ELIAS, O TISBITA


Elias: Significa “o Senhor é o meu Deus”, “Jeová é meu Deus”.

ELIAS – Esse é um nome composto por dois nomes relacionados a Deus, EL e IAS – El significa o Poderoso e IAS ou IAH é uma abreviação de YAWEH – O Deus Eterno. Portanto, Elias é um nome que significa o Deus eterno e todo-poderoso.

Tem origem no hebraico AliyyáhElijah, a partir do grego Elias, deriva do elemento El, que quer dizer “Senhor, Jeová, Deus” e significa “o Senhor é o meu Deus, Joevá é o meu Deus”.

Elias é nome de um personagem bíblico mencionado no Antigo Testamento como um profeta hebreu do século IX a.C. que tem suas história contada nos livros de I e II Reis e é conhecido por ter subido ao Céu numa carruagem de fogo.

O nome passou a ter um uso geral na Inglaterra durante a Idade Média, principalmente sob a forma Elis. Caiu em desuso no século XVI e depois foi revivido pelos puritanos ingleses como Elias após a Reforma Protestante, perdendo uma pouco da sua força no século XIX.

Além do português, o nome Elias é utilizado desta mesma forma em alemão, grego, norueguês, dinamarquês, finlandês, inglês e sueco.

  1. Tisbita

Por Dicionário inFormal (SP) em 11-07-2010

Pessoa do antigo testamento que o povo consultava em suas doenças e problemas, conselheiro espiritual com poderes de curas, profeta, homem que recebe revelações de Deus.

  1. Tisbita

Por PEREGRINO (AL) em 12-01-2013

Elias, o profeta, foi assim designado (1Reis 17:1; 1Reis 21:17, 28, etc). Em 1Reis 17:1, a palavra traduzido por “moradores” é, no original, a mesma que é traduzida por “tisbita“. Por isso, este versículo pode ser lido da forma como vem na LXX: “Elias, o tisbita, de Tisbi, em Gileade”. Alguns interpretam esta palavra como significando “estrangeiro” e lêem o versículo da seguinte maneira: “Elias, o estrangeiro, de entre os estrangeiros de Gileade”. O profeta é designado desta forma porque, provavelmente, nasceu em Tisbi, uma cidade situada na Galileia Superior, de onde ele migrou para Gileade. Josefo, o historiador judeu, contudo, supõe que Tisbi se situava algures na terra de Gileade. Tem sido identificada com el-Ishtib, que se situa a cerca de 35 Kms a sul do Mar da Galiléia, entre as montanhas de Gileade.

Gileade

[provavelmente derivado de Galeede, que significa “Montão de Testemunho”]. — Gên 31:47, 48.

  1. Filho de Maquir e neto de Manassés; antepassado dos iezeritas e dos helequitas. — Núm 26:29, 30;27:1; Jos 17:1, 3; 1Cr 2:21, 23; 7:14-17.
  2. Gadita alistado na genealogia de Abiail. — 1Cr 5:11-14.
  3. Pai de Jefté. — Jz 11:1, 2.
  4. Termo geográfico empregado em vários sentidos na Bíblia. Em sentido estrito, Gileade indicava a região montanhosa cupular ao L do rio Jordão, que se estendia ao N e ao S do vale da torrente do Jaboque. (Jos 12:2) Ao N, confinava com Basã; ao S, com o planalto ao N do vale da torrente do Árnon; e ao L, com o território de Amom. (De 2:36, 37;3:8-10) No entanto, ocasionalmente, “Gileade” ou “a terra de Gileade” aplicava-se de modo geral a todo o território israelita ao L do Jordão, incluindo Basã e o planalto ao N do Árnon. — Jos 22:9; Jz 20:1, 2; 2Sa 2:9; 2Rs 10:32, 33; veja GALEEDE.

