rebecas, por toda parte, vejam vocês. Vêem, a oração muda as coisas. Se você puser seu esposo, ou seus não salvos, diante de Deus, e então orar, Deus fará um caminho em algum lugar, pois Ele o prometeu.

55 – Então isto é o que Rebeca, sendo uma crente leal e uma seguidora do Senhor Jesus, e uma pessoa bem amável ela devia ter sido, e ela tinha… interessado em sua casa.

56 – E eu acho que aquilo reflete novamente, que se – se uma pessoa alguma vez encontrar a Jesus e encontra-Lo realmente em seu coração, você está interessado não somente em sua própria casa, mas na casa de Deus, em toda parte. Você está interessado, que eles O conheçam. “E conhece-Lo é Vida”. “Conhece-Lo”, vejam, não saber como ler a Palavra, ou assim. Mas, “conhece-Lo, é Vida”.

57 – Assim ela tinha orado muito. E o dia veio quando Jesus estava suposto a entrar na cidade. E nenhuma dúvida exceto que, no dia anterior, ela devia ter visto se sua atitude tinha mudado em algum ponto. Assim ela disse, talvez, “Zaqueu, irá você – irá você àquele café da manhã?”

58 – “Ora, certamente não. Ora, aquele grupo de pessoas! E você espera que eu… Eu possuo o melhor restaurante na cidade, e eles o tinham em Lavinski”. Eu espero que não haja um Lavinski aqui. mas de alguma maneira, “Em outro lugar, vê você. E, ora, eu tenho o melhor lugar na cidade, e eles pegaram aquele lugar lá embaixo. Ora, eles não deviam. Eles deviam vir para o meu lugar, para obterem isto, vê você”. Ele não estava indo.

59 – Então ela começou a orar, desesperadamente. Assim então aquela noite, o camaradinha nem pôde descansar.

60 – Vocês sabem, existe algo a respeito disto, se você realmente for desesperadamente orando a respeito de alguma coisa, Deus opera em ambos os extremos da linha vê. Ele – Ele – Ele responde.

61 – Assim o companheirinho, ele deve ter ficado pensando aquela noite, “Fico por saber se eu deveria descer e – e – e ouvir aquele Homem? Agora, Rebeca diz que Ele é um profeta. Agora, nós sabemos que não temos tido nenhum profeta por centenas de anos. E eu perguntei ao sacerdote sobre isto, ele disse, ‘Nada senão uma loucura! Se houvesse ali um Profeta para surgir, não viria ele através da igreja? Esta é a maneira que ele teria que vir. Ele viria à nós Fariseus, ou Saduceus, ou nosso grupo, ou ele não seria um Profeta’”. Você sabe, aquela atitude ainda permanece. Assim eles pensam que Isto tem que vir daquela forma, ou Isto não está correto. Assim eles disseram, nenhuma dúvida, mas, neste notável tempo que… Ela creu Nele, de qualquer forma.

62 – E ele tinha discutido isto com o sacerdote. O sacerdote disse, “Agora olhe aqui, aqueles dias de profetas foram a muitos, muitos anos atrás. Nós temos a lei. Nós temos tudo isto escrito. A situação está sob controle, e nós a temos em nossas mãos, e nós sabemos destas coisas”.

63 – Mas então, claro, Zaqueu, não olhando para Isto, simples e absolutamente presumindo, tomando isto por achar certo. a palavra presumir é “aventurar sem autoridade”. Ora, ele – ele pensava que aquilo estava bem; desde que ele pertencesse à igreja, aquilo era tudo que ele tinha que fazer.

64 – Mas então quando a noite começou a chegar, aí vem um súbito desejo em seu coração. “Talvez se esta pessoa estiver na cidade, Ela pode não estar aqui outra vez. Eu deveria ir e investigar a – a situação, ver por mim mesmo”.

65 – Agora esta é uma boa ideia. Verificar você mesmo. Não vá criticar. Tome a Palavra, e examine a Palavra por ela.

66 – Assim ela, Rebeca, tinha tentado, como podia uma mulher, explicar aquilo que os profetas tinham dito, e o que Moisés tinha dito, o que esta Pessoa seria, e quando Ele viria. Assim ela deve ter pensado, tentando explicar isto para ele, mas ainda o sacerdote tinha muito mais influência sobre ele do que Rebeca, sua esposa.

67 – Então quando a manhã começou a romper, ora, o companheirinho estava… Rebeca, eu posso imaginar, vendo-a cotovela-lo, dizendo, “Zaqueu, você quer dizer que não quer descer?”

“Não, eu não quero ter nada a fazer com Isto”.

68 – Você sabe, não seja, Reb-… Não discuta, Rebeca. Às vezes este é um bom sinal. Vejam, exatamente – exatamente quando ele está tão desencorajado, você fala sobre Isto, e tudo mais. Este é um bom sinal, algumas vezes.

69 – Então, após um tempo, Rebeca agiu como se ela tivesse dormido. Somente, que ela estava orando. E ela observava Zaqueu sair da cama, bem cuidadosamente, vocês sabem, e ir aprontar-se, e pentear seu cabelo direitinho, e colocar sua melhor veste. E ela deu uma olhadela, de um olho, para ver o que ele estava fazendo. Ela soube de imediato que Deus tinha respondido a oração. Ela sabia que algo estava para acontecer. Assim Zaqueu saiu nas pontas dos dedos, não deixando que Rebeca soubesse onde ele estava indo, você sabe. E ele escapuliu, e chegou do lado de fora e olhou para trás.

70 – Ela levanta a cortina, olha para fora, para vê-lo sair. Ela diz, “Obrigado, Senhor. Tudo está bem agora”. Vêem?

71 – Como fez Elias, quando ele disse, “Eu vejo isto, a nuvem do tamanho da mão de um homem”. Apenas a primeira pequena evidência, alguma coisa está se preparando para acontecer.

