Uma Via de Escape


O diabo é um adversário poderoso e um inimigo astuto. Ele nem sempre vem como uma corrente de águas, mas às vezes se esgueira, pouco a pouco, e antes que percebamos, ele está causando um estrangulamento em nossa vida.

O medo, a ansiedade e especialmente o nervosismo, sempre estiveram entre as táticas mais usadas pelo inimigo. O irmão Branham parecia encontrar esse demônio durante cada fila de oração. Esta jovem irmã reconheceu as ciladas do diabo, e puxou sua espada para se levantar contra ele. Onde ela encontrou sua cura? Na Palavra! Logo ela percebeu que seu opressor tinha desaparecido, e Deus tinha aberto uma via de escape.

A vida toda sofri de muitos distúrbios de ansiedade; da ansiedade de separação, da ansiedade de ser insegura, de ser antissocial; qualquer tipo de ansiedade em que se possa pensar, eu provavelmente já tive. Sempre fui uma pessoa nervosa, apesar de todos dizerem que eu só era tímida. Mas quando conhecia pessoas tímidas, mais tarde eu as via conversando com as pessoas e desfrutando de momentos alegres. Observando-as, pensei comigo mesmo que nunca poderia fazer isso porque era muito nervosa.

Eu nunca me aproximava das pessoas e conversava com elas, mesmo que no fundo quisesse. Ficar perto das pessoas me assustava. Eu sempre me perguntava, como criança, e até em minha adolescência, o que havia de errado comigo. Eu não era como crianças da minha idade, pelo menos não me sentia mentalmente equiparada a elas. Eu me sentia limitada e impedida de avançar, e não entendia por quê. Por que eu era tão diferente? Quando completei treze anos, notei que minha mãe tinha, como eu, algumas ansiedades. Nenhuma de nós sabia o que estava nos fazendo sentir daquela maneira, nem mesmo sabíamos como isso se chamava! Só sabíamos que éramos diferentes e não normais. Depois de um tempo, meses depois, notei que comecei a ter pensamentos na minha cabeça, depois que meus pais voltaram da Geórgia para pegar um cortador de grama para o meu avô, o pai do meu pai. Minha avó ficou comigo e meus dois irmãos mais novos durante o fim de semana enquanto nossos pais estavam fora. Comecei a ter pensamentos estranhos que nunca tive antes, tais como: “E se acontecer alguma coisa com eles?” ou, “e se eles sofrerem um acidente de carro?” Então, na noite em que meus pais voltaram para casa da Geórgia, não consegui dormir. Eu continuava a ter pensamentos na minha cabeça. Agora que me lembro, sinto-me ridícula. Pensar que meus pais iam sufocar durante o sono, estava passando dos limites. Uma pessoa normal pensaria que eu estava louca, mas esse era o pensamento que estava invadindo a minha cabeça. O diabo é astuto e é realmente bom em mentir e fazer as pessoas, os filhos de Deus, acreditarem. Eu chorava porque tinha muito medo de ir dormir. Eu não queria acordar e descobrir que meus pais tinham sufocado, mesmo que fosse uma mentira do diabo.

Depois de lidar com isso por meses, de ter pensamentos me torturando, eu lentamente estava ficando com medo de ficar em casa sozinha, mesmo tendo meus irmãos. Se minha mãe tivesse de sair para pagar uma conta ficando, alguns minutos apenas fora de casa, eu entrava em pânico e ficava sentada perto da janela observando o relógio até ela voltar. Eu gritava com meus irmãos se eles falassem alto demais. Qualquer ruído alto me agitava e me deixava mais assustada. Mas uma vez que via minha mãe dobrar a esquina, eu ficava aliviada e então seguia meu caminho como se nada tivesse acontecido. Eu me sentia estúpida por me sentir assim, mas era exatamente assim. Este problema continuou por mais quatro ou cinco anos da minha vida. Eu tinha lidado com isso desde que tinha doze anos, e estava começando a me consumir. Eu não suportava ficar vendo crianças da minha idade, ou amigos que conseguiam ficar em casa sozinhos enquanto os pais saíam no fim de semana ou para realizar certas incumbências. Isso me incomodava, porque eu não conseguia ser normal.

Depois de quatro anos, meus pais marcaram um encontro com o irmão Billy para conversar com ele sobre meu horrendo problema. Nós conversamos sobre isso, ele orou comigo, e me deu algumas citações que eu gostaria de compartilhar com vocês. Ele disse:

“Ontem Ele me ajudou, hoje Ele fará o mesmo. Por quanto tempo isso continuará? Para sempre, louvado seja o Seu nome.”

Ele também disse: “Estou melhor hoje do que estava ontem, e estarei melhor amanhã do que estou hoje,” mas minha citação favorita foi:

“Se Ele o trouxer a isso, Ele o levará através disso.” E isso Ele tem feito.

Alguns meses mais tarde, minha família e eu nos sentamos em nossa casa para ter um culto de quarta-feira. Meu pai decidiu tocar a fita “A Maior Batalha Já Pelejada.” Todo mundo com quem eu conversava sobre a minha ansiedade me dizia que essa era a fita que devia ouvir, mas o diabo me mantinha ocupada, como nos mantém a todos, e eu esquecia, mas acho que eu estava destinada a ouvir aquela quarta-feira à noite. Realmente gostei da fita e tomei tudo para mim. Senti como se tudo se encaixasse em mim e se aplicasse a mim.

Então, depois de alguns meses, depois de orar e orar e testemunhar às pessoas que eu estava curada, embora ainda tivesse aqueles pensamentos, acordei uma manhã e foi um milagre! Eu não tive mais aqueles pensamentos! Estava normal! Se minha mãe tinha que realizar uma incumbência, eu a deixava ir sem entrar em pânico! Era uma sensação tão agradável! Finalmente eu estava livre! Contei acerca disso a todos que eu conhecia porque Deus tinha me curado! Hoje ainda agradeço a Deus por me curar. Nunca fui tão feliz em toda a vida por estar livre de algo tão assustador, tão atormentador, tão controlador. Toda vez que o diabo tentava colocar um pensamento em minha mente, eu lhe dizia: “Louvado seja Deus, estou curada!” E ele ia embora!

Deus realmente faz milagres!

Que Deus maravilhoso nós temos!

Irmã Lillie

Fonte: Voice of God Recordings

gravações a voz de Deus

Posted in Testemunhos.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...