Evidentemente, pensava-se que Gileade se compunha de duas partes. Embora simplesmente chamado de Gileade, em Números 32:40, o território designado à meia tribo de Manassés é mais especificamente chamado de “o resto de Gileade” (De 3:13) ou a “metade de Gileade”. (Jos 13:31) De modo similar, em sentido mais específico, o território conjunto de Gade e de Rubem, ao S da região dada à meia tribo de Manassés, foi chamada de “metade da região montanhosa de Gileade”. (De 3:12) No entanto, esta mesma região, ocasionalmente, é também chamada apenas de Gileade, como é a parte dela designada a Gade (onde ficava a cidade de refúgio de Ramote). — Núm 32:29; Jos 13:24, 25; 21:38.

De pelo menos 210 m abaixo do nível do mar, no vale do Jordão, Gileade se eleva a mais de 1.000 m. Abençoada com abundante chuva no inverno e forte orvalho no verão, bem como por muitas fontes, esta região fértil antigamente tinha grandes florestas e era bem conhecida pelo seu bálsamo curativo. (Je 8:22; 46:11; veja BÁLSAMO, BÁLSAMO DE GILEADE.) Seus planaltos ondulantes eram ideais para a criação de gado e para o cultivo de cereais. Também uvas vicejavam em Gileade. — Núm 21:22; 32:1.

Eventos Históricos em Gileade. Pouco antes de os israelitas entrarem na Terra da Promessa, Síon, o rei amorreu, controlava a parte de Gileade ao S do vale da torrente do Jaboque, ao passo que Ogue, o rei de Basã, dominava a parte ao N. (Jos 12:1-4) Sob a liderança de Moisés, os israelitas derrotaram ambos esses reis, e as tribos de Gade e de Rubem, por causa do seu numeroso gado, pediram que esta região lhes fosse dada como herança. (Núm 21:21-24, 33-35; 32:1-5) Atendeu-se a sua solicitação, sob a condição de que os combatentes de ambas as tribos cruzassem o Jordão e ajudassem na conquista da Terra da Promessa. (Núm 32:20-24, 28-30) Eles concordaram em fazer isso, e reconstruíram imediatamente as cidades para as suas famílias, que deixariam para trás. (Núm 32:25-27, 31-38) A meia tribo de Manassés também recebeu uma herança ao L do Jordão. — Núm 32:33, 39, 40.

No caminho de volta para a sua herança em Gileade, os homens de Rubem, de Gade e da meia tribo de Manassés, construíram um altar como marco comemorativo de fidelidade a Jeová. (Jos 22:9, 10, 26-29) Mais tarde, participaram na ação tribal unida contra os benjamitas, por estes terem abrigado os transgressores de Gibeá para não serem levados à justiça. (Jz 20:1-48) Mas, em nítido contraste com isso, “Gileade” foi censurada por deixar de se juntar a Baraque na luta contra Sísera. (Jz 5:17) De modo similar, num período posterior, os homens de Sucote e de Penuel, duas cidades em Gileade, negaram-se a suprir Gideão e seus homens de alimentos, quando estes perseguiam os midianitas. — Jz 8:4-9.

Após a morte do juiz Jair, de Gileade, Israel retornou à idolatria, e seguiram-se então 18 anos de severa opressão por parte dos amonitas. Confrontados com esta ameaça, os homens de Gileade abandonaram a adoração falsa e apelaram para o gileadita Jefté, para que fosse seu comandante na luta contra Amom. Subseqüentemente, os amonitas foram subjugados. — Jz 10:3, 5-10; 11:4-11, 32, 33.

Anos mais tarde, porém, Gileade continuou a ter dificuldades com os amonitas. (Am 1:13) Pouco depois de Saul ter sido ungido como primeiro rei de Israel, Naás, o amonita, sitiou Jabes-Gileade e só aceitava a rendição da cidade sob a condição de que os homens consentissem em ter o olho direito furado. Ao saber disso, Saul ajuntou rapidamente um exército de 330.000 homens e derrotou os amonitas. (1Sa 11:1-11) Gileade parece ter entrado então num período de relativa segurança, que continuou mesmo depois da morte de Saul, conforme sugerido por Abner ter escolhido a cidade gileadita de Maanaim como lugar para fazer rei a Is-Bosete, filho de Saul. (2Sa 2:8, 9) Todavia, em algum tempo durante o reinado de Davi, surgiram novamente dificuldades com os amonitas. Gileade e sua vizinhança tornaram-se cenário de batalhas que por fim resultaram na subjugação total de Amom. — 2Sa 10:6-19; 11:1; 12:26-31.