72 – Então ele sai, e ruas abaixo. Ele disse, “Agora eu acho que Ele está indo para entrar pelo portão sul, então, é melhor que vá e tome posição”. E disse, “E eu arranjarei para mim um lugar, e me colocarei lá. E quando Ele vier entrando, eu verei quão Profeta aquele cidadão é. E eu vou sair para fora e colocar meu dedo em Seu nariz, e eu vou Lhe dar meu parecer, e quando Ele vier. E eu vou Lhe dizer o que toda Sua falta de senso tem causado à minha esposa… e estas reuniões de oração e coisas. Eu estou ficando doente e cansado disto. Eu vou dizer algo sobre isto, vê, e Lhe direi. E então eu sei rabi com certeza me baterá nas costas, e dirá, ‘Zaqueu, você é um bom membro desta igreja aqui. Você realmente é um bom sujeito’”. Então ele disse, “Eu descerei lá cedo”, então ele desceu.

73 – Quando ele está a cerca de um quarteirão, ou dois, do portão, encontrou que, o lugar estava aglomerado. Eles estavam pendurados nas paredes e em toda parte. De alguma forma ou outra, apesar do que Ele falava, ali havia alguém que ainda gostava de ouvi-Lo. Alguém ouviria.

74 – Então ele disse, “Agora como eu O verei entrar no portão?” Vocês se lembram, a Bíblia disse que ele era de pequena estatura. E ele disse, “Eu sou muito pequeno”. Assim ele empurrou em volta, “Aqui, dá-me um lugarzinho!” Você pode dize que ele não é Cristão ainda, veja você, agindo desta maneira. Cristãos não tem aquela atitude, vêem. “Agaste-se! Você sabe quem sou eu? Eu sou Zaqueu. Eu possuo o restaurante aqui. Fique, saia do meu caminho!” Vêem? Agora, aquele não é um Cristão. Todos sabiam que ele não era. Talvez alguns deles soubessem que Rebeca estava orando.

“Bem”, eles disseram, “Bem, você fique atrás”.

75 – Assim ele soube que nunca chegaria a vê-Lo, em toda aquela multidão, então ele não seria capaz de expressar seus pensamentos à Ele. Então ele pensou, “Bem, agora, o que farei? Talvez eu volte para casa e simplesmente esqueça todo o problema”.

76 – Mas, vocês sabem, existe algo sobre isto, que quando você decidir que você quer vê-Lo, não há nada que vai te impedir de vê-Lo. Não me importa o que seja, você seja – você seja persistente, e como a pequena mulher Grega foi persistente para chegar a Jesus. E existe algo sobre isto, seja quando for que você intentar vê-Lo, não há nada que possa te impedir. Mas, lembre-se, quando você decidir, então o diabo fará tudo que puder para te impedir. Ele está determinado que você não vai compreende-Lo, você não vai vê-Lo. Ele atirará todo lençol preto na frente, ele pode, manter você sem vê-Lo.

77 – Então lá estava sua primeira barricada, bem ali. Assim então ele começou, disse, “Bem, eu acho…”

78 – E olhou lá, e lá estavam alguns de seus competidores, e, eles, ele conhecia que alguns eram do povo da igreja. Então ali ele tinha feito muitas chacota deste Jesus de Nazaré, de ser um profeta, então aqui estavam alguns de seus membros olhando para ele, bem lá embaixo no mesmo grupo. Ele simplesmente não podia ficar escondido. Ele fora identificado.

79 – Agora, Zaqueu, você já está identificado, assim apenas… você sabe, se aconteceu de estar um aqui. Você já está misturado no grupo agora, assim eles já sabem quem, nós estamos aqui, então simplesmente podemos ficar familiarizados, conhecer um ao outro.

80 – Assim ele disse, “Bem, isto aqui está estranho”. E ele olhou ao redor, vendo um de pé aqui. “E você sabe, além de tudo, eles estão todos por aí como você, eles – eles querem encontrar alguma coisa”.

81 – Um homem sabe que ele vem de algum lugar, vindo do além; e quando ele sair, ele volta para algum lugar. E ele está sempre tentando encontrar alguma coisa para saber de onde ele veio e para onde ele vai. Há somente um que tem aquela resposta, que é Deus. Todo homem quer olhar além daquela cortina. E quando você vê qualquer coisa que… que pode lhe mostrar o que existe além da cortina, onde você tem estado, e quem você é, e para onde você está indo. Existe somente um Livro, de toda a literatura que fora escrita, aos milhões de toneladas, Este é o Livro que lhe conta quem você é, de onde você veio, e para onde você vai. Não existe nenhum outro livro que fará isto; que Bíblia! “E a Palavra é Deus”, a Bíblia disse.

82 – Agora, nós observamos que este companheiro, com todos em volta, ele estava embaraçado ao encontrar que ele estava no meio das pessoas que estavam clamando, e chorando, e gritando, e agindo como se fossem loucas. Assim, mas ele… Lá estava ele assentado, identificado com eles, assim ele – ele simplesmente teve que ficar, isto era tudo que havia para isto. Agora ele disse, “Bem, se eu vim desta distância, eu igualmente devo continuar até que realmente O encontre”.

83 – Agora, Zaqueu, esta é uma boa ideia. Você chegou aqui no café da manhã, assim agora vamos continuar. Vejam, todos nós estamos a esta distância.

84 – Então agora nós concluímos, que, enquanto eles iam, ele disse, “Agora se eu ficar aqui, eu – eu não posso vê-Lo, porque eu sou muito pequeno. Assim, você sabe, eu acho que vou sair desta multidão, e correr para a esquina onde me posicionarei por mim mesmo, arrumarei um lugar bem sobre a – a extremidade do pavimento. E quando Ele vier por ali, então eu caminharei para fora na rua e Lhe direi o que penso Dele. Eu lhe darei um pouco do meu parecer”.

85 – Então ele saiu, para longe da multidão, e desceu. Ele pensou, “Agora qual caminho que Ele irá?” Bem, ele desceu pela “Avenida Aleluia”. Este é normalmente o caminho que Ele viaja, veja você. E desceu para a “Esquina Amém”, onde ela vira ali, para descer pra o – para o lugar de comer.

86 – É onde vocês vão, vocês sabem, “Avenida Aleluia” e “Esquina Amém”, e então você está pronto para comer a Palavra. Vêem? Vêem?