Mais tarde, durante a rebelião de Absalão, o Rei Davi fugiu para Gileade, e, em Maanaim, foi acolhido bondosa e hospitaleiramente, em especial pelo idoso Barzilai. (2Sa 17:27-29; 19:32) Pelo visto, foi em Gileade que as forças de Davi e de Absalão travaram batalha. A significativa derrota de Absalão preparou o caminho para Davi deixar Gileade e retornar ao trono. — 2Sa 17:24; 18:6-8.

Não muito depois de se estabelecer o reino de dez tribos (997 AEC), os sírios anexaram algum território de Gileade. Ramote-Gileade, cidade de refúgio gadita, na parte oriental de Gileade, estava na mão dos sírios no tempo do Rei Acabe e do profeta gileadita Elias. (1Rs 17:1; 22:3) Daí, durante os reinados do Rei Jeú e de seu filho Jeoacaz, Gileade perdeu ainda mais território e sofreu um severo trilhamento às mãos dos reis sírios Hazael e de seu filho Ben-Hadade III. (2Rs 10:32-34; 13:1, 3, 7; Am 1:3, 4) Todavia, Jeoás, filho de Jeoacaz, derrotou os sírios três vezes e recuperou as cidades que Israel havia perdido para os sírios durante o reinado de seu pai. — 2Rs 13:25.

Por fim, nos dias do rei israelita Peca (c. 778-758 AEC), o rei assírio Tiglate-Pileser III levou os habitantes de Gileade ao exílio. (2Rs 15:29) Pelo visto, os amonitas aproveitaram-se prontamente desta situação e começaram a ocupar o território de Gileade. (Sal 83:4-8; Je 49:1-5) Jeová, porém, por meio dos seus profetas, assegurou que, com o tempo, os israelitas seriam novamente restabelecidos nesta região. — Je 50:19; Miq 7:14; Za 10:10.


ALIMENTO ESPIRITUAL EM SEU DEVIDO TEMPO
William M. Branham
18 de Julho de 1965
Tabernáculo Branham
Jeffersonville – Indiana – U.S.A.

12 – Agora em I Reis, capítulo 17, quero ler os primeiros sete versículos, o Senhor permitindo:

Então Elias, o Tisbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe: Vive o Senhor, Deus de Israel, perante cuja face estou, que nestes anos nem orvalho nem chuva haverá, senão segundo a minha palavra.

Depois veio a ele a palavra do Senhor, dizendo:

Vai-te daqui, e vira-te para o oriente, e esconde-te junto ao ribeiro de Querite, que está diante do Jordão.

E há de ser que beberás do ribeiro; e eu tenho ordenado aos corvos que ali te sustentem. Observem, “que ali te sustentem,” não em nenhuma outra parte.  “Ali!”

Foi, pois, e fez conforme a palavra do Senhor; porque foi, e habitou junto ao ribeiro de Querite, que está diante do Jordão.

E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã, como também pão e carne à noite;  e bebia do ribeiro.

E sucedeu que, passados dias, o ribeiro se secou, porque não tinha havido chuva na terra.

13 – O Senhor acrescente Suas bênçãos à leitura de Sua Palavra. E agora, nesta noite, quero tomar um texto dali, intitulado: “Alimento Espiritual em Seu Tempo.” Esta manhã tivemos uma-uma lição sobre – “Fazendo um serviço para Deus, ou melhor,  tentando fazer um serviço a Ele sem ser…fora de tempo, de estação, do lugar, ou da pessoa.” E agora isto é: Alimento Espiritual em Seu Devido Tempo.

14 – Este profeta, Elias, sabemos muito pouco sobre ele. Mas sabemos que ele era servo de Deus, e o servo de Deus para àquela hora.

15 – E Deus tem usado Seu Espírito que esteve sobre Elias, já três vezes, e  promete duas vezes mais; cinco vezes, por graça. Ele O usou sobre Elias; Ele veio sobre Eliseu numa porção dobrada; esteve sobre João Batista; e está suposto a voltar para juntar e levar a Noiva Gentia; e virá com Moisés para levar aos Judeus para casa. Isso é correto. Cinco vezes são as que Deus prometeu usar o espírito de Elias, e Ele já o fez três vezes.