87 – Assim ele foi para esta esquina, e permaneceu lá na esquina, disse, “Agora não há ninguém aqui. E quando eu…” Eu sei que isto parece ridículo, mas eu apenas… Ficarei um minuto. Assim então, a primeira coisa você sabe, ele desceu por esta esquina, e ele disse, “Não há ninguém aqui, então eu ficarei aqui. Quando Ele vier, eu verificarei quão Profeta Ele é. Eu caminharei para a rua, e Lhe direi algo”.

88 – Assim ele estava lá, e aconteceu dele começar a pensar, “Agora só um minuto. Você sabe, se eu estava muito pequeno lá embaixo, aquela multidão provavelmente irá onde Ele for. E eu – eu não quero ninguém gritando quando eu falar com Ele. Eu quero falar à Ele de tal modo que Ele me ouça. E eles gritando ‘Amém’, e ‘Aleluia’, e ‘Glória a Deus’, ‘Hosana ao – ao Profeta que vem no Nome do Senhor’. Oh, eles jamais me ouvirão, todo aquele grupo barulhento. Assim há somente uma coisa… Então eles se aglomerarão todos ao meu redor, e então eu – eu – eu não poderei nem mesmo vê-Lo”.

89 – Assim aconteceu dele olhar, de pé na esquina, e lá havia uma antiga e familiar árvore de sicômoro. Esta era uma boa árvore Indiana. Então de pé na esquina. Ele pensou, “Bem, se eu pudesse subir lá naquele galho e assentar, então eu estaria lá em cima, então eu poderia realmente Lhe falar quando Ele vier por ali”.

90 – Então ele vem, corre. E ele era muito pequeno; ele não podia alcançar o galho. Então ele disse, “Bem, agora há somente uma coisa que eu posso fazer”, e lá estavam as – as latas de lixo da cidade, colocadas na esquina. Então ele pensou, “Bem, agora, se eu for lá e pegar aquela lata de lixo, e pegá-la e traze-la aqui, então eu posso alcançar o resto do caminho para dele subir à árvore. Aquilo me ajudará”.

91 – Assim ele vai lá. E os lixeiros não tinham passado, ainda, aquela manhã, e estava muito pesada. Então ele era pequeno e não podia levanta-la. A única maneira para conseguir isto, era colocar seus braços ao redor dela. E ele trajava sua melhor veste. Assim, você sabe, existem sempre obstáculos quando você está tentando ver Jesus. Porém aquilo não fazia nenhuma diferença, se era boa veste ou não, ele queria ver Jesus, de qualquer forma. Então ele abraçou com a lata de lixo, assim ele pôde leva-la ali. Então ele correu, e lá ele tinha o lixo sobre ele. Bem, não faz nenhuma diferença; ele – ele queria vê-Lo, de qualquer maneira.

92 – Então enquanto ele estava puxando a lata, com seus braços ao redor dela, ele ouviu alguém rindo. E ele olhou em volta, e se isto não fosse Lavinski de pé ali, seu competidor, dizendo, “Bem, você sabe! Zaqueu começou, arrumou um novo serviço de seu restaurante. Ele está trabalhando para o recolhimento do lixo”.

93 – Você sabe, o diabo realmente quer ver o que ele pode fazer para atirar tudo em seu caminho, que ele pode para manter você sem ver a Jesus. Ele lhe dirá, “Eles são um grupo de santos roladores”. Eles lhe dirão, “Eles são um grupo de idiotas”. Ele dirá, “Eles são, não há nada para eles. Eles são simplesmente os pobres mais à-toa da cidade”, qualquer coisa que ele possa fazer. Mas se você estiver determinado a vê-Lo, Deus lhe preparará um caminho para você vê-Lo; simplesmente mantenha isto em sua mente. Alguma coisa acontecerá. Se aquela fome começar a romper dentro de seu coração, alguma coisa. Você O verá, de qualquer forma.

94 – Assim não fazia nenhuma diferença. O velho rostinho ficou vermelho, e ele ficou embaraçado. Mas ele apenas empurrou a lata para adiante, de alguma forma, e conseguiu segura-la, e escalou a árvore. Está correto, não é isto, escalou? Vocês Sulinos sabe o que é escalar, isto é, escalar a árvore, subir na árvore. E ele subiu ali, e achou onde dois galhos vinham juntos e se encontravam no tronco da árvore, e lá se assentou.

95 – Agora, aquele era um bom lugar para assentar, onde dois caminhos se encontram; o seu e o de Deus; sua ideia, e a Dele. Aquela era uma boa hora para se assentar e pensar. Seus próprios pensamentos acerca Dele; e o que Sua Palavra diz que Ele é. O que você pensa que Ele seja; e o que a Palavra diz que Ele é. O que a Mensagem da hora é, para seu pensamento; e o que a Mensagem da hora é, para Sua Palavra. Esta é a diferença. Assentar ali e pensar sobre isto por um tempo.

96 – Nenhuma dúvida, Satanás ficou sobre um de seus ombros. Ele disse, “Você sabe o que? Você está num ponto muito bom, assentado aqui em cima tirando ferpas de suas mãos. E com sua melhor veste, e toda suja de lixo. E agora seu nome será publicado por toda a cidade, as caçoadas estarão todas sobre você, porque veja que coisa irrefletida você tem feito, assentado aqui”.

97 – Vejam, Satanás, quando você dá uma partida, então ele tentará dizer-lhe, “Você cometeu um erro”.

98 – Lá ele assentou, naquela condição! Ele disse, Bem, Rebeca disse que Ele era um Profeta. Eu Lhe darei uma provação. Eu verei se Ele é um Profeta”. Agora ele disse, “Quando Ele vier por aqui, eu me camuflarei, e Ele nunca saberá que estou aqui em cima. Primeiro, eu darei uma olhada Nele. E então quando eu O vir, então eu vou pular desta árvore, e então descerei lá e lhe direi”. Agora disse, “Agora, se Ele – se Ele for um Profeta, assim mesmo, como Rebeca disse que Ele era, Ele deve saber que eu estava nesta árvore, se for verdade. Assim eu lhe direi, eu encarregarei Dele”, assim ele puxou todas as folhas ao seu redor e disfarçou-se, todo, assim ele não poderia ser visto; e deixou uma folha, para olhar para fora, você sabe, para vê-Lo logo que Ele dobrasse a esquina.

99 – E então assentado lá, pensando tudo isto. Após um tempo, ele ouviu um barulho na esquina.

100 – Isto é estranho, onde quer que ele esteja, há sempre muito barulho. Você sabe, barulho é um sinal de vida. Vêem? Recordam do sumo sacerdote, quando ele se vestia e entrava no Santo dos santos, no fim de sua veste ele tinha uma romã e uma campainha, e aquele barulho no Santo dos santos era a única maneira que os serventes sabiam que ele estava vivo ou não. Isto fazia um barulho. E onde não existe nenhum barulho, então, oh, ele pode estar morto. Bem, eu acho que isto é o que acontece com nossas igrejas, hoje não há muito barulho a respeito dela, não há suficiente entusiasmo, não há algo suficiente. E assim, onde Jesus está, existe sempre um barulho.

101 – Uma vez, quando Ele entrava em Jerusalém, eles estavam clamando e gritando, e, “Hosana ao Rei que vem em Nome do Senhor!”

102 – E alguns destes sacerdotes que estavam por ali, disseram, “Ora, faça-os ficar quietos, calados”.

103 – Ele disse, “Se eles se calarem, as pedras clamarão”. Alguma coisa tem que mover-se quando Ele está por perto. Observem. E, então, aqueles que creram Nele.

104 – E então ele ouviu este barulho vindo da esquina, e gritando e prosseguindo. Então ele pensou, “Bem, Ele deve estar se aproximando”. Assim ele puxou sua folha para cima, e levantou para olhar por cima. “Agora eu O peguei todo. Nós observaremos quão Profeta Ele é”. Então quando ele estava assentado lá, com sua folha levantada, olhando; e – e em cima nesta árvore, acima de suas cabeças, onde eles passariam debaixo da árvore.

105 – Então quando ele observou o primeiro homem vindo na esquina, deve ter sido o apóstolo, Pedro, pois ele era uma espécie de homem grande, forte, robusto. Eu posso vê-lo puxando a multidão para trás, dizendo, “Amigos, sinto muito. Nosso Mestre teve um grande culto na noite passada, muita virtude saiu Dele. Todos vocês entenderão. Poderiam apenas ficar ao lado de tal modo que o Mestre possa passar? Por favor façam isto”. E aqui vem Mateus, Marcos, e eles, ao longo, dizendo, “Agora nós – nós não queremos ser rudes; nós não estamos aqui para tal propósito. Porém nosso Mestre está terrivelmente cansado, e Ele não tomou Seu café da manhã, então nós – nós… Nós queremos que vocês fiquem de lado, se puderem”.

106 – Havia um – um homem de pé lá, que talvez Zaqueu tenha lhe dado uma olhadela.

107 – Uns poucos dias antes disto, numa das reuniões num lugar de negócio, um – um doutor tinha estado lá, e disse este sujeitinho que tinha garotinha que se achava muito enferma de uma febre, e ela não ia viver se alguma… Ele tinha feito tudo que ele podia por ela.

108 – E Zaqueu, quando levantou sua folha, e olhou, ele viu este homem, com esta criança enrolada numa manta, vindo na esquina. Ele pensou, “Que coisa ridícula aquele pai faria, tentando seguir aquele – aquele assim chamado Profeta! Aqui vem ele na esquina com sua criança, e ela com febre, e exposta e este vento”.

109 – Mas, você sabe, exatamente como Zaqueu, quando você realmente crê, nada existe que esconda você, você.

110 – E ela queria levar aquela criança à Ele. E todas as vezes que eles faziam uma – uma esquina, ou uma mudança, ele era empurrado para trás. Mas, ele – ele era persistente, ele continuava. Finalmente, nesta esquina, a pequena mãe correu com a criança em seus braços, e ela deve ter caído, e ela disse, “Senhor, tenha misericórdia de minha criança”. E lá estava o pai da criança, chorando, também, o qual era um amigo de Zaqueu.

Ele disse, “O que mudou sua atitude?”

111 – Então ele não pôde provar Quem o Homem era, ainda, Ele estava na multidão. De repente, ele vê uma mão se estender e tocar, sobre a ponta deste cobertorzinho. E a garotinha ficou desembrulhada, e foi pulando rua abaixo.

“Agora deve ter havido alguma coisa para aquilo”, disse Zaqueu.

112 – Finalmente, Ele vem à vista. E uma olhada Nele, Zaqueu tinha mudado sua opinião. Apenas uma olhada rápida Nele! Lá estava Ele. Ele não parecia como homem. Havia algo diferente Nele. Humilde, gentil, amável; e ainda, parecia como, se Ele falasse, o mundo viria a um fim. Ele era um caráter diferente do que ele tinha pensado. Sua atitude começou a … Toda sua formalidade começou a sair quando ele O viu. Ele vem andando pela rua. Ele pensou; sobre esta folhinha, olhando, para ver o que acontecia. E enquanto Ele andava, Ele chegou exatamente debaixo de onde ele estava.

113 – E ele disse, “Você sabe, este Homem poderia ser um Profeta. Talvez Rebeca esteja certa. Ela pode ter um conhecimento maior acerca das Escrituras do que eu tive”. Assim Ele caminha adiante, com Sua cabeça baixa, caminhando ao longo, humilde, gentil, como Ele sempre foi. E os discípulos mantendo o povo fora de Seu caminho.

114 – E assim que Ele chegou bem debaixo da árvore, Ele parou. Zaqueu, olhando por cima da folha, algo assim. Ele olhou para cima na árvore, disse, “Zaqueu, desça”.

115 – Não somente Ele sabia que ele era – ele estava em cima na árvore, mas Ele sabia que seu nome era Zaqueu. Ele teve muito menos trabalho em descer da árvore, do que teve para subir. Ele o conheceu; o milagre foi feito sobre ele. Vêem?

116 – Ele disse, “Senhor, eu estou errado. Eu estou pronto para confessar que estou errado. Se eu tenho feito alguma coisa, que está errada, eu – eu pagarei de volta. Eu darei metade de meus bens aos pobres”.