16 – Agora, este grande profeta, nem mesmo sabemos de onde veio. Sabemos que ele era um Tisbita. Mas como ele vem…

17 – Sabemos muito pouco acerca dos profetas. Não sabemos de onde vêm. Raramente…assim sendo não conheço nenhum profeta que veio da igreja ou qualquer genealogia atrás dele. Eram apenas homens comuns que eram destemidos e, muitas vezes, iletrados. E eles nunca haviam escrito nada, eles mesmos. Isaias e Jeremias, os dois, escreveram alguma coisa, mas esse grande homem Elias nunca escreveu nada. Muitos não escreveram; talvez não soubessem escrever. Mas eram homens rudes. Não há homens na Bíblia como esses profetas antigos. Eles desafiaram reinos, reis, pessoas, igrejas, e tudo mais, e se puseram firmes sobre a Palavra de Deus, e Deus provou que estavam corretos. Eram indivíduos muito rudes.

18 – E este Elias foi um dos mais ásperos de todos. Ele era um homem do deserto. Ele saiu do deserto; ele vivia no deserto. A Bíblia diz que ele vestia…era  peludo, e ele usava peles de ovelhas em torno de si, e um pedaço de couro, e pele de camelos ao redor de seus lombos, muita…Pelos por toda a face, e imagino que ele era  um homem de aparência muito rude, para olharmos nele.

19 – Mas nós não… nem todos eles morreram. Nem todos eles –  todos mortos. E nos dias do Concilio de Nicéia…  muitos de vocês têm lido O Concílio de Nicéia da Igreja Primitiva, quando quiseram fazer uma organização disto e acabar com todas as outras igrejas,  e vindo a uma, quando eles tiveram aquele Concílio de Nicéia, vieram homens rudes como Eliseu, vindo do deserto, comendo apenas ervas; um homem grosseiro. Mas os dignatários, e os oficiais sob Constantino, e outros, abafaram a voz deles. Porque eles, sendo profetas, conheceram então que o grão de trigo da igreja noiva tinha que cair no chão, da mesma maneira que o grão de trigo, o noivo, teve que cair no chão. E ali ficou por mil anos.

20 – Esta é a razão porque estão escrevendo livros hoje: “Onde está Aquele Deus que podia se manter em silêncio, enquanto via aos meninos serem assassinados e as mulheres despedaçadas pelos leões, e assentado nos Céus e não dizia nada contra isso?” Eles não conhecem a Palavra. Esse grão de trigo teve que cair na terra. Como pôde um Deus justo olhar a Seu próprio Filho morrer e que lhe cuspissem e tudo mais? Porém estava de acordo com a Palavra, isso tinha que ser. E assim é até essa hora.

21 – Este homem, foi um grande homem. Ele tinha diante dele uma geração pecadora. O rei era Acabe, e seu pai antes dele havia sido mau. Desde Salomão, apareceram reis perversos, um após outro.  E este homem, Acabe, o qual reinou vinte e dois anos em Samaria, foi o pior de todos eles. Ele foi um verdadeiro modernista. Ele cria na religião, certamente. E tinha toda uma tendência moderna. Ele tinha seus quatrocentos profetas hebreus, todos estavam bem instruídos e treinados. Deus lhe enviou um e ele não quis crer nele, e este foi Elias.

22 – Porém Elias, esse Tisbita, era um homem do deserto. Não foi um homem delicado, mas era um homem grosseiro. E um dia, depois que Acabe havia pecado até Deus não poder suportar mais, Ele falou a Elias no deserto. E eis que vinha no caminho a Samaria, como sempre tenho ilustrado; talvez tinha barbas brancas ao redor de sua face, e cabeça calva, brilhando no sol, e seus pequenos olhos amiudados, lá atrás com  uma  vara em sua mão, com um sorriso em sua face, caminhou diretamente ao rei de Israel,  e lhe disse: “O…Nem mesmo orvalho cairá até que eu chame por ele.”

23 – Deus nos dê homem como aquele, veja, homens que saibam o que estão fazendo com o Assim Diz o Senhor.

24 – Agora, encontramos que antes que ele fizesse aquilo, que Deus o havia chamado. Deus havia falado com ele e, portanto, ele não temia nada. Ele não tinha temor de sua Mensagem, que aquilo não acontecesse; ele sabia que aquilo aconteceria!  Ele sabia que isto estava de acordo com a Palavra do Senhor, e ele sabia que ele era o profeta de Deus para a hora. Portanto pouco lhe importava se o rei lhe cortasse a cabeça, o lançasse no cárcere, ou fizesse com ele o que quisesse, isto não fazia nenhuma diferença para ele; ele tinha uma comissão: “Assim Diz o Senhor,” bem na face do rei. Que pessoa áspera! Porém antes que fizesse isto, predissesse esta grande seca …

37 – Agora, mas Elias, durante este tempo, tinha um lugar secreto ao qual Deus lhe havia ordenado que fosse. Esta é a coisa que queremos ver agora antes de termos a fila de oração. Elias tinha um lugar secreto provido por Deus mesmo. Agora, a igreja nunca proveu para ele, o rei nunca proveu isto para ele, ele não proveu para si mesmo, mas foi Deus quem proveu um lugar secreto para Elias para que pudesse ser alimentado durante todo o tempo da seca, onde seu alimento foi provido dia a dia. Ele não necessitava se preocupar com o que ia suceder amanhã ou se ia acabar a provisão. Deus disse: “Eu tenho ordenado aos corvos, e eles te alimentarão.” Que coisa tão maravilhosa, um tipo de nosso lugar secreto em Cristo.

62 – Os profetas do Antigo Testamento, ou de qualquer tempo, quando viviam na presença de Deus, se tornavam a própria Palavra, sua Mensagem é a Própria Palavra . E, recordem, ele disse: “Assim Diz o Senhor.” E quando aqueles homens tinham essas Mensagens de Deus, e eles se  envolviam de tal forma que seus próprios pensamentos… pode ser que estava contra seu próprio modo de pensar, talvez não tivessem a capacidade para – para vê-lo corretamente. Porem eles estavam falando a Palavra de Deus, “Assim Diz o Senhor.”

63 – “Não haverá nenhuma chuva até que eu a chame.” Oh, que declaração! Ele havia estado na presença de Deus e havia sido vindicado tão perfeitamente. E, recordem, que isso também vai de acordo com Amós 3: 7, “Certamente o Senhor Jeová não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos os profetas.” Ele disse: “Nenhuma chuva cairá!” Ele primeiro….

64 – Riram dele, eles achavam que estava louco, “Aquele fanático!” Mas, vejam,  ele tinha o Assim Diz o Senhor que não ia chover. E, Deus, antes que fizesse isto, o havia revelado a Elias Seu servo. E ele foi um profeta provado, vindicado, assim sendo o povo devia haver se arrependido. Mas, em vez disso, zombaram dele e disseram: “Oh, temos bastante chuva! Nossos reservatórios estão cheios. E os rios correm bem.”

65 – A Bíblia diz que, “Não houve nem sequer orvalho por três anos e seis meses.” Todos os riachos e toda água se secou, por onde quer que fosse. Aquilo não era aquele homem, aquilo era Deus falando através daquele homem. Esse foi o “Eu” que era. Sempre sabemos. Então ele…

66 – Encontramos que quando um homem vem, enviado de Deus, ordenado de Deus,  com o verdadeiro Assim Diz o Senhor, a mensagem e o mensageiro são um e o mesmo. Porque ele é enviado para representar o Assim Diz o Senhor, Palavra por Palavra, então, ele e sua Mensagem são o mesmo.

67 – Um homem denominacional sob os auspícios denominacionais, ele e a igreja são “um”. Um teólogo sob teologia , produzida por alguma denominação, ele e sua mensagem são um; igreja de teologia, um teólogo. Isso é correto.