Jesus disse, “Hoje, a salvação tem vindo à sua casa”.

117 – O que o mudou? Qual foi a mudança, irmão e irmã? Pensem apenas por um momento. A mudança foi, ele tinha visto Algo real.

118 – Ele tinha ouvido todas as promessas que tinham sido feitas, o sacerdote falando acerca do que era, grande profeta Moisés, grande isto, aquilo, ou aquilo outro, prometendo algo grande no futuro, porém ignorando o que está sendo feito agora. Esta é a maneira do homem.

119 – Ele viu algo genuíno, algo que ele podia ver, ele próprio. O milagre tinha acontecido à ele. Ele era aquele Profeta. Porque, Ele não o conhecia, nem mesmo Ele o tinha visto subir na árvore. Mas quando Ele chegou bem debaixo da árvore, Ele parou e olhou, e disse, “Zaqueu, desça. Hoje a salvação veio à sua casa”.

120 – Irmãos, é a coisa real que muda a mente do homem, muda sua atitude. Às vezes isto é uma pressão, claramente, para chegar a Isto. Porém se você for se aproximar de Cristo, esta manhã, com – com o – o pensamento em seu coração, que, “Eu não serei crítico, mas eu estudarei a Escritura e verei o que ele foi”.

121 – Se Ele vier à reunião, esta noite; antes de você vir, estude e veja o que Ele foi. Seja lá o que Ele foi, Ele tem que ser o mesmo hoje. Seu… Como eu falava a noite passada, se muitos de vocês estavam lá, vejam. Identifica Deus a Si Mesmo por Sua característica? Ele sempre deve permanecer daquela maneira, porque Ele é o mesmo ontem, hoje, e eternamente. Os corações dos homens são – são tão… Um – um verdadeiro homem ou mulher temente a Deus, homem de negócio, ou seja lá o que for, ele é sempre… existe algo em seu coração, se houver qualquer temor de Deus a seu respeito, para saber alguma coisa a respeito de Deus.

122 – Dizer, eu jamais lhes contei o que aconteceu a Zaqueu. Ele tornou-se um membro da Associação dos Homens de Negócio do Evangelho Completo, em Jericó. Vejam, eu quero lhes contar sobre ele, primeiro, vê você. Oh, claro, ele não seria nada senão Evangelho completo, claro que não. Aquilo foi tudo que Jesus pregou. Assim ele se tornou um membro lá. E você deve ser um membro do mesmo. Agora observem.

123 – Porém ele queria ver algo real. E quando ele viu algo real, ele mesmo, que estava Escrituristicamente identificado, então ele estava pronto. São as coisas reais que ajustam.


AMOR DIVINO
William M. Branham
26 de agosto de 1956
Jeffersonville ­ Indiana – U.S.A.

113 – Outro dia… Posso parar só um momento outra vez? Outro dia, a pequena Sara ficou doente. Quando saiamos de viagem, oh, estava tão quente. E toda a noite eu tinha ficado de pé pregando, cerca de duas horas de sono; representantes de todas as diferentes partes do mundo; tinha que me encontrar com este, aquele, orando, pregando três vezes ao dia. Oh, exausto! Eu estava apenas indo… E então sai, e tive que esperar. E então dirigi algumas milhas fora da cidade. E eu estava com tanto sono, mesmo cedo de manhã, até eu ter que deitar, ao lado da estrada e dormir. Um pouco, em poucos minutos, levantei e comecei novamente. Eu simplesmente não conseguia manter meus olhos abertos, tentando continuar à força, para chegar até esta mulher. Através dos desertos quentes e ardentes do Nebraska, passando por ali.

114 – E eu pensei, “Oh, que coisa!” A pequena Sara simplesmente com náuseas. A pobrezinha estava doente, a noite toda. Na manhã seguinte, ela estava tão doente, que simplesmente tivemos que parar o carro. Seu rosto estava branco. E, então, eu estava tão cansado e exausto, eu pensei: “Ó Deus! Oh, a situação é terrível. Deus, veja aqui, eu — eu não posso dirigir; estou tão cansado. E eu tenho estado com o Teu povo, tentando fazer o melhor que pude, e a pequena Sara está tão doente.” Onde fomos…

115 – E eu fui até ali e coloquei minhas mãos sobre ela. Eu disse: “Querido Pai Celestial, Tu me deste esta criança; ela é Tua. Eu apenas a criei. Eu coloquei minhas mãos sobre ela.” Algo começou a mover lá embaixo no meu coração. Aquilo fez ela parar de vomitar. E ela não vomitou mais nem uma vez, desde aquele dia.

116 – No segundo dia, Becky começou, muito doente, como que um vírus, e vomitando, a pobrezinha vomitou a noite toda. No dia seguinte, Meda disse: “Compraremos Pepto-Bismol”. Colocou umas duas colheres e lhe deu. A pobrezinha simplesmente vomitou aquilo imediatamente.

117 – Entramos nas montanhas Tetons. Quando saíamos a região quente, começamos a subir, queria ver as lindas montanhas. Ela não conseguia; ela estava tão doente. Eu disse: “Querida, olhe aqui. Eu quero levar… Disse, “O papai quer tirar a sua foto, para que você possa ver a montanha ali.”

118 – Ela disse: “Ah, papai, eu sinto como se estivesse morrendo.” E então nós lhe demos outro Pepto-Bismol.

Fizemos uma oração, naquela manhã, disse: “Senhor, tenha misericórdia.”

119 – E — e, oh, aquilo não fez nenhum bem. Então, subimos ali, e eu a fiz sair para fora. Eu disse, “Querida, pegue um ar fresco.” Estava frio. Ela estava usando uma pequena jaqueta. A neve estava por ali no chão. Então eu saí, e ela estava tentando a… Ela disse: “Sim, papai.” Vá… [O irmão Branham faz um barulho para imitar a Receba – Ed.] e a saliva corria de sua boquinha. Eu olhei, e seus olhinhos direcionados no fundo. E sua boquinha, salivando o mais que podia estar.