68 – Então quando vem um homem com o Assim Diz o Senhor, ele e a Mensagem são um. E quando Elias veio com o Assim Diz o Senhor, ele e sua mensagem chegaram a ser um. Tal como Jesus, quando Ele veio, Ele era a Palavra, S. João 1. Então a Palavra de Deus e o mensageiro da era eram a mesma coisa, todo o tempo. É a verdade.


RELIGIÃO DE JEZABEL
William M. Branham
19 de Março de 1961
Middletown – Ohio – U.S.A.

27 – Eu quero ler para vocês, apenas uma palavra da Bíblia. Vocês a encontram, umas poucas palavras que eu quero ler aqui para um texto, encontra-se no Capitulo 17 de I Reis, 1º versículo:

…Como vive o Senhor Deus de Israel, perante cuja face estou, que nestes anos nem orvalho nem chuva haverá,… senão segundo a minha palavra. (I Reis, 1º cap-… Capitulo 17, versículo 1º)

29 – Este homem de aparência estranha com um pau em sua mão, seus passos firmes, seus olhos vislumbrando com a Glória de Deus, sua barba voando no lado dele, um velho pedaço de pele de ovelha enrolado ao seu redor, ele estava marcando seus passos tão firmes enquanto descia a estrada para Samaria. Ele não tinha muito o que olhar, porém ele tinha o Assim Diz o Senhor para aquela notável nação de Israel. Sim, Elias o Tisbita, um profeta do Senhor. Ele não tinha muito o que se olhar, porem ele tinha a Palavra do Senhor.

30 – Ele não estava com medo de se colocar diante do rei, pois ele tinha estado na presença de um maior que o rei, ele tinha estado na presença de Jeová. Portanto, ele sabia onde ele estava se colocando. E quando ele caminhou diante do rei ele não gaguejou e nem titubeou, ele sabia o que ele estava falando. Ele podia dizer para o rei, “Assim Diz o Senhor Deus de Israel, ‘Não haverá nem chuva nem orvalho até que eu chame por isto’.” Por que ele disse que: “Até que eu chame por isto. Segundo a minha palavra”? Porque ele tinha a Palavra do Senhor, ele era um profeta, e o profeta em a Palavra do Senhor.

85 – Tudo isto aconteceu e, Israel. Finalmente, um dia, vem saindo do deserto, um velho companheiro de aparência peluda, Elias o Tisbita. Ele jamais veio de qualquer das organizações, ele veio do deserto! Ele não tinha nada a ver com eles. Ele era um profeta do Senhor. Irmão, ele sacudiu aquele reino de Jezabel com tudo que estava nele. Eles o odiaram. Ele não teve nenhuma cooperação, eu garantirei isto a vocês. A Bíblia diz que não. Certamente. Eu imagino o que ele fez com aqueles rostos pintados de Jezabel. Ele colocou o machado à raiz da árvore como fez João, as lascas caiam onde quer que queriam, mas ele a deitou ali. Ele sacudiu a nação, mostrando que eles estavam errados, e tentando chamá-los de volta para um verdadeiro Deus vivo, e de volta à Sua Palavra em vez da adoração de Jezabel.

86 – O que fizeram eles? Eles o receberam? Eles o odiaram! Mas sua Palavra prosseguiu a mesma, porque ele tinha o Assim Diz o Senhor! Deus trabalhou com ele, e mostrou que ele era profeta ungido pelas coisas que ele disse que aconteceriam. E tudo que ele fez provava que ele era profeta de Deus. Mas ainda assim eles não creram Naquilo, porque cortou suas casas de jogos. Ele lhes disse que eles estavam “Errados!” Acabe era um trabalhador braçal. Verdade! E vocês observem que eles não creram nele, porem ele pregou aquilo da mesma forma. Nenhum dos pregadores concordou com ele, ele disse, “Eu sou o único que tem restado, Senhor. Olhe para eles, eles nem mesmo… um, ninguém cooperará”. Mas ele tinha uma missão a cumprir e ele a cumpriu. Ele tinha a Palavra do Senhor, o Assim Diz o Senhor! E ele atacou a nação, ele atacou a igreja, ele atacou tudo que havia, e Deus estava com ele!

tabernaculo-4 - Copia

Posted in Matérias do Profeta.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...