120 – Aproximei. Olhei para cima em direção às montanhas. Eu disse: “Olho para os montes: de onde virá meu socorro? Meu socorro vem do Senhor.”

121 – De repente, Algo começou a acontecer, lá dentro de mim. Oh, eu gostaria de poder ter isto o tempo todo. Eu me aproximei ao lado do carro, abri a porta. Eu disse: “Olhe aqui para o papai, querida.” Oh, que coisa! Aquilo cortou o vômito para sempre. Dali a cinco minutos ela estava correndo ao redor, brincando com Sara.

122 – O que é isto? Quando o amor Divino é projetado, a graça soberana toma o seu lugar. Ela tem que fazê-lo.

123 – Descendo a rua naquela manhã, andando em Memphis; de volta a minha história. Eu estava descendo a rua, em Memphis, e cantando para o Senhor, e de repente, Algo disse: “Pare.” E eu parei. De repente, Aquilo disse: “Vire e volte pelo outro lado.” Bem, aquilo era em direção ao rio.

124 – Eu pensei: “Oh, que coisa.” Eu andei um pouquinho mais adiante. Pensei: “Bem, aquilo era apenas algo que eu só…” Você sabe, você tica impressionado, você sabe, muitas vezes. E, várias vezes, as pessoas cometem enganos seguindo os sentimentos em vez da liderança Divina. Então comecei a andar, pensei, “Aquilo foi só o que senti.” E, oh, quanto mais eu andava, pior ia ticando. Eu andei, subi em um pequeno lugar ao lado, olhei ao redor. Haviam algumas coisas de pescaria ali no chão. Eu pensei que agiria como uma pessoa que estava passando, olhando as coisas de pesca. Onde cheguei, parece que todos haviam deixado a rua, aquele grupo de onde a luz virava. Eu disse: “Bondoso Pai Celestial, o que Tu desejas que eu faça? Foste Tu que moveste em meu coração? Eu sinto como se estivesse ardendo do lado de dentro, como se Algo estivesse jorrando.”

Algo disse, “Vire e volte.”

Eu disse, “Para onde?”

125 – Disse: “Vire e volte.” Não faz nenhuma diferença para onde. Apenas continue andando!

126 – Eu virei e comecei a andar de volta descendo a rua. Eu andei. Olhei para o meu relógio. Ele continuava me apressando. O tempo passava. Fui um pouco mais adiante, já passava da hora, sete e meia, segui; oito horas. Eu pensei, “Oh, que coisa, que coisa!” Eu realmente havia afastado para onde haviam casas coloridas, um punhado de velhas casas coloridas ali embaixo, lá longe. E eu estava andando por ali e o sol estava bem alto então, no começo da primavera, todas as nuvens haviam dissipado. EU pensei, “Bem, eu perdi meu… eu ­- eu perdi meu avião.” Mas, eu pensei, “Ó, Deus, eu… Tudo bem se eu perdi o avião, contanto que Tu… Para onde Tu estás me guiando, Senhor? Eu não sei para onde Tu estás me levando. Para onde estou indo?” Não é da minha conta; apenas segui andando. Simplesmente continuei.

127 – E, após um tempo, olhei. Inclinada em um portão, assim, ali havia uma típica velha tia Jemima [Senhora de cor chamada tia Jemima que aparece no rótulo de certo melaço de panqueca ­Trad.] inclinada no portão e suas grandes bochechas gordas; ali de pé, uma camisa amarrada ao redor de sua cabeça assim, e amarrada atrás. Eu estava andando assim. E me aproximei dela, as lágrimas corriam através de suas gordas bochechas assim. Ela olhou para mim, disse, “Bom dia, pastor.”

Eu disse, “Senhora,” disse, “bom dia.”

128 – Ela como que sorriu e olhou para mim, lágrimas em seus olhos. Eu pensei, “Ela me chamou de, “pastor”.” É assim que chamam um pregador lá no Sul, você sabe.

E eu disse: “Como você sabia que sou um pastor?”

Ela disse, “Eu sabia que o senhor estava vindo.”

O quê?

Disse: “Eu sabia que o senhor ia chegar.”

Eu disse, “Eu não entendo, tia. Poderia me dizer?”

129 – Ela disse, “Sabe, você já leu aquela história sobre a mulher Sunamita que não tinha nenhum filho, e ela pediu ao Senhor para lhe dar um filho?” E disse, “E Elias chegou e a abençoou, e ela teve um filho?”

Eu disse: “Sim, senhora. Eu recordo disto.”

130 – Ela disse, “Eu sou um tipo de mulher assim.” Disse: “Eu não tive nenhum filho. E eu orei ao Senhor, e disse ao Senhor se Ele me abençoasse e me desse um filho, então eu o criaria para Ele.” E disse: “Ele me deu um filho.” E disse: “Eu lavava na tábua de bater roupa.” um pequeno abrigo ali ao lado. Disse: “Eu lavei na tábua de lavar roupas para criar este filho.” E ela disse: “Quando ele cresceu, pastor, ele — ele tomou o caminho errado. E ele disse que saiu com a companhia errada, e ele está deitado aqui, morrendo.”

131 – E disse, “O médico veio aqui, antes de ontem, quando ele ficou inconsciente, e disseram que não podiam fazer mais nada por ele. Eles lhe deram meia zero meia, prata, e tudo mais, mercúrio, penicilina; nada. Doença venéria, sífilis, acham que a válvula do seu coração está afetada.”

132 – E disse: “Não há nada que pode ser feito por ele.” E disse: “Ele está aqui deitado morrendo. E disse: ‘Ó Senhor, eu não gostaria de ver o meu filho morrer assim.’” E disse: “Eu — eu… Se eu pudesse apenas ouvi-lo dizer que ele estava salvo.” E disse: “Eu orei, e orei, por duas noites.”

133 – Disse: “Hoje de madrugada, por volta das três horas,” disse: “o Senhor me fez dormir, ajoelhada.” Disse: “eu tive um sonho.” Disse: “Eu vi um homem se aproximando com um temo claro, usando um pequeno chapéu meio do oeste colocado de lado em sua cabeça. Eu disse, ‘Senhor, eu sou a mulher, mas onde está o Teu Elias?’ Disse: “Aqui vem ele.”

134 – Disse: “Eu sai imediatamente daquela cama, e estou aqui de pé desde então, esperando por você.” Aquela era a forma que eu estava vestido, exatamente.

135 – Oh irmão, quando o amor Divino é projetado, aquela mãe com seu filho, sim, de cento e oitenta libras, mas ele continuava sendo o seu filho, deitado, morrendo na desgraça. Não importava quão infame fosse ele, ele era o seu filho. Ela o amava. Esse é o amor de mãe. Não importava quanta desgraça ele havia trazido, ela continuava amando-o.

136 – E se você não pode esquecer o seu filho, não importa o que ele tenha feito, então como poderia Deus te esquecer? Ele disse: “Seus nomes estão gravados nas palmas de Minha mão. Uma mãe pode esquecer seu bebê do peito, mas Eu nunca te esquecerei.” Não importa o que você tenha feito, a que distância você se afastou, no que se meteu, Deus ainda te ama. Deus te ama. Mantenha aquele amor se movendo. Não o deixe falhar.

137 – Então ela suspirou. Ela disse: “Oh, eu simplesmente não pude fazê-lo.” E ela disse, “Pastor, eu tive um sonho, e eu te vi se aproximando.” E disse: “Quando olhei para a rua, e vi aquele pequeno terno claro, e aquele chapeuzinho do lado da sua cabeça,” disse: “O Espírito me disse: ‘Aí está ele.’” E disse: “Não quer entrar?”

138 – Eu pensei: “Oh, Deus,” eu pensei: “talvez seja isto para onde Tu me guiaste, esta é a razão pela qual eu estava suposto a vir.” Eu não sabia.

139 – Eu abri o portão. Ele tinha uma corrente e a ponta de uma relha nela. Eu não sei se vocês já viram uma, ou não. Eu abri a velha portinha e entrei.

140 – Irmão, eu já estive em palácios de reis; Eu já estive nas casas mais ricas que existem no mundo. Já fui em algumas de multimilionários, que valem vinte… mais de vinte e oito milhões de dólares. Já andei em seus tapetes, quando era, de chenille de um lado ao outro, onde eu poderia deitar e dormir comodamente no simples tapete, sendo uma casa fascinante.

141 – Mas ali não havia nem mesmo um só tapete no chão. E uma velha caminha de ferro colocada ali; um cobertorzinho comum puxado por cima daquele garoto. Havia uma tabuleta na porta: “Deus abençoe nossa casa.” Eu sabia que eu estava diante de um lar cristão. Eu sabia que eu estava em algum lugar onde a oração era feita. Sem nenhum pôster de mulheres nuas na parede, nenhuma foto vulgar; mas a Bíblia aberta em uma pequena mesa velha com a pedra de mármore em cima, colocada ali.

142 – E um garotão deitado ali na cama, com o cobertor na sua mão, fazendo, “Uuuh! Uuuh!”

143 – Eu pensei: “Oh, que coisa.” Peguei nos seus pés; estavam pegajosos e frios. A morte estava sobre o rapaz.

E ele continuava dizendo: “Oh, está tão escuro! Está tão escuro!”

E eu disse: “De que ele está falando?”

144 – Ela disse: “Pastor,” disse, “ele tem pensado, por muitos dias agora, que ele está no meio de um grande mar, perdido.” Disse: “Ele não sabe para onde está indo.” E disse: “Isto é o que está ferindo o meu coração.’” Disse: “Ele está indo embora, e ele está perdido, no meio do mar, e ele não sabe para onde está indo.” Disse: “Pastor, eu tenho orado. Tenho feito tudo. Eu tenho feito tudo. Eu não o quero que ele fique perdido, pastor.” E disse: “Isto foi quando estava orando.”

Eu disse: “Tia, qual o problema com o rapaz?”

145 – Ela disse: “É uma doença venérea. O médico afirmou que ele estava morrendo, nada mais pode ser feito.” E disse: “Ele está inconsciente. Ele está perdido no mar por dois dias.”

Ela disse: “Você vai orar por ele?”

145 – Eu disse: “Tia, o meu nome é Branham. Você já ouviu falar a meu respeito?”

Ela disse: “Não, senhor. Eu acho que não, pastor.”

147 – Eu disse: “Bem, eu vou te contar uma história.” Eu disse: “O meu ministério é orar pelos enfermos.”

Ela disse, “É?”

148 Eu disse: “Sim.” E eu disse, contei-lhe sobre o avião descendo, e tudo.

Ela disse, “Isto é verdade, pastor?”

Eu disse, “Sim.”

Ela disse, “Bem, eu sabia que Ele não me deixaria decepcionada.”

Eu disse: “Faça uma oração, tia.”

149 – E ela se ajoelhou ali, mas que oração! Oh, irmão, como aquela velha santa podia se agarrar em Deus. Ali ela orou, até as lágrimas rolarem de seus olhos.

Eu olhei para Cima. E ele continuava fazendo, “Uuuh!”

E eu disse: “Agora, tia, eu vou orar. A senhora juntamente comigo.”

151 – Coloquei minhas mãos sobre os seus pés. Eu disse: “Pai Celestial, meu avião já partiu, até onde eu sei. E aqui está esta pobre velha mãe chorando por seu filho. E até onde eu sei, foi para este lugar que Tu me dirigiste. Eu oro para que Tu tenhas misericórdia dele.”

151 – E mais ou menos naquele instante, eu o ouvi dizer, “Mamãe, ó mamãe!”

152 – E levantou e enxugou as lágrimas de seus olhos, ela disse: “Sim, querido. O filhinho da mamãe está se sentindo melhor?” Começou a acariciá-lo na cabeça.

153 – Ele disse: “Mamãe, o quarto está ficando claro. O quarto está clareando.”

154 – O amor soberano! Quando o amor Divino foi projetado no coração de Deus, a graça soberana teve que responder no seu lugar. Quando penso, que uma pobre mãe ali, segurando na sua oração a Deus, e tudo isto! E então o que aconteceu? Deus, através de Sua graça; Deus, na Sua misericórdia, traria um avião lá do céu e o seguraria no chão, para responder a oração de uma pobre, iletrada mulher de cor, quando o amor Divino foi projetado. Não importava o quão pobre ela fosse, quão negra ela fosse, quão amarela ela fosse, seja lá o que ela fosse; quando a graça Divina é projetada, a graça soberana tem que tomar o seu lugar. O amor daquela velha mãe ali, como ela clamou!

155 – E o rapaz, um pouco… Cerca de dois anos após aquilo, eu desci, eu estava em um trem descendo. Eu saí, e subi até ali para comer um hambúrguer. Eles estavam pedindo cerca de setenta ou oitenta centavos por um, no avião, e eu… no trem. E eu podia comprá-lo por cerca de vinte centavos em um pequeno lanche. Eu desci do trem, comecei a caminhar. Havia um carregador de quepe vermelho que disse:

“Olá, pastor Branham!”

Eu olhei em volta. Disse: “Bom dia, filho.”

“Bem”, disse, “Não se lembra de mim?”

Eu disse: “Não, eu creio que não.”

156 – Disse: “Você recorda, há cerca de dois anos atrás, quando o senhor desceu e orou por mim? E minha mãe ali?”

Eu disse, “Você é aquele rapaz?”

157 – Disse: “Sim, senhor, pastor Branham.” Disse: “Estou completamente curado. Mas estou salvo agora. Eu sou um cristão.”

158 – A graça soberana! Sim, senhor, irmão! Estou lhe dizendo, quando a graça… Quando Deus vê amor projetado, a graça tem que tomar o seu lugar.

159 – Há poucas semanas atrás, na minha casa, vocês recordam disto; muitos de vocês, bem, quando aquela velha gambá estava deitada ali. Quando, esta jovem aqui embaixo havia afogado seu filhinho. E quando Deus lhe deu um filhinho e ela não queria criá-lo, e ela o enrolou em um cobertor e o jogou ali e o afogou no rio. Eu disse: “Isto não é uma mãe. Ela é mais baixa que um cão. Um animal não faria isto.”

160 – E se o soberano amor de Deus pôde ser projetado a um animal, o quanto mais pode ser ele projetado a um homem ou a uma mulher? Correto.

161 – E esta velha mãe gambá subindo a viela, você conhece a história. E como ela entrou e deitou ali nas minhas escadas, por vinte e quatro horas, eu não sabia nada sobre isto.

162 – O irmão Woods e os outros assentados ali atrás, e a irmã Woods, com misericórdia pela coisa, disse: “Irmão, por que você a deixa sofrer? E aqueles pobres filhotinhos de gambá bebendo aquele velho leite dela; ela deitada ali, morta?” Disse, “Por que você não os mata, irmão Branham, ou acaba com a velha mãe?” Ela estava quase morta. Ela estava… Você podia cutucá-la, e ela… ela não se movia.

E, ali, ela ficou deitada a noite toda.

163 – E no dia seguinte, a pequena Becky aí, ela saiu, ela disse: “Papai?” Bem, na manhã seguinte, quando o dia clareou, ela disse, “O que você vai fazer com a velha gambá, papai?” Disse, “Eu pensei nela a noite toda.”

164 – E eu disse: “Eu também, Becky.” Eu entrei no quarto. Eu disse, “Volte e vá para a cama, querida. Está muito cedo para você levantar.”

165 – Eu me assentei ali em minha sala de estudos. Eu pensei: “Bem,…?…”  Pensei: “Eu terei que fazer algo com aquela velha gambá. Eu não sei o que fazer.”

166 – Então ouvi uma Voz, tanto que eu não estava nem mesmo esperando por Ela.

167 – Bem ali, quando vieram as maçãs naquela manhã, para o irmão Hall, quando ele foi curado, de câncer. Ali onde os enfermos e aflitos eram curados. Eu estava assentado na sala de estudos.

168 – Eu ouvi uma Voz dizer: “Eu a enviei para você. Ela está deitada como uma dama, por vinte e quatro horas, esperando receber uma oração. E você não disse uma só palavra a Mim sobre ela.”

169 – Eu disse: “Bem, eu nem mesmo sabia disto.” Eu disse: “Bem, Tu queres dizer que enviaste aquela gambá aqui?”

170 – Eu pensei: “Qual o problema comigo? Estou falando comigo mesmo?” Eu me peguei conversando comigo.

171 – Eu saí ali fora, a pequena Becky continuava olhando através da porta. Eu cheguei até ali. Aquela velha gambá ali; e estava toda coberta de orvalho e tudo mais. Eu disse: “Pai Celestial, se Tu enviaste esta pobre gambá ignorante, se Tu a enviaste aqui, de algum modo, coloque em meu coração um amor por ela, sendo uma mãe, pois eu não poderia matá-la; não poderia matar os seus filhotinhos. E a graça soberana, para ensinar ao restante das pessoas, para que possam saber, a trouxe aqui. E, Deus, eu oro no Nome de Cristo, que Tu a cures.”

172 – E aquela velha gambá, com suas pernas tão cheias de larvas, e arrastando-a tanto, duas vezes inchada; se levantou naquela perna. E colocou aqueles filhotes na sua bolsa, saiu andando dali tão normal como qualquer animal que você vê andando. Virou para mim; como se fosse virar para dizer: “Obrigado, bondoso senhor.” Até onde eu sei, ela está bastante feliz com seus filhotes hoje.

173 – Por que? Quando o amor Divino ê projetado, a graça soberana toma O seu lugar. Meu, irmão, irmã, há somente uma coisa a fazer na sua vida, isto é, “Amar o Senhor teu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua força, com toda a sua mente,” e você crer que cada Palavra que Ele disse: é a Verdade. E quando você chega no fim da sua caminhada, onde você não poderá ir mais adiante, então a divina graça soberana será projetada.

174 – Como poderia falar com ela, deitada ali, quando os irmãos Mayo me haviam desenganado, assentado do outro lado da varanda ali, com o irmão Cox assentado ao meu lado, querendo saber o que estava acontecendo. Eu não podia nem mesmo suportar isto mais isso. Mas disse…

tabernaculo-4 - Copia

Posted in Matérias do Profeta.